GLOSSÁRIO FITOHORMONAL
MUDANÇAS HORMONAIS
FASES DA TRANSIÇÃO
ÚLTIMA MENSTRUAÇÃO
MENOPAUSA PRECOCE
SECURA VAGINAL
INCONTINÊNCIA URINÁRIA
FALTA DE TESÃO
INSÔNIA
CALORES & SUORES
TRISTEZA & DEPRESSÃO
GANHO DE PESO
PELE & OSSO
TRH
REPOSIÇÃO ALTERNATIVA
TERAPIAS NÃO HORMONAIS
ALIMENTAÇÃO & EXERCÍCIOS
EXAMES & PREVENÇÃO
NOVIDADES DA PESQUISA
ARTIGOS & LIVROS
GLOSSÁRIO HORMONAL
GLOSSÁRIO FITOHORMONAL
DESTAQUES DA SEMANA
MAIS INTERAÇÃO
MODA & MENOPAUSA
ESPAÇO PARA ESPECIALISTAS
CANAL DA SOBRAC
PERGUNTAS & RESPOSTAS
EQUIPE DO SITE
Aviso: O MenosPausa é um espaço jornalístico independente. Seu conteúdo NÃO substitui a consulta ao médico.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ONDAS DE CALOR
TPM NO CLIMATÉRIO
TRISTEZA & DEPRESSÃO
FADIGA E ESTRESSE
PERDA DE MEMÓRIA
INFECÇÕES URINÁRIAS
PALPITAÇÃO

SABEDORIA MILENAR

Dra. Dina KaufmanA médica Dina Kaufman, de São Paulo, especializada em medicina chinesa e acupuntura, homeopatia e terapia ortomolecular, é a autora do glossário de ervas, que compõem o arsenal terapêutico alternativo ao tratamento tradicional de reposição hormonal.

São medicamentos extraídos de plantas com propriedades fitoestrogênicas que tem potencial de aliviar vários dos sintomas da menopausa como as ondas de calor, a síndrome de tensão pré-menstrual típica do climatério, as sensações de fadiga e estresse e perda de memória, além das infecções urinárias e vaginais, mudanças de humor e palpitação.

Tais qualidades das ervas medicinais, que são conhecidas há centenas de anos, algumas até há milênios, por variadas culturas, vêm sendo reconhecidas pela ciência de vinte anos prá cá, observa a médica. "Graças a uma série de ensaios clínicos realizados em países da Europa, como a Alemanha, e mais recentemente, também nos Estados Unidos, que confirmaram a eficácia de suas propriedades medicinais", diz ela. Veja as referências desses estudos no final de cada um dos verbetes. A seguir, a entrevista com Kaufman.


: Que perfil de mulher é mais suscetível ao tratamento com as substâncias da medicina alternativa?
KAUFMAN: Todas as mulheres.
: Não tem diferença entre o benefício obtido por um mulher que tenha um estilo de vida mais saudável e outra que é fumante e sedentária?
KAUFMAN: De fato, quem faz exercícios regularmente, tem uma dieta saudável e a vida emocional equilibrada se beneficia particularmente das plantas medicinais nessa fase de transição porque tende a sentir os sintomas com menos intensidade. Pois como se sabe, os fitoestrógenos são uma alternativa medicamentosa menos potente do que os estrogênios sintéticos usados na terapia de reposição hormonal ou TRH.
: O que seria uma dieta saudável?
KAUFMAN: Uma dieta composta de pouca proteína animal, proporção reduzida de gorduras e de sal bem como de carboidratos simples (açucares)e sem o consumo excessivo de álcool e de cigarros.
: Homeopatia, terapia ortomolecular e acupuntura são recursos usados para resolver quais sintomas da menopausa?
KAUFMAN: Como os sintomas variam conforme o estado de saúde de cada mulher, podemos dizer que essas terapias se complementam no tratamento tanto das queixas objetivas, caso das dores articulares e de cabeça, dos calores e suores ou da irregularidade menstrual que são características da transição, como de manifestações subjetivas -- os quadros de tristeza e depressão leve e moderada, ansiedade e insônia. A escolha terapêutica, isso é importante frisar, tem de ser individualizada de acordo com o quadro de sintomas.
: Quando e como os fitoestrógenos, mais particularmente as isoflavonas que estão presentes em grande quantidade nos grãos da soja, são mais eficazes?
KAUFMAN: A literatura científica conhecida até hoje mostra que o uso das isoflavonas da soja na substituição dos estrogênios naturais tem seus efeitos positivos no alívio dos sintomas da menopausa, como a manifestação dos calores. Mas também pode produzir efeitos negativos, principalmente quanto ao risco de câncer estimulado pelos estrogênios. Trabalhos realizados mostraram a isoflavona associada ao crescimento de células de tumor de mama tanto em vivo como em vitro. Na minha opinião, mulheres que já tiveram algum tipo de câncer de mama ou apresentam risco maior para a doença por causa do histórico familiar não devem usar a isoflavona.
foto: luciana de francesco

<< voltar