Publicidade

 




RETROSPECTIVA 2004: DUBLAGEM NO BRASIL
29/12
Escrito por:

Jair Marques (com fotos de Odair Stefoni)


Editado por:


Dubladores: Isabel de Sá, Draudio de Oliveira, Lene Bastos e Cecilia Lemes

E falando nele...

O novo estúdio de dublagem, a Áudio Corp, tem apenas dois anos e já demonstra enorme crescimento. O estúdio é do empresário Gil Monteaux, que deixou a Herbert Richards depois de oito anos de casa para fundar o novo estúdio. Segundo ele, o investimento foi bastante alto, o bastante para produzir diversos estúdios como os que existem hoje, deixando bem clara a preocupação em, desde o início, fazer a Áudio Corp um referencial no meio da dublagem. Os estúdios são localizados em um imenso galpão de 1500 metros quadrados, em Benfica. O estúdio conta até com sistema de molas no piso, para impedir que ruídos quase imperceptíveis possam ser captados pelos equipamentos mais sensíveis. Como visto acima, o estúdio já tem em suas mãos duas grandes séries da Fox: Os Simpsons e o Rei do Pedaço, que saíram da também carioca Herbert Richards, curiosamente a ex-casa do dono do estúdio.


Lene Bastos e Flavio Diaz (Centauro) e Jorge Barcellos (Sigma)

Uniarthe, um destaque em São Paulo

Assim como a Áudio Corp vem desempenhando um belo crescimento no Rio de Janeiro, em São Paulo temos também o notável crescimento da Uniarthe, o primeiro estúdio de dublagem formado por uma cooperativa de artistas e técnicos em espetáculos. Novata no ramo, fundada no ano passado, a empresa conta com nomes como Alex Wendel, que atua como um dos diretores. Além de oferecer apoio no II Prêmio Yamato, o estúdio paulista ainda deu apoio ao evento AnimEstúdio, que ocorreu durante o Anime Friends, sorteando dois fãs de dublagem, um de cada sexo, com um curso grátis de dublagem em seus estúdios, cursos esses que são veiculados periodicamente na Uniarthe, incentivando a criação de novos fãs, e até mesmo de profissionais da dublagem.


Míriam e Milu (Tempo Filmes) e Alessandra Araujo (Sigma)

E ficamos por aqui com a Retrospectiva 2004 : Dublagem no Brasil. Esperamos ter conseguido fazer um belo resumo do que ocorreu de mais interessante e importante esse ano no campo da dublagem. Lembrando que a dublagem não é apenas uma arte, mas sim uma maneira de fortalecermos nossa língua e nossa cultura. Quando uma série é dublada, ela tem todo um carinho especial para que seja adequada ao nosso público, seja ela de onde for, do Japão, Coréia, Estados Unidos, México ou de qualquer outro lugar do mundo. Aqueles que criticam a dublagem deveriam pensar mais no papel que a dublagem desempenha na nossa sociedade, sendo grande aliada também dos deficientes visuais. Claro que podem existir péssimos trabalhos que tornam uma produção em uma lástima em sua versão dublada, mas esses tipos de trabalho são minoria no ramo e, casa vez mais, a dublagem brasileira vem se aperfeiçoando e assumindo posição entre as melhores dublagens do mundo.

E assim encerramos não apenas essa matéria, mas sim toda a série de matérias sobre a Retrospectiva 2004. Além disso, encerramos também as atividades do site Ohayo nesse ano de 2004. Mas, claro, voltamos com força total no ano novo, para trazer a vocês todas as novidades, informações e matérias, tentando sempre nos superarmos cada vez mais, para oferecer a todos vocês o melhor do melhor sobre a animação, mangás, tokusatsu, games, dublagem, eventos, fanzines, cosplays, garage kits e todo o melhor da cultura oriental em geral.

Desejamos a todos vocês um final de ano maravilhoso, e uma passagem de ano melhor ainda. Muita saúde, paz e bondade no coração de todos, nesse novo ano que bate a nossa porta. Que todos nossos sonhos se realizem e que 2005 seja, com certeza, melhor do que 2004, sempre.

Boas festas, um ótimo ano novo e até nossa volta, em 2005, com muitas novidades e surpresas! Aguardem!

(Editada por: David Denis Lobão e Karlos Kusunoki)

Produzido por ©YAMATO CORPORATION - Conteúdo por ©YAMATO EDITORA - Design por ©T2 Studio - 2004/2009
Copyright: Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da ZN Editora.