Publicidade

 




O QUE ACONTECEU COM OS ATORES DA PRIMEIRA SÉRIE DE "POWER RANGERS"?
17/04/2006
Escrito por: Danilo Saraiva
Editado por: Danilo Saraiva

Você pediu e finalmente colocamos a capa vencedora da promoção “Seja VIP no Anime Friends”. Desta vez, quem ganhou foram os “Power Rangers”, que incentivaram os sentimentos de nostalgia dos leitores e despertou a curiosidade dos fãs em saber o que aconteceu com os famosos atores que integraram o primeiro elenco da série, em 1993.

Cada um deles seguiu um destino diferente, alguns adotaram um caminho mais “polêmico” (segundo boatos) e outros simplesmente voltaram à se dedicar em suas carreiras no cinema e na televisão. O resultado de quase nenhuma destas tentativas, porém, foi satisfatório.

Austin St. John

Estrelou a série como Jason Lee Scott (Ranger Vermelho) em 1993 e 1994

O ator nasceu no dia 17 de setembro de 1975, na cidade de Roswell, Novo México. Praticante de artes marciais desde quando tinha cinco anos de idade, Austin já é faixa preta em Tae-Kwon-Do e Judô, além de praticar Shenkito, Kenpo e musculação (do qual ele vem trabalhando desde quando era do elenco fixo de “Power Rangers”).

Quando era pequeno, Austin passou boa parte de sua infância mudando de cidade para cidade com seu pai, que é marinheiro. Seu sonho era ser um jogador de futebol, mas foi nas artes cênicas que encontrou seu destino.

Depois de participar de “Power Rangers”, Austin até que tentou, mas raramente conseguiu um trabalho fixo na televisão ou no cinema. Por cerca de dez anos, a vida dele como ator se limitou a fazer aparições em episódios especiais da série.

Há também um outro boato de que o ator pornô Brock Rox é na verdade Austin St. John sob o pseudônimo de um “personagem”. Apesar de apenas se tratar de rumores, as semelhanças de Brock com o ator são consideráveis e até os sites de fãs nos Estados Unidos já deram a notícia como verdadeira. Brock (ou Austin) já trabalhou em três pornôs gays da produtora Sean Cody, além de um filme amador conhecido como “Laguna Beach: A Love Affair”.

Thuy Trang

Estrelou a série como Trini Kwan (Ranger Amarela) em 1993 e 1994

Thuy Thang nasceu em dezembro de 1973 no Vietnã. A atriz escapou de uma guerra civil quando ainda tinha dois anos e acabou fugindo para os Estados Unidos, onde cresceu e tentou ganhar a vida como atriz. Em 1993, ela se aventurou em seu primeiro papel na televisão já como a veterana Trini, de “Power Rangers”.

Com a fama da série, Thuy resolveu aproveitar seu “ápice” como atriz e deixou o programa ao lado de dois outros atores do elenco. Ela tentou ingressar em papéis no cinema, mas tudo o que conseguiu foi participar como personagem secundária ou figurante.

Em 3 de setembro de 2001, a atriz morreu tragicamente em um acidente. Ela dirigia uma moto na estrada I-5 quando foi atingida por um carro e bateu a cabeça no chão. Ela foi levada ao hospital mas morreu poucos minutos depois.

Thuy foi homenageada na fase "Power Rangers Força do Tempo" (2001) em "Circuit Unsure" (em memória de...) e lembrada com os demais rangers em "Power Rangers Dinotrovão" (2004) no episódio "Legacy of Power", que relembra toda a história dos heróis.

Walter Jones (após a série mudou o nome artístico para Walter Emanuel Jones)

Estrelou a série como Zack Taylor (Ranger Preto) em 1993 e 1994

O ator foi um dos poucos que conseguiu “brilhar” em uma carreira fora da série “Power Rangers” e se aventurou em alguns papéis de destaque. “CSI”, “OFF Centre” e “Nova York Contra o Crime” foram bons momentos na carreira de Walter, que ainda participa de projetos na televisão americana. Estes, por sua vez, nunca saíram do papel.

Amy Jo Johnson

Estrelou a série como Kimberly Hart (Ranger Rosa) entre 1993 e 1996

A atriz é uma típica americana, patriota ao extremo. Cresceu na carreira de ginasta, mas preferiu seguir o caminho das artes cênicas entrando em “Power Rangers” em 1993. Apesar de declarar sua paixão pela personagem que interpretava, Amy se considerava muito nova para se dedicar tanto a um seriado e teve que deixar a série em 1996. Na época, os fãs consideraram a saída da garota como uma das maiores baixas da série.

Ela ainda estrelou um seriado de TV na série “Felicity” e conseguiu grande destaque no papel de Julie Emrick. Apesar de simpatizar com a carreira de atriz, Amy gosta mesmo é de balé e artes plásticas, além de ser devota de seu cachorro pit Bull, Lucy.

David Yost

Estrelou a série como Billy Cranston (Ranger Azul) entre 1993 e 1996

Depois de sair de “Power Rangers”, o ator David Yost conseguiu se aventurar nos “terrenos” de programas de TV para um público mais popular, nos Estados Unidos. Além disso, ele se dedicou à carreira de ginasta e ainda continuou estudando em seus projetos acadêmicos. Hoje, David leciona literatura em uma universidade em Iowa e periodicamente participa de alguns filmes para fazer bico.

Jason David Frank (após a série mudou o nome artístico para Jason Frank)

Estrelou a série como Tommy Oliver (Ranger Verde / Ranger Branco) entre 1993 e 1996

Jason David Frank nasceu em Los Angeles no ano de 1973. Praticou artes marciais desde os quatro anos de idade. Aos 12, começou a ensinar caratê e aos 18 já tinha uma escola voltada para crianças que quisessem aprender a prática.

Na época em que fazia “Power Rangers”, os produtores reclamavam que Jason tinha crises de estrelismo. Não era para menos. O cachê do ator era bem considerável para um ator da série e seu contrato permaneceu até 1997, quando todos os atores foram substituídos por um elenco mais jovem.

Depois disso, Jason continuou retornando à série, interpretando sempre o mesmo personagem. Em 2004 voltou ao elenco do seriado no papel do Ranger Preto, mas não entusiasmou muito os fãs. Apesar dessa “passagem”, o ator ainda mantém contrato com o Walt Disney para participar de episódios especiais de “Power Rangers” e deve reaparecer em fases futuras.

Fotos: Divulgação

Produzido por ©YAMATO CORPORATION - Conteúdo por ©YAMATO EDITORA - Design por ©T2 Studio - 2004/2009
Copyright: Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da ZN Editora.