Editorias

Política
Esporte
Economia

Polícia

   Cadernos

Cotidiano
Regional
Universo
Mais TV

   Colunas

Laíre Rosado

Emery Costa

Cid Augusto
Márcio Costa
Emerson Linhares
Neto Queiroz
Antônio Rosado
Sérgio Oliveira
Sérgio Chaves
Gomes Filho

  Temáticas

Mundo Digital
Economia
Nossa História
Direito em Pauta
Viver Bem
Cinema em Foco

   Cidades

Apodi
Assu
Caraúbas
Macau
Pau dos Ferros
Região Salineira

  Seções

Editorial
Charge
O Jornal
Assinatura
Expediente
Painel do Leitor
Edições Anteriores
 
 
 
 
 
 
 



 

REPUBLICADO À PEDIDOS

Uma ampla visão de futuro

De um programa assim se diz que ele é ousado ou, quando menos, audacioso. Deixando de lado o lugar-comum preferimos dizer que ao executá-lo o governante denota uma sensibilização social como nunca e uma ampla visão de futuro. Essas referências são feitas ao projeto de alfabetização deflagrado pelo governador Garibaldi Filho e a ser executado pelas secretarias de Governo e Projetos Especiais e de Educação, Cultura e do Desporto, via convênios com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e Universidade Potiguar (UnP).

A ser deflagrado ainda nos primeiros dias de dezembro próximo, ele deverá alcançar na sua primeira etapa nada menos de 44 mil norte-rio-grandenses que vivem na escuridão do analfabetismo e, num estágio imediatamente posterior, mais 56 mil potiguares, fechando a casa dos 100 mil.

O quadro estatístico impressiona, é verdade, mas ele vai muito mais além, considerando-se a sua importância e as repercussões que deverá deixar na vida dessas pessoas que passarão a viver, com, absoluta certeza, num outro patamar, quando estiverem de posse dos conhecimentos básicos para fazê-las sair da completa escuridão que é o não saber ler nem escrever.

O governo Garibaldi Filho, já amplamente identificado como o período governamental das águas, das adutoras, das barragens (Umari e Santa Cruz), das rodovias asfaltadas, das casas para os menos favorecidos, das escolas construídas e/ou restauradas, com absoluta certeza, a partir de então, passará a ser visto também como aquele governo que conseguiu modificar o panorama social norte-rio-grandense, ao tirar milhares dos nossos conterrâneos desses grilhões de escravidão que os prendiam ao analfabetismo.

Os secretários Henrique Alves e Pedro Almeida estão tratando de dar cores definitivas ao projeto que já vai começar a ser executado para, ao final de 2002, terem deixado a sua marca definitiva na história político-administrativa do nosso Rio Grande do Norte.

A iniciativa merece todos os adjetivos e qualificativos pelo que encerra de alvissareira para esses cidadãos que, finalmente, terão reconhecidas essas suas qualidades enquanto pessoas humanas com direito ao acesso à educação fundamental, que fatalmente as conduzirá a um novo e mais elevado degrau social.