Publicidade

 
Sailor Moon com força total!

25/05/2005 - Escrito por: Danilo Saraiva

Bishoujo Senshi Sailor Moon ou Linda Guerreira Sailor Moon é um dos animes mais queridos pelos fãs de animação japonesa. Sua trajetória no Brasil, porém, foi marcada de altos e baixos. Da mudança de emissora até as dublagens mal-feitas, os problemas só foram aumentando e no fim, apenas os assinantes da televisão paga puderam assistir o anime na íntegra.

Sucesso no Japão e em quase todos os países por onde passou, Sailor Moon é um fenômeno mundial e traz lucros para a Toei (Produtora da série) até hoje. Suas conquistas são várias e talvez a maior delas, foi ganhar uma série live action (seriado com atores reais), com boa aceitação no Japão.

Idas e vindas na televisão brasileira

A série estreou no Brasil em meados de 1996, na Rede Manchete. O país havia acabado de passar pelo “Boom” dos Cavaleiros do Zodíaco e heróis de olhos grandes estavam na moda. Os cavaleiros de Atena eram comentados em quase todas as revistas do gênero e na época, seus bonecos vendiam como água.

Os fãs demoraram a aceitar a chegada da guerreira com roupa de marinheiro, mas mesmo assim, a série fez um grande sucesso e seus produtos começaram a ser vendidos no Brasil. Daí o grande problema: pelo fato dos brinquedos e fantasias da série terem uma conotação feminina, muitos garotos (que assistiam o programa) se privaram de comprar os produtos, além de que, a coleção escolhida para vendagem no país não era das melhores. A falta de qualidade dos produtos e a pouca repercussão diante do mercado fizeram com que a distribuidora perdesse um pouco do interesse em lançar a série no Brasil.

Ainda assim, a Manchete apostava no sucesso das guerreiras lunares e exibiu a primeira fase na íntegra, a repetindo várias vezes. Porém, e sem motivos aparentes, a série parou de ser exibida no canal e não se sabem os motivos até hoje. Várias revistas da época anunciaram a vinda de novas temporadas e a própria emissora havia confirmado o interesse em comprar novos episódios. Rumores diziam que o anime custava caro demais (Pelo fato de estar em ascensão em países como Japão e México) para uma emissora em crise como a Manchete. Pouco tempo depois, o canal faliu e a série foi esquecida por um bom tempo.

Um site de apoio

Com a febre da Internet pipocando, o encontro dos fãs de Sailor Moon foi inevitável e o grande precursor disso foi o site BMS ou Brazilian Moon Shrine. Com um layout bem feito e várias informações até então inéditas no país (trazia resumos da penúltima e última série das guerreiras) como os novos personagens e acesso a músicas e guia de episódios, a página caiu nas graças do público e várias pessoas se encontraram através do fórum de discussão, que trazia um novo projeto: o SOS Sailor Moon, que lutava pela volta da série ao país.

A idéia de um SOS das guerreiras, porém, não era inédita. Nos Estados Unidos, devido aos cortes que o anime sofria (a transformação das guerreiras e algumas cenas mais picantes eram freqüentemente retalhadas), fãs criaram o “SOS – Save Our Sailors” que buscava um respeito por parte dos americanos. No Brasil, o foco era outro e além das séries animadas, buscava-se a publicação do mangá e venda de novos produtos.

A volta e a decepção

A ansiedade dos fãs só cessou, quando em 2000, (4 anos após a estréia da primeira temporada na Manchete) o canal pago Cartoon Network confirmou a compra de duas séries: Sailor Moon R (a segunda temporada) e Card Captor Sakura (um mega-sucesso no país). A euforia em torno da produção foi intensa e como era de se esperar as revistas e sites na Internet comemoraram o retorno das Sailors ao Brasil.

A estréia, porém, apesar de agradar aos desconhecidos, não teve boa aceitação dos fãs mais velhos. O anime trazia uma nova dublagem, feita agora pela BKS (a antiga era realizada pela Gota Mágica) e nenhum dos dubladores antigos fora conservado. A inconstância em torno dos ataques e transformações das guerreiras (o script de dublagem tinha frases mudadas a cada episódio) também foi motivo de fúria e assim, surgia no Brasil, através de uma nova equipe, a segunda fase do SOS Sailor Moon Brasil.

Hospedado em outro site (a BMS havia fechado), exclusivo para a campanha, vários fãs se uniram mandando e-mails e entrando em contato com o pessoal da dublagem. A BKS foi generosa e escutou os fãs melhorando e muito as traduções da terceira fase, que havia estreado no Brasil pouco depois da exibição da fase R.

Graças a essa campanha, uma emissora de TV aberta também se interessou pela série: a Rede Record. Para exibir a fase R, a Record fez um grande jogo de marketing gravando até mesmo um clipe com a cantora Eliana vestida de guerreira pelo espaço sideral (???). Infelizmente, o anime não tinha um horário fixo na emissora e logo foi descartado, sendo reprisada algumas vezes no programa Desenho Mania aos sábados.

A luta continua

Mesmo com a exibição das quatro últimas fases pelo Cartoon Network, os fãs das guerreiras não desistem e continuam lutando pela vinda do mangá, do novo live action lançado no Japão e principalmente pelo retorno do primeiro ano da série, com nova dublagem.

Este ano, no Anime Friends, o SOS promete se mostrar com força total e serão várias as atrações relacionadas ao anime.

Além do apoio oficial do evento ao retorno de Sailor Moon à televisão aberta, haverão salas temáticas só para exibições da versão animada, com encontro de fãs de diversos fóruns, inclusive da campanha brasileira. No AnimEstúdio, episódios dublados da série clássica serão passados no telão do mini-evento e um Teatro Cosplay se realizará no Sábado, às 14h30, com o grupo carioca Sailor Senshi no Yume.

No Oscar da Dublagem, os melhores momentos da série serão mostrados no clipe das dublagens inesquecíveis. Além disso, bandas tocarão músicas da trilha sonora original e adaptada.

A História

Usagi Tsukino (Serena Tsukino na América Latina) é uma estudante da oitava série, meio bobinha e atrapalhada, que sempre tira notas ruins na escola. Certo dia, ao sair atrasada (como era de costume) para o colégio, a garota se depara com um bando de rapazes maltratando uma pobre gatinha e rapidamente a salva, arrancando um esparadrapo colado na testa da gata. No lugar em que esse esparadrapo se encontrava, havia uma cicatriz em formato de lua. Usagi, porém, não tem tempo de dar atenção à gata e corre para a escola.

À noite, enquanto Usagi dormia, a gata aparece e começa a falar. A garota se assusta completamente e chega a achar que inclusive está sonhando. A gata então explica que se chama Luna e que Usagi é a reencarnação de uma guerreira lunar, revelando ainda, que sua missão seria impedir os inimigos de conseguir o Cristal de Prata, além de encontrar a Princesa da Lua, que também estava reencarnada na Terra.

Sempre de bom humor, Usagi continua achando que aquilo é um pesadelo até que ela descobre que sua melhor amiga Naru está em perigo. Com o broche lunar que Luna havia lhe dado, Usagi se transforma em Sailor Moon. Infelizmente, a garota é um pouco atrapalhada nas batalhas e só apanha sendo salva por um misterioso rapaz de smoking: Tuxedo Kamen (Tuxedo Mask), que utiliza botões de rosa para atacar o inimigo.

Em sua jornada, Usagi também faz várias cúmplices enquanto enfrenta os vilões: Ami, a garota gênio, que se transforma em Sailor Mercury, Hino Rei, a garota temperamental, que se transforma em Sailor Mars, Makoto Kino (Lita), a mais corajosa, que se transforma em Sailor Júpiter e Aino Minako (Mina), a mais sonhadora, que se transforma em Sailor Vênus.

Juntas, elas começam a perceber sua verdadeira missão e lutam com seriedade para proteger a Terra. Durante a primeira temporada, várias revelações acontecem: Usagi descobre que é a reencarnação da tal Princesa da lua que procuravam e que seu amado Mamoru Chiba (Darien) é o Tuxedo Mask, reencarnação do Príncipe Endymion.

No final dessa primeira fase, Sailor Mercury, Sailor Mars, Sailor Júpiter e Sailor Venus morrem em um trágico combate no pólo norte e para combater a Rainha Beryl (Inimiga das Sailors), Usagi conta com a ajuda do espírito de todas as suas amigas. O resultado, é que Sailor Moon consegue destruir a vilã e como presente, todas as Sailors são revividas, sendo mandadas de volta ao Japão como se nada tivesse acontecido (devido à um pedido de Usagi, elas perdem a memória de que um dia foram heroínas, assim como Tuxedo Kamen).

A saga das guerreiras não acaba por aí. Essa é apenas a primeira fase da série e ao longo dos episódios, muitas coisas acontecem. Dividida em Sailor Moon Classic (1-46 episódios), Sailor Moon R (47-89), Sailor Moon S (90-127), Sailor Moon Super S (128-166) e Sailor Moon Sailor Stars (167-200), são vários os personagens que aparecem como novas guerreiras e uma garota de cabelos rosas que veio do futuro (que mais tarde se revela como a filha futura de Usagi).

Durante as fases, a série vai adotando uma temática mais adulta, principalmente no mangá. Na última temporadas, muitas coisas acontecem o que fez com que a série se tornasse um pouco mais séria e agressiva do que as demais fases. Várias polêmicas são abordadas como os personagens masculinos que se transformam em guerreiras e uma das vilãs mais malvadas que Naoko criou: a Sailor Galáxia, que não perdoa as pessoas inúteis as eliminando.

Com 200 episódios feitos para TV, 18 volumes de mangá, 3 movies, cerca de 4 especiais, um musical, uma série live action e centenas de produtos temáticos, a história é original e na época, lançou um monte de “genéricos” como Wedding Peach.

Conheça o site oficial da campanha SOS Sailor Moon:
www.sossailormoon.com.br

Editado por: Danilo Saraiva
Revisado por: David Denis Lobão
Foto Live Action: Divulgação
Foto Sailor Senshi no Yume: Marcelo Vingard


As 5 Sailors da primeira fase reunidas

Sailor Venus, Sailor Jupiter, Sailor Mercury e Sailor Mars

SD da fase R

As Inner e Outer Senshi juntas

Sailor Moon em momento de perigo

O romance retratado no mangá

Sailor Pluto, Sailor Uranus e Sailor Neptune ganhando novos poderes

Eternal Sailor Moon, a última forma de Usagi

A turma reunida na fase Stars

Chibiusa e Usagi

As atrizes do live action japonês


O grupo de cosplay "Sailor Senshi no Yume"
Produzido por ©YAMATO CORPORATION - Conteúdo por ©YAMATO EDITORA - Design por ©T2 Studio - 2004/2009
Copyright: Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da ZN Editora.