EDITORIAS

:: Cotidiano

:: Economia

:: Esporte

:: Polícia

:: Política

:: Regional

:: Universo

OPINIÃO

:: Notas da Redação

:: Laíre Rosado

:: Emery Costa

:: Cid Augusto

:: Sérgio Oliveira

:: De Olho na Mídia

SOCIAIS

:: Paulo Pinto

:: Carol Fernandes

:: Clickvip

:: Clube do Vaqueiro

SOCIAL-CIDADES

:: Alexandria

:: Almino Afonso

:: Apodi

:: Areia Branca

:: Assú

:: Caraúbas

:: Macau

:: Patu

:: Pau dos Ferros

:: São Miguel

:: Umarizal

O JORNAL

:: Assinatura

:: Expediente

:: Histórico

:: Painel do Leitor

TEMPO

 

COTAÇÕES

 

 

 

VIAGEM A SANTA CRUZ II

De todos os ascendentes, a família Rosado é a mais conhecida por conta de mais de um século de  militância política. Por parte de mãe, a família Gurgel tem mais representantes que a Rosado. O prefeito Bibi Costa também tinha informações sobre os gurgéis, aparecendo um auxiliar para completar as informações. Sabia, por exemplo, do meu parentesco com o ex-governador Geraldo Melo, apesar de ser Mello, como os da minha família. Falou do Barão do Assú, Luiz Gonzaga de Brito Guerra, ministro do STF, Deputado Provincial, que nasceu em Campo Grande, antiga Augusto Severo. O Barão era meu trisavô e tetravô de Geraldo. E haja parentesco.

Falei que o ex-prefeito de Caraúbas, Júnior Gurgel, era quem sempre me situava em relação à família que, para ele, é única. Todo Gurgel é parente. Vem do mesmo tronco. O primeiro a chegar ao Brasil foi o capitão Toussaint Gurgel. Chegou com os franceses, sob o comando de  Nicolas Durant de Villegaignon para tomar o Brasil de Portugal. Foi preso e condenado à forca. Escapou por se mostrar enamorado e casando com a afilhada do seu captor, Domingas de Arão Amaral. Tiveram seis filhos de onde descendemos todos os gurgéis. Tudo por conta das filhas, pois o único filho homem optou pelo sacerdócio. Por aqui, há mais Gurgel do Amaral e Gurgel de Oliveira.

A conversa sobre família estava animada, mas o encontro era político e sempre chegava alguém para algum comentário. A governadora havia pernoitado em Caicó e estava um pouco atrasada. O secretário Leonardo Arruda brincava com Bibi, quando alguém perguntava se ele tinha notícias de Wilma. Está conversando com Vivaldo, dizia Leonardo. Bibi é irmão de Vivaldo, que havia rompido com a base do governo às vésperas do acontecimento. Bibi fazia ar de riso, reafirmando sua disposição de se manter fiel à base aliada, votando em Iberê para o governo. Ainda é cedo para avaliar o rompimento de Vivaldo com Wilma e de Álvaro Dias com Rosalba.

Os candidatos estão intensificando as pesquisas eleitorais, avaliando cada momovimento político e suas consequências. As informações repassadas nem sempre correspondem à realidade, pois são divulgadas de acordo com a conveniência de cada candidato. A verdade é que elas não batem, sobretudo no que diz respeito ao resultado para o governo do Estado. Para o Senado os dados são mais parecidos, pois não mostram a luta principal, e as pesquisas são pagas pelos candidatos ao governo. O teste de Iberê foi positivo. Mostrou  o que representa a força do governo. Não dá para opinar sobre os favoritos. Os times estão sendo formados e não entraram em campo com força total.

 

 

Copyright,© 2000-2006 - Editora de Jornais Ltda - Todos os direitos reservados
Site melhor visualizado em 800x600

contador, formmail cgi, recursos de e-mail gratis para web site