Editorias

Política
Esporte
Economia

Polícia

   Cadernos

Cotidiano
Regional
Universo
Mais TV

   Colunas

Laíre Rosado

Emery Costa

Cid Augusto
Emerson Linhares
Neto Queiroz
Antônio Rosado
Sérgio Oliveira
Sérgio Chaves
Gomes Filho

  Temáticas

Cláudio Monteiro
Geraldo Maia
Marcos Araújo
Clotilde Tavares
Magnólia Rocha

   Cidades

Apodi
Assu
Caraúbas
Macau
Pau dos Ferros
Região Salineira

  Seções

Editorial
Charge
O Jornal
Assinatura
Expediente
Painel do Leitor
Edições Anteriores
 
 
 
 
 
 
 



 

 

TRABALHO DEMAIS - Deu no NEW YORK TIMES... Os gerentes de uma editora americana estão tentando descobrir porque ninguém notou que um dos seus empregados estava morto, sentado à sua mesa havia CINCO DIAS, até que alguém perguntou se ele estava bem. George Turklebaum, 51, que trabalhava como revisor em uma firma de Nova York há 30 anos, sofreu um ataque cardíaco no andar onde trabalhava (andar aberto, sem divisórias) com outros 23 funcionários. Ele morreu na segunda-feira, mas ninguém notou até o sábado seguinte pela manhã, quando um funcionário da limpeza o questionou por que ainda estava trabalhando no final de semana. Seu chefe, Elliot Wachiaski, disse: "O George era sempre o primeiro a chegar todo dia e o último a sair no final do expediente. Ele estava sempre envolvido no seu trabalho e o fazia sozinho." Ironicamente, George estava revisando um livro médico quando morreu. Sugestão: "De vez em quando balance a cabeça para os seus colegas de trabalho terem certeza de que você está vivo." Moral da história: "Não trabalhe demais. Ninguém nota, mesmo."

MALVADEZA – Uma prefeitura que gasta 500 mil reais com o Mossoró Cidade Junina, que torra outra montanha de dinheiro para promover o Auto da Liberdade, tem necessidade de se apegar a picuinhas, derrubar barracos de pessoas pobres. Pura picuinha mesmo.

COMPANHEIRO – O senador José Agripino está muito preocupado com as investidas que faz e não consegue encontrar um nome apropriado para ser companheiro na sua chapa ao Senado. Ele está certo de que não pode "dar mole" por conta da chapa fortíssima que tem do outro lado.

PACIÊNCIA – Muitos amigos têm aconselhado o governador Garibaldi Filho a detonar o mais cedo possível um marketing próprio da sua candidatura ao Senado em 2002. Isso porque as pesquisas mostram que o eleitor não está ligado no projeto do governador. Garibaldi segura os mais afoitos e só vai autorizar a divulgação da candidatura no ano que vem, quando deixar o governo.

EM QUEDA – É visível a queda na imagem do senador Fernando Bezerra depois que seu nome foi envolvido nos escândalos da Sudam e Sudene. Em qualquer roda de bate-papo é possível perceber que sumiu o entusiasmo inicial com o nome de Fernando e o "novo" que ele representava. O homem caiu na vala comum dos políticos desacreditados.

ESPERANDO – Tem tucano contando as horas e acreditando que na semana que vem tudo vai mudar. No tucanato é dado como certo que até a próxima sexta-feira, Garibaldi Filho anuncia os postos que serão ocupados pelo PSDB. A expectativa é que sejam duas secretarias.

PUBLICANDO – A Secretaria de Infra-Estrutura mandou que os editais para obras estaduais em Mossoró e região fossem publicados em todos os jornais de Mossoró. Corrige-se assim uma injustiça que já vigorava há muito tempo. Vale ressaltar que o secretário Pedro Almeida fez gestões para que isso acontecesse.

TEMPO – É consenso entre os vereadores da Câmara Municipal de Mossoró que a era Vicente Rêgo está chegando ao fim. Os vereadores acreditam que Vicente já teve sua oportunidade dirigindo o Legislativo em quatro das últimas cinco gestões. Querem dar um novo impulso à Casa do Povo.

NÚMEROS – O Instituto Escala pesquisou em Mossoró e divulgou que Henrique Alves ganharia a eleição para governador em Mossoró com cinco pontos de vantagem sobre Fernando Bezerra. A Consult também pesquisou e apurou que Fernando ganharia de Henrique por dois pontos de diferença. Já o Instituto Gama (aquele) diz que Bezerra leva com oito pontos na frente.

COPIANDO – Pelo que foi divulgado até agora sobre os programas de reforma e construção de moradia anunciados pela Secretaria de Governo e Projetos Especiais (SEGOV), não há nenhuma novidade em relação ao que a Caixa Econômica Federal já tinha na sua programação normal. Nenhuma vantagem além do que já era.

MORREU - Depois que Nélio Dias passou pelo plenário da Assembléia Legislativa morreu a defesa que alguns deputados faziam de solicitação de uma CPI para apurar a compra de cestas básicas. Não vão gastar munição com caça ruim.

CANTÓPOLIS – Mossoró vai escrever uma página na política do Rio Grande Norte em 2002. Pela primeira vez teremos três irmãos num mesmo processo eleitoral. Carlos Augusto, Betinho Rosado e Isaura Amélia vão passar juntos pelo crivo das urnas.

NOTA 1 – Para os vereadores de Mossoró que estão com uma carga de trabalho resumida a uma hora por semana.

NOTA 2 – Para a deputada Ruth Ciarlini que na pesquisa do Programa Gilson Cardoso conseguiu que apenas 2 ouvintes, entre os 45 que telefonaram, dissessem que ela tinha um bom desempenho.

NOTA 3 – Para a malvadeza da prefeita Rosalba Ciarlini que simplesmente manda derrubar barracos construídos irregularmente, mas não se preocupa em ver alternativas para dar um teto às famílias.

NOTA 4 – Para o DER, em Mossoró, que não consegue iniciar as obras de recuperação da Leste-Oeste, apesar do governador ter autorizado o serviço há mais de três meses.

NOTA 5 – Para o excesso de homenagens programadas pela Câmara Municipal de Mossoró. Serão 91 homenageados, a ponto de serem necessárias duas sessões para agraciarem todo mundo.

NOTA 6 – Para a Gazeta do Oeste que surpreende ao investir na modernização dos seus equipamentos de informática, quando se fala em dificuldades financeiras dos órgãos de imprensa em geral.

NOTA 7 – Ao prefeito petista João Dehon que mandou publicar em detalhes a prestação de contas dos seis primeiros meses numa revista do município.

NOTA 8 – Para a deputada Sandra Rosado. Na mesma pesquisa de Gilson Cardoso ela obteve 32 dos 45 votos como sendo a deputada mais atuante de Mossoró.

NOTA 9 – Para o secretário de Educação, Pedro Almeida Duarte, que está se tornando unanimidade em Mossoró.

NOTA 10 – Para o jornalista Carlos Scarlack que acrescenta agora ao seu currículo uma entrevista exclusiva com o presidente da República.