Filhos do Fogo | Pântano | Pela Boca | Fazer Silêncio | Estrela da Terra |
Leitura das Cartas | Enterro de Zeus |
O outro lado | Voz de ninguém
 
O outro lado  


Aqui se fica para sempre,
Tem-se os pés gelados.
Dorme-se à vontade,
As unhas crescem como garras.

Deixa-se um rastro para trás,
Mas a memória não supõe
A estrada percorrida
E o rastro se dissolve.

Não se canta mais, já não se evoca.
A poesia está muda,
Nobremente sepultada no dilúvio
Que purifica e destrói o brasão dos fatos.

A felicidade brota do cansaço,
Desmancha uma aliança íntima,
Desbota cartas, retratos e viagens.
O temporal lava a carne gasta.

Nada se sabe a respeito do passado,
Ninguém se lembra,
Melhor não se lembrar,
Não revolver os despojos.

Abandona-se toda a bagagem.
Nenhum espólio, nenhuma saudade.
Abre-se uma vala estreita
Onde antes se podia pisar.

Acontece, enfim,
Tira-se a máscara.
E os olhos (cerrados) compreendem :
Aqui é leve a eternidade.