Andaluz | Duas Chagas | Jogo | Para amanhã | Regalo | Retrato de Katia | Variações para morte | Cerimônia | Êxodo | Essencial | Carta lacrada | Dedicatória
 
Regalo


"É vermelho, púrpura,
Carmesim, afogueado,
Encarnado, sangüíneo,
Cinábrio, corado,
Rubro, escarlate."
(Darcy Ribeiro - Eros e Tanatos)

Prepara as costas em disparada,
uma respiração veloz para cantar tua entrada
na treva do largo refúgio.
Põe num giro, planta a tua verga,
(os nervos queimando)
e os dois trabalhando pelo mais,
a pergunta que sobe os pulmões
embaixo ela incha, conquista evoluída...
Dedos entre dedos,
a mistura se firma, demorada.
Boca de um vem rogando,
ajustando assanhada a mira do assalto,
boca de outro se banha, gostosa se junta
enlaça e baba.
(...Boca se bebe na boca)
Cabelo dos mares valentes
corre no braço, arrepia o seio,
um choro estridece, cantado na orelha
- eco de confissão.
Carne na carne,
as chamas concorrem, bamboleiam metas.
Ela enforca as tuas saídas, e te pede - vem,
aflora, aferra, afunda aqui.
Agora tua a seiva que é de poucos (de tão poucos).
A língua desenrolada solta na pele o melaço,
o seu ardido sabor.
O regalo entornando sem controle
em ti na outra em ti,
uma impureza desvairando insana,
agarrada bem na raiz da tua importância,
da tua perfeita afirmação.
Atrás da cabeça os punhos, contorcem-se veias,
no lábio borbulha uma condenação...
Vai e chora no estreito, duro, forte
e agora encharcado estreito.
Vira fuzil doido, incontido, e jorra,
fonte na fonte.
Caídos do topo, úmidos e compensados,
teu riso que rasga o quarto,
iniciamos o abraço só nosso.