EDITORIAS

:: Cotidiano

:: Economia

:: Esporte

:: Polícia

:: Política

:: Regional

:: Universo

OPINIÃO

:: Notas da Redação

:: Laíre Rosado

:: Emery Costa

:: Cid Augusto

:: Sérgio Oliveira

:: Bruno Barreto

:: De Olho na Mídia

:: Notícias do Interior

:: Giro pelo Estado

SOCIAIS

:: Paulo Pinto

:: Carol Fernandes

:: Clickvip

:: Clube do Vaqueiro

SOCIAL-CIDADES

:: Alexandria

:: Almino Afonso

:: Apodi

:: Areia Branca

:: Assú

:: Caraúbas

:: Macau

:: Patu

:: Pau dos Ferros

:: São Miguel

:: Umarizal

O JORNAL

:: Assinatura

:: Expediente

:: Histórico

:: Painel do Leitor

TEMPO

 

COTAÇÕES

 

 

 

Vice-presidente eleito é considerado o parlamentar mais influente do Congresso

 

Nascido em 23 de setembro de 1940, em Tietê (SP), o deputado federal Michel Temer (PMDB) foi eleito ontem vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff.

Atualmente ele ocupa pela terceira vez o cargo de presidente da Câmara dos Deputados.

Em 2009, foi apontado pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como parlamentar mais influente do Congresso Nacional.

Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, Temer é considerado um dos maiores constitucionalistas do país. É autor dos livros "Constituição e Política, Territórios Federais nas Constituições Brasileiras e Seus Direitos na Constituinte" e "Elementos do Direito Constitucional", este último na 20ª edição, com 200 mil exemplares vendidos.

Temer tem origem em família libanesa de religião cristã

Michel Miguel Elias Temer Lulia é caçula de oito irmãos, Temer é católico. A família, que sempre fiel aos preceitos cristãos, imigrou de Betabura, região de El Koura, no norte do Líbano, em 1925.

Assim que chegou ao Brasil, seu pai, Miguel Temer, comprou uma chácara em Tietê e instalou uma máquina de beneficiamento de arroz e café. Com o passar dos anos, a atividade de Miguel foi ganhando importância. Seu filho mais velho, Tamer, passou a ajudá-lo nos negócios da família. Michel e outros seus irmãos foram estudar na capital paulista.

Aos 16 anos, Michel Temer iniciou o clássico (atual ensino médio). Anos depois, entrou na tradicional e renomada Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo do São Francisco.

Carreira política iniciou nos anos 1980 em São Paulo

Iniciou a carreira política como oficial de gabinete de Ataliba Nogueira, secretário de Educação no governo de Adhemar de Barros. Em 1983, Michel Temer foi nomeado procurador-geral de São Paulo em 1983.

No ano seguinte, passou a ser secretário de Segurança Pública de São Paulo, cargo que voltou a ocupar no início dos anos 90.

No comando da Secretaria de Segurança Pública, Michel Temer adotou ideias modernas, mais tarde usadas como modelo em todo o país. Após receber, em 1985, uma comissão que denunciava o espancamento de mulheres e o descaso de autoridades diante dos crimes, Temer criou a primeira Delegacia da Mulher no Brasil. Na mesma época, instituiu a Delegacia de Proteção aos Direitos Autorais, importante instrumento de combate à pirataria.

Na primeira administração à frente da Secretaria de Segurança Pública, recebeu grande estímulo para disputar cargo eletivo. Confidenciou ao então governador Franco Montoro um grande sonho: participar da Assembleia Nacional Constituinte em 1986. Montoro incentivou-o seguir em frente.

Elegeu-se deputado constituinte pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e participou ativamente da Assembleia Nacional Constituinte, quando se destacou pela posição moderada, sóbria e pelo grande conhecimento de direito constitucional.

Após a Constituinte, foi reeleito deputado federal e já exerce o sexto mandato - todos pelo PMDB. Licenciou-se do cargo somente para reassumir a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e, depois, a de Governo.

Foi eleito três vezes para Presidência da Câmara dos Deputados (em 1997, 1999 e 2009). Na primeira gestão, inovou ao abrir a Casa para a sociedade ao criar importante sistema de comunicação, responsável por noticiar o trabalho dos parlamentares e os grandes debates travados no plenário e nas comissões.

Nesse período, a Câmara discutiu e votou vários projetos que alteraram a estrutura do Estado brasileiro, com mudanças de grande repercussão para a modernização das instituições nacionais.

Na condição de presidente da Câmara, assumiu a Presidência da República, interinamente por duas vezes: de 27 a 31 de janeiro de 1998 e em 15 de junho de 1999.

No terceiro mandato, como presidente da Câmara, impediu o trancamento da pauta por Medidas Provisórias editadas pelo Executivo. Temer ofereceu nova interpretação constitucional. Segundo ele, uma MP somente trava a votação de matérias que podem ser objeto de Medida Provisória.

Assim, a votação de Propostas de Emenda à Constituição, Resoluções e Projetos de Lei Complementar, entre outras matérias elencadas no §1º do art. 62, não poderiam ser barradas.

Com essa decisão, amplamente acolhida no meio jurídico e no âmbito legislativo, a Câmara retomou as votações de matérias relevantes para a sociedade.

Na obra Democracia e Cidadania reúne pronunciamentos e artigos elaborados no desempenho do mandato parlamentar.

Desde 2001, Michel Temer é presidente Nacional do PMDB.

Copyright,© 2000-2006 - Editora de Jornais Ltda - Todos os direitos reservados
Site melhor visualizado em 800x600

contador, formmail cgi, recursos de e-mail gratis para web site