Publicidade

 




CRÍTICA: A DUBLAGEM CARIOCA DE "OS INCRÍVEIS"
17/12
Escrito por: David Denis Lobão
Editado por:

Ser critico de algo ligado ao mundo do entretenimento nunca é uma tarefa fácil. Basta algum jornalista que se atrever a falar mal de uma novela, filme ou até de ator para ouvir críticas pesadas dos amigos e fãs dos mesmos.

Ser um crítico de dublagem no Brasil, nem se fala. Basta uma crítica negativa ou discordar do trabalho de um dublador para você se taxado de “anti-dublagem”. Mesmo que a pessoa que esteja criticando seja um defensor da dublagem brasileira.
Graças a Deus, meu papel hoje não é ser o advogado do diabo. O motivo? Eu AMEI a dublagem de Os Incríveis. Realmente eu considero o trabalho feito no novo filme da Disney/Pixar, como um dos melhores dos últimos tempos e provavelmente o melhor do ano. Uma verdadeira aula de adaptação de texto e direção de atores.

A dublagem de Os Incríveis (com perdão do péssimo trocadilho) é realmente incrível. O trabalho do diretor e tradutor Garcia Júnior, ajudado pelo também dublador Guilherme Briggs é espetacular e nos faz perdoar a Disney Brasil por ter assassinado nossa infância transformando nos últimos anos Puff em Pooh e deixado de traduzir algumas músicas em suas recentes produções.
A adaptação faz as crianças (hoje adultas) lembrarem os tempos de ouro das animações em que os nomes eram traduzidos para o português e sabíamos que Sleeping Beauty era Bela Adormecida e Belle era Bela. Os meninos e meninas que hoje forem aos cinemas não precisaram ouvir nomes estranhos como Frozone, Dash e Elastigirl, ficando na lembrança deles o Gelado, Flecha e a Mulher-Elástica, indo contra a ridícula moda da dublagem brasileira de manter sempre os nomes no original.
E funcionou, pois o público em sua maioria (tanto pais, quanto filhos) foi bem receptivo ao resultado. Mas a crítica especializada em cinema em geral, não viu com bons olhos a iniciativa da Disney. “Assisti ao filme mais uma vez, desta vez em versão dublada. O sujeito responsável pela adaptação/tradução deveria ser sumariamente demitido. Além da versão ridícula dos nomes dos personagens (Beto Pêra?! Francamente!), o sotaque 'surfista' dos Incríveis é lamentável, tornando-se ainda pior graças aos modismos dispensáveis, como 'Comédia!' e 'Ninguém merece!'.”, escreveu Pablo Villaça, editor e critico do site “Cinema em cena”.

No caso adaptar as falas e os nomes deste filme, combinou com o espírito dos heróis, bastando lembrar que os nomes dos mutantes de X-men são traduzidos. Diferente, por exemplo, seria fazer a mesma coisa em um longa de uma animação japonesa como Yu-Gi-Oh!, Pokémon ou Beyblade, em que os fãs já conhecem os personagem pelos nomes originais ou americanos e não caberia a mudança de estilo.
Espero realmente que a Disney continue com este trabalho de adaptação (que pode ser visto também em Mulan 2, recém lançado em vídeo) e não ligue para as criticas negativas que vem recebendo, pelo bem da dublagem brasileira. Afinal, precisávamos de um produto a altura do texto original e dos atores originais de Os Incríveis, que conseguiram ao todo 16 indicações p/ o Annie Wards.

Aliás, em se tratando de elenco é importante destacar o trabalho de pelo menos dois atores desta constelação de astros: Alexandre Moreno (o Kaká de Johnny Bravo) com o grande vilão Síndrome e Márcio Seixas como o Senhor Incrível. É impossível imaginar outra voz para o herói do filme pois Márcio criou uma mistura perfeita de dois dos seus maiores trabalhos: o atrapalhado e barrigudo Tick (mera coincidência?) com Batman, o maior defensor mascarado dos desenhos. Afinal esta é a mistura perfeita da família Incrível, o poder dos super-heróis com o humor, em uma homenagem aos desenhos japoneses atuais como InuYasha e Dragon Ball Z.

Para os que amam e para os que odeiam, eu deixo minhas apostas por Os Incríveis no III Prêmio Yamato, o Oscar da Dublagem Brasileira. Espero encontrar toda a família reunida na premiação pelo menos como finalistas, pois eles merecem. Para os fã de dublagem, eles conseguiram algo praticamente impossível se igualar a Procurando Nemo no topo da lista das melhores dublagens de todos os tempos.

Os dubladores brasileiros:

SR. INCRÍVEL - Márcio Seixas
MULHER-ELÁSTICA - Márcia Coutinho
FLECHA - Bernardo Coutinho
VIOLETA - Lina Mendes
SÍNDROME - Alexandre Moreno
GELADO - Luiz Carlos Persy

Parte 1 (História) | Parte 2 (Dublagem)

Produzido por ©YAMATO CORPORATION - Conteúdo por ©YAMATO EDITORA - Design por ©T2 Studio - 2004/2009
Copyright: Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da ZN Editora.