Publicidade

 




Conheça o novo narrador de
"Os Cavaleiros do Zodíaco"

10/05/2006
Escrito por: David Denis Lobão
Editado por: David Denis Lobão
Gilberto Rocha Jr. não é apenas um dos melhores profissionais de dublagem de sua geração, mas também um dos mais simpáticos. Com grandes trabalhos na sua carreira, ele ganhou fama nacional ao vencer o III Prêmio Yamato – O Oscar da Dublagem 2005 como melhor narrador pelo trabalho no desenho “Três Espiãs Demais”, onde o júri reconheceu a qualidade do seu trabalho, pela dificuldade em ler as enormes placas do desenho em poucos segundos.

Mas tudo isto é pouco diante do que se falou de Rocha Jr. na Internet nas últimas semanas. Tudo porque ele substituiu o experiente ator Jonas Mello (que curiosamente venceu o Oscar da Dublagem de melhor narrador em 2004) como o locutor do desenho japonês de maior sucesso da história da televisão brasileira: “Os Cavaleiros do Zodíaco”.

Sendo assim, sem mais enrolação, conheçam o narrador que conquistou o Brasil e que pode ser visto (ou ouvido) quase 24 horas por dia no canal Animax: Gilberto Rocha Jr.

Conexão OhaYO! - Entrevista Exclusiva – Gilberto Rocha Jr.

OhaYO! – Como você começou sua carreira de locutor? Como chegou até o mercado de dublagem?

Gilberto Rocha Jr. - Não gosto de rotular-me como locutor, apenas. Já fiz de tudo nessa vida, em várias vertentes do mesmo ramo: a comunicação. Por isso, gosto de ser definido como um homem de comunicação. Comecei minha carreira influenciado por meu tio-avô, um dos pioneiros da TV brasileira (Eduardo Coelho, já falecido), por meu bisavô, que fez vários filmes na antiga Vera Cruz (Antônio Coelho Filho – “Tico-Tico no Fubá”, “O Cangaceiro”, entre outros) e, principalmente, por meu pai, Gilberto Rocha, também falecido em 2002. E posso afirmar categoricamente que, apesar de minha condição de filho, e por meu pai ter influências no rádio e na TV, assim como na dublagem, nunca favoreceu-me com emprego algum, e agradeço muito a ele hoje por isso. Pude construir minha carreira através do esforço pessoal, força de vontade, perseverança e muito, muito trabalho. Tanto é que comecei de fato a construir minha trajetória profissional saindo de São Paulo. Fui trabalhar em Concórdia, região oeste de Santa Catarina e lá foi a minha verdadeira escola. Tudo o que podia aprender em termos de comunicação – repito – TUDO mesmo, aprendi por lá. E isso foi fundamental para que pudesse retornar a São Paulo e conquistar meu espaço num mercado onde não há gatinhos, apenas leões. Cheguei ao mercado de dublagem naturalmente, pois sempre gostei de interpretar, inclusive fiz várias peças de teatro em minha juventude. Assim sendo, fiz um curso inicial com a Márcia Gomes na BKS, uma pessoa pela qual nutro um imenso carinho, obtive a minha DRT de ator e comecei a trabalhar na BKS e na Álamo. Hoje também faço parte do casting da Marshmallow, uma casa maravilhosa, que apostou no meu trabalho, devendo a mesma o meu primeiro Oscar da Dublagem, obtido em 2005.

OhaYO! – Quais os trabalhos que você destaca na sua carreira? Quais gostou mais?

Gilberto Rocha Jr. - Destaco a trilogia de “O Senhor dos Anéis”, um trabalho maravilhoso que abriu muitas portas para mim, recebendo elogios do próprio diretor, Peter Jakson, o que deixou-me muito feliz. Mas outros também marcaram muito, como os desenhos “Uma Família da Pesada”, “Code Lyoko”, “Alien Racers”... Atualmente, na Álamo, participo de vários animes, principalmente para o canal Animax, entre eles: “Gantz”, “Demon Lord Dante”, “Burst Angel”, “Hunter x Hunter”, “Excel Saga”, “Fronteira Sem Lei”, etc. Também destaco a participação em vários seriados, como “Lost”, “Apocalipse (Revelations)”, “Numb3rs” e um que acho fantástico, o “Surface”, em exibição no AXN (legendado) e em breve em transmissão pela TV aberta. Sem falar nas narrações de documentários para o National Geographic Channel e para o Discovery Channel também. E quase ia me esquecendo: o desenho “Três Espiãs Demais”; afinal, ganhei o Oscar da Dublagem por este trabalho!

OhaYO! – Você já foi indicado ao Oscar da Dublagem pelo trabalho com “O Senhor dos Anéis” e ganhou por “Três Espiãs Demais”. O que pode nos falar sobre estes trabalhos e sobre o prêmio?

Gilberto Rocha Jr. - Infelizmente, aqui em São Paulo, muitos dubladores não prestigiam o Oscar da Dublagem. Vide o último evento em 2005, onde a maioria esmagadora dos dubladores presentes vieram do Rio de Janeiro. O fato é que justificam a ausência pelas críticas, mas agem por despeito mesmo. Afinal, é a única premiação que nós, dubladores, temos neste país. O único evento onde somos, de fato, valorizados, tanto pelos organizadores quanto pelo carinho do público presente. Além de emocionante, é impressionante o assédio do público com os dubladores de seus filmes ou desenhos favoritos. Creio que já está mais do que na hora do pessoal aqui de Sampa deixar o orgulho e o preconceito de lado e participar ativamente do Oscar da Dublagem, nesta próxima edição. Em relação ao trabalho em “O Senhor dos Anéis”, cada personagem (incluindo eu como narrador) passou por uma triagem inicial com três dubladores. O teste foi levado diretamente para a Nova Zelândia, local das gravações do filme, e todo o elenco de dubladores foi escolhido diretamente pela equipe de Peter Jakson. Por isso, a responsabilidade de todos os companheiros envolvidos para a dedicação máxima perante o compromisso assumido. Levar o prêmio pelo desenho “Três Espiãs Demais” apenas demonstra o poder que os fãs de animes possuem na hora de votar e premiar. Certamente, vários filmes, desenhos e séries poderiam ter levado o prêmio. Mas o poder de um fã ninguém pode subestimar. E sou muito grato a eles por isso. Afinal, não foi nada fácil ler determinadas “placas” do desenho em espaços de no máximo 2, 3 segundos, como: “23:59hs (leia-se: onze horas e cinqüenta e nove minutos da noite) – Beverly Hills – Califórnia”. Rsrsrs

OhaYO! – Como é trabalhar em uma série importante como “Lost”? Vocês fizeram as placas com os títulos dos episódios e a Globo cortou ou não chegaram a fazer?

Gilberto Rocha Jr. - “Lost” já pode ser considerada como uma das mais famosas e importantes séries exibidas no mercado mundial. Importante, pois inovadora, ainda mais por tratar-se de uma produção Disney. A legião de fãs no mundo todo cresce a cada dia e realmente seu enredo é cativante. Realmente fizemos sim as placas de abertura da série. Mas tanto a exibição na Globo quanto nos DVD’s da série as placas foram sumariamente cortadas. Até hoje não fiquei sabendo o motivo.

OhaYO! - Como é fazer tantos animes como os do canal Animax e do Cartoon? Algum em especial te deixou curioso ou chamou atenção?

Gilberto Rocha Jr. - O Animax revolucionou o mercado de animes e, para mim, é um privilégio fazer parte desse processo. Participar de animes é muito importante para o trabalho de formação do dublador, pois permite que o mesmo trabalhe nuances de sua voz que freqüentemente não está habituado a fazer. Isso gera vibração interior, desenvoltura e fluidez no trabalho artístico. Mas existe o outro lado da moeda: os animes exibidos atualmente primam pela violência desenfreada, pela sensualidade e pelo caráter egocêntrico de seus personagens. Um desenho como “Gantz”, por exemplo. É terrível, pois se crianças o assistirem, verão cenas absurdas, até mesmo de zoofilia! É eminentemente um anime voltado para o público adulto, jamais para o público infantil. Não sou contra a sua exibição (aliás, sou contra a toda forma de censura ou proibição), mas os pais devem examinar atentamente o que seus filhos estão assistindo, agora, neste exato momento

OhaYO! – E como foi chegar a "Os Cavaleiros do Zodíaco"? Como pintou o convite? Você redublou os cinco primeiros episódios de Hades que o Jonas Mello já tinha feito?

Gilberto Rocha Jr. - “Cavaleiros” apareceu assim – zapt! – de surpresa mesmo! O Jonas sempre foi o narrador da série. A princípio, estranhei o fato de sua desistência na continuidade da série. Mas Jonas Mello é Jonas Mello, ou seja, um grande ator, brilhante mesmo. E creio que não possa ter ido em frente com “Cavaleiros” por incompatibilidade de agenda, apenas isso. Sei do imenso carinho que o Jonas tem pelos fãs de “Cavaleiros” e, certamente, se ele pudesse conciliar os compromissos de sua agenda, teria carinhosamente continuado. Aceitei o convite, o que para mim foi uma honra, pois substituir o Jonas requer muito suor e lágrimas, mas sei da responsabilidade em manter o padrão de qualidade anteriormente conquistado pelos companheiros quando das primeiras exibições de “Cavaleiros”. E aqui vai uma revelação: sempre desejei interpretar um personagem ao estilo dos de “Cavaleiros do Zodíaco”. Hoje sou o narrador da série. Mas se pintar um convite em fazer um personagem, pegarei de primeira! Um beijo no coração de todos os fãs!

O Portal OhaYO! deixa aqui um agradecimento ao estúdio Álamo por ter liberado o dublador para a entrevista exclusiva e também ao próprio profissional por ter nos concedido este bate papo em primeira mão.

Para quem quer conhecer melhor a arte da dublagem Gilberto é um dos professores de Dublagem no curso do Senac em São Paulo-SP. Várias turmas estão em andamento. O profissional trabalha junto com o dublador Sílvio Giraldi e o staff do Senac na elaboração do Curso Avançado, que em breve estará no mercado. Maiores informações no site pessoal do ator: www.rochajunior.net


Gilberto Rocha Jr.

"Cheguei ao mercado de dublagem naturalmente, pois sempre gostei de interpretar. Fiz um curso inicial na BKS, uma pessoa obtive a minha DRT e comecei a trabalhar"

"Certamente, vários filmes, desenhos e séries poderiam ter levado o prêmio. Mas o poder de um fã ninguém pode subestimar. E sou muito grato a eles por isso."

"Participar de animes é muito importante para o trabalho de formação do dublador, pois permite que o mesmo trabalhe nuances de sua voz."

“'Cavaleiros' apareceu assim de surpresa mesmo! Aceitei o convite, o que para mim foi uma honra, pois substituir o Jonas requer muito suor e lágrimas"
Produzido por ©YAMATO CORPORATION - Conteúdo por ©YAMATO EDITORA - Design por ©T2 Studio - 2004/2009
Copyright: Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da ZN Editora.