BÍBLIA DO CAOS
 BIOGRAFIA
 CHAPEUZINHO
 CHARGES
 CLÁSSICOS
 COLABORAÇÕES
 CONPOZISSÕIS IMFÃTIS
 DAILY MÍLLOR
 DESCOBERTAS
 DEVORA-ME
 DICIONÁRIO
 ECONOMIA
 FÁBULAS FABULOSAS
 FRASES
 GALERIA
 HAI-KAIS
 HISTÓRIA DO PARAÍSO
 HUMOR NEGRO
 INTERNET NOTA 10
 LIVRO BRANCO
 LOGOS DO MILLÔR
 MILLÔR NA IMPRENSA
 MILLÔR NO PASQUIM
 MURAIS
 NOHTAS
 PERGUNTAS CRETINAS
 PESQUISA
 PIF-PAF
 POEMAS
 POSTAL
 RETRATOS 3X4
 SEXO
 TEATRO
 TEXTOS
 THE COW
 UOLPAPER
 VÍDEO
 MAPA DO SAITE

 


Ano 04 • nº 44 • Setembro 2004

Veja os outros anos
Dicionário Português/ Português


por Millôr Fernandes

A cumieira, a cimeira, a cúpula, trouxe de novo à discussão se devemos ou não devemos admitir influência de línguas estrangeiras. Ah, Portugal não fala língua estrangeira? Então vejam se entendem este texto:

"Estava a conduzir meu automóvel numa azinhaga com um borracho muito gira ao lado, quando dei com uma bossa na estrada de circunvalação que um bera teve a lata de deixar. Escapei de me espalhar à justa. Em havendo um bufete à frente convidei a chavala a um copo. Botei o chiante na berma e ordenamos ao criado de mesa, uma sande de fiambre em carcaça eu, e ela um miau. O panasqueiro, com jeito de marialva paneleiro, um chalado da pinha, embora nos tratando nas palminhas, trouxe-nos a sande com a carcaça esturrada (e sem caganitas!), e, faltando-lhe o miau, deu-nos um prego duro".

Não entenderam. Preferem javanês? Então eu traduzo para a língua que se fala no Brasil:

"Eu dirigia meu carro por um caminho de pedras tendo ao lado uma gata espetacular, quando vi um lombo na estrada de contorno que um escroto teve o descaramento de fazer. Por pouco não bati nele. Como havia em frente uma lanchonete, convidei a gata a tomar um drinque. Coloquei o carro no acostamento e pedimos ao garçom sanduíche de presunto com pão de forma, eu, e ela sanduíche de lombinho. O gozador, com jeito de don Juan bicha, muito louco, embora nos tratando muito bem, trouxe o sanduíche com o pão queimado (e sem azeitonas!) e não tendo sanduíche de lombinho, trouxe um de churrasquinho duro."

Vou confessar: só me foi possível traduzir o trecho acima por ser o rico possuidor de dois dicionários de português/ português. O primeiro é de l981; Dicionário Lusitano-Brasileiro, Edições Plaquette, Rio. Um livreto artesanal, de Eno Teodoro Wanke. Contém pouco mais de 1000 palavras. O segundo, Dicionário Contrastivo Luso-Brasileiro, da Guanabara, é de Mauro Villar. Já está feito com todo o approach científico-linguístico e tem, calculando por alto, mais de 12.000 verbetes. Além de português/português é também um dicionário de português/português, se é que percebem.

Além dos dois dicionários português-português, sou ainda o rico proprietário de garfo e faca com as insígnias da Pide, a temida polícia política portuguesa. Recebidos de presente, depois da Revolução dos Cravos.

Como escrevi durante anos em Portugal, fui, com alguns amigos, catar nos arquivos policiais o que havia lá contra mim, e lá eles me deram os talheres. Ah, outra glória minha em Portugal foi o dia em que Salazar, o Fidel Castro Luso, lendo minhas páginas, disse a um embaixador: "Este gajo tem piada - pena que escreva tão mal o português." O panaca sabia das coisas.

Clique aqui e leia mais Dicionários do Millôr. Exclusivo para assinantes UOL.

 
sobe
Copyright © Millôr Online 2000/2010. Todos os direitos reservados.