SECURA VAGINAL
MUDANÇAS HORMONAIS
FASES DA TRANSIÇÃO
ÚLTIMA MENSTRUAÇÃO
MENOPAUSA PRECOCE
SECURA VAGINAL
INCONTINÊNCIA URINÁRIA
FALTA DE TESÃO
INSÔNIA
CALORES & SUORES
TRISTEZA & DEPRESSÃO
GANHO DE PESO
PELE & OSSO
TRH
REPOSIÇÃO ALTERNATIVA
TERAPIAS NÃO HORMONAIS
ALIMENTAÇÃO & EXERCÍCIOS
EXAMES & PREVENÇÃO
NOVIDADES DA PESQUISA
ARTIGOS & LIVROS
GLOSSÁRIO HORMONAL
GLOSSÁRIO FITOHORMONAL
DESTAQUES DA SEMANA
MAIS INTERAÇÃO
MODA & MENOPAUSA
ESPAÇO PARA ESPECIALISTAS
CANAL DA SOBRAC
PERGUNTAS & RESPOSTAS
EQUIPE DO SITE
Aviso: O MenosPausa é um espaço jornalístico independente. Seu conteúdo NÃO substitui a consulta ao médico.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O QUE É SECURA VAGINAL
"O QUE NÃO SE USA, ATROFIA"

Se você tem mais de 40 anos e não mantém relações sexuais regulares (duas vezes por semana) nem se masturba com frequência, pode ter mais dificuldade nas relações sexuais depois da menopausa. Mulheres que praticam pouco ou nenhum sexo levam mais tempo para conseguir a lubrificação vaginal.

Atrofia urogenital é o termo médico utilizado para descrever os efeitos da falta de hormônios na vagina, após a menopausa. O tecido que reveste seu interior perde espessura, elasticidade e lubrificação e predispõem as mulheres a infecções no canal vaginal, na uretra e na bexiga. Mais seca, a vagina fica mais suscetível a coceira e a sensação de queimação, condições que tornam a relação sexual dolorosa. A penetração pode chegar a ferir os tecidos da parede vaginal e provocar sangramento, problema que os ginecologistas diagnosticam com o nome técnico de dispareunia.

A secura vaginal, bem como os demais sintomas associados `a menopausa podem surgir até dez anos antes da última menstruação. Inicialmente de forma leve, eles ficam a acentuados a partir dos 45 anos, em média. O desaparecimento dos folículos ovarianos aumenta por volta dessa idade. O fenômeno, denominado de atresia folicular dá origem a um circuito de erros na produção hormonal, levando a picos de alta quantidade e de baixa abrupta de hormônios em circulação.

O desaparecimento dos folículos e a flutuação nos níveis hormonais reduz em até 50% a chance de ovulação a cada ciclo e são os principais responsáveis pelos sintomas clássicos da aproximação da menopausa: irregularidade do ciclo e do fluxo menstrual, ondas de calor e de suores e ressecamento da mucosa vaginal. Eles atingem 80% das mulheres, em algum momento da transição. A maioria desses sintomas têm duração limitada, em geral de quatro a cinco anos a contar do início da perimenopausa, com exceção do ressecamento da mucosa vaginal, cujo efeito é duradouro.

A aplicação local de cremes é suficiente para restaurar a normalidade da mucosa vaginal e o seu PH normal e conter infecções. Entre os cremes mais indicados pelos médicos estão os produtos à base de estriol, um tipo de estrogênio menos potente, ou formulações com do tipo ovestrion, promestriene e colpotrofine, que tem ação apenas local. O uso de gel ou creme vaginal não hormonal do tipo K-Y fornece alívio temporário para o ressecamento da vagina e o desconforto na relação sexual. Para quem faz TRH, o problema deixa de existir depois dos primeiro mês de uso.

<< voltar