A tecnologia moderna permite a fabricação de rubis em laboratórios. A diferença pode ser detectada pelo exame da estrutura interna da pedra. Os rubis naturais formam-se em curvas em vez de linhas retas e as pequenas bolhas de gás que possuem são alongadas e não redondas. Tal qual o ouro os rubis são pesados para o seu tamanho.

Na antigüidade, quando a tecnologia disponível para a classificação de pedras preciosas era o olho humano, estas eram classificadas pela cor. Plínio, O Velho, classificou todas as pedras vermelhas transparentes como Carbunculus. Até 1800, rubis, espinélios e granadas vermelhas eram considerados rubis, palavra derivada do latim rubeus ou ruber, que significa vermelho. Muitos dos rubis famosos da história não são verdadeiros. O Rubi Timor, o Rubi Black Prince e o Rubi Côte de Bretagne são na verdade espinélios vermelhos. Já o famoso Rubi Catarina A Grande, considerado por muitos anos o maior rubi da Europa é, na verdade, uma turmalina vermelha. Durante a Renascença o rubi era uma das pedras preferidas da nobreza. Em 1560, Benvenuto Cellini escreveu que o preço alcançado pelos rubis era oito vezes maior que o preço dos diamantes.

Na verdade, os rubis são mais valiosos do que os mais perfeitos e puros diamantes. Por essa razão é muito difícil encontrar um rubi de alta qualidade, o que faz com que esta pedra não seja tão valorizada, pelas pessoas, como deveria. Pedras preciosas são vendidas por quilates, uma unidade de peso que eqüivale a 1/5 de grama. Quanto maior o rubi, devido a sua raridade, mais caro o quilate.

O preço record alcançado por um rubi, foi em um leilão realizado em 1988, no qual, uma pedra de 16 quilates foi vendida pelo valor de US$ 227.301,00 por quilate, pela Sotheby's. Outro rubi de 32 quilates foi vendido em 1989 por US$ 144.000,00 o quilate, também pela Sotheby's. Em maio de 1995, em Genebra, esta mesma casa de leilões vendeu um anel, com um rubi de Burma, de 27.37 quilates pelo valor de 4 milhões de dólares, ou seja, US$ 146.145,00 por quilate. Em comparação, nos últimos anos, foram vendidos oito diamantes D-color absolutamente perfeitos e com mais de 50 quilates, dentre os quais o maior, com 102 quilates em forma de pêra, alcançou apenas o valor de US$ 125.000,00 por quilate. Rubis de alta qualidade são tão raros que os comerciantes de pedras precisam estar constantemente a sua procura. As pedras com mais de 5 quilates, então, são praticamente impossíveis de encontrar.

[volta]