Capa

Cinco Perguntas

Teleobjetiva

DeOlho na Mídia

Filmes

Perfil

Resumo das Novelas

Mundo do Cinema

 

Essência sensual

Lavínia Vlasak

Ainda hoje - dois meses depois da estréia de “Mulheres Apaixonadas” -, Lavínia Vlasak fica meio sem graça ao ser indagada sobre a famosa cena de “strip-tease” que protagonizou no primeiro capítulo da novela. De pileque, a desinibida personagem Estela começou a tirar a roupa em pleno casamento de Diogo e Marina, feitos por Rodrigo Santoro e Paloma Duarte. Em cena, a atriz parecia bem à vontade como a despudorada socialite, mas, nos bastidores, ela garante que teve de superar um certo constrangimento... “Se alguém me olha muito, fico logo envergonhada. Sou tímida à beça. Estou mais para moleca que para mulherão”, jura a atriz de 26 anos.

Difícil acreditar. Há um ano, Lavínia passou a fazer ainda mais o tipo “mulherão” ao colocar 215 ml em cada seio. Durante muito tempo, ela conviveu com a dúvida de recorrer ou não ao silicone. Afinal, ter mais busto era um sonho antigo da atriz. “Queria algo que me satisfizesse como mulher, mas que não me atrapalhasse como atriz. Amanhã, se eu tiver de fazer uma tísica, eu faço sem o menor problema”, observa. Logo, os editores da “Playboy” convidaram a moça para mostrar o resultado da cirurgia nas páginas da revista. Em vão. O máximo que eles conseguiram foram tê-la dentro de um discreto baby-doll na seção “Mulheres que Amamos”. “Não tenho nada contra quem posa. Mas hoje é um trabalho que não me estimula. Meu grande barato é representar”, afirma.

Mas protagonizar um sensual “strip-tease” não foi a única dificuldade enfrentada por Lavínia Vlasak nos primeiros capítulos da novela. Tão difícil quanto tirar a roupa em cena só mesmo simular uma embriaguez alcoólica. Bem-humorada, a atriz comenta que está mais para Santana que para Estela. A exemplo da personagem de Vera Holtz, Lavínia também cai no sono quando bebe. “Comigo não tem essa de ficar animadinha. Durmo mesmo. Por isso, não queria cair na caricatura ou passar da medida”, ressalva. Embora tenha merecido elogios do diretor Ricardo Waddington, Lavínia não se perdoa. Raramente gosta do que faz. Gosta, sim, na hora de fazer. Mas, quando assiste, é um sofrimento só. “Bom para mim não é ótimo. Eu quero perfeito!”, avisa.

Perfeccionista por natureza, Lavínia Vlasak se mostra orgulhosa por voltar a atuar numa trama de Manoel Carlos. Antes da Estela de “Mulheres Apaixonadas”, ela havia feito a Luiza nos primeiros capítulos de “Laços de Família”. Tão logo recebeu o convite para interpretar uma socialite na nova novela das oito, Lavínia ouviu rumores de que Estela teria sido inspirada na famosa Narcisa Tamborindeguy. Pelo sim, pelo não, ela resolveu esclarecer a história com o próprio autor. “A Estela não pode ser inspirada em quem quer que seja. Vai que, amanhã ou depois, ela precisa matar alguém. Aí, a homenageada não vai gostar muito...”, justificou Manoel Carlos. Para assumir o papel, Lavínia passou a observar, com redobrada atenção, as muitas Estelas com que cruza em restaurantes e shoppings do Rio e São Paulo. “A Estela não conhece meio termo. Ou ela está muito alegre ou muito triste. É uma mulher de extremos”, define.

Nos próximos capítulos, Estela volta a infernizar a vida de Padre Pedro, personagem de Nicola Siri. Desde que reencontrou o amor de sua vida, Estela anda com o coração aos pulos. “Muitas vieram me contar que também já foram apaixonadas por um padre. Isso é mais comum do que se imagina”, acredita. A própria Lavínia já teve a sua paixão platônica... “Foi gostosa como toda paixão, mas insatisfatória por ser platônica. Não era tão inatingível como a da Estela, mas não rolou...”, lamenta a atriz. Atualmente, Lavínia namora, há dois anos, o economista Celso Neto. Ele foi um dos que ficou empolgado com a performance de Lavínia na estréia da novela. Tanto que pediu a ela uma “apresentaçãozinha” particular. “Pode parecer clichê, mas não sou nem um pouco sensual. Tenho um certo bloqueio em fazer cara de gostosa, rebolar, essas coisas...”, confessa, novamente sem graça.

Não basta ser pai

A carioca Lavínia Gutmann Vlasak só virou modelo por pura imposição do pai, o diretor financeiro Robert Vlasak. Ele ficou tão impressionado com umas fotos da filha, então com 15 anos, que a obrigou a fazer um “book” para uma agência de modelos. Na ocasião, Lavínia bem que tentou argumentar. Disse que não se achava assim tão bonita, que já tinha se decidido pelo jornalismo, mas não teve jeito... “Ele disse que aquilo era uma ordem e que não interessava a minha opinião. Depois disso, nunca mais parei de trabalhar”, diverte-se.

Modelo profissional aos 15 anos, Lavínia resolveu se casar aos 16, com o seu primeiro namorado, o também ator Jorge Pontual. Os pais da moça estranharam a decisão da filha, mas não se opuseram ao casamento. “No começo, eles ficaram assustados, mas, como eu já ganhava um dinheirinho, eles apostaram na minha felicidade”, lembra. Precoce, Lavínia começou a fazer análise aos 17. Gosta tanto das sessões de terapia que as compara a um “talk-show” particular, onde o paciente é o único convidado.

Aos 19 anos, Lavínia começou a cursar a Oficina de Atores da Globo. Foi nessa época que ela chamou a atenção do diretor Luiz Fernando Carvalho, que a convidou para fazer um teste para a novela “O Rei do Gado”, de Benedito Ruy Barbosa. Aprovada, assumiu o papel de Lia Mezenga, a filha do personagem-título. “Claro que tive medo de me queimar. Mas já que você se predispõe a fazer, o mínimo que se espera é que seja bem-feito”, declara. Desde então, Lavínia já trabalhou com consagrados autores da teledramaturgia nacional, como Gilberto Braga, em “Força de Um Desejo”, e Sílvio de Abreu, em “As Filhas da Mãe”.

Instantâneas

# Lavínia Vlasak sempre foi uma preguiçosa assumida. Na época do colégio, chegava a dormir com o uniforme só para poder acordar mais tarde no dia seguinte.

# Filha de funcionário de uma multinacional, Lavínia foi alfabetizada em inglês. Só aprendeu a falar português aos 7 anos, quando voltou dos Estados Unidos.

# Desde que despontou, Lavínia tem sido freqüentemente comparada à atriz suíça Audrey Hepburn, estrela de “A Princesa e o Plebeu” e “Bonequinha de Luxo”.

# Das personagens que fez na tevê, Lavínia aponta Alice, de “Força de Um Desejo”, como uma das favoritas. “Vilã de Gilberto Braga é sempre inesquecível. Odete Roitman que o diga”, brinca, referindo-se à personagem de Beatriz Segall em “Vale Tudo”.

# Apesar da boa forma, Lavínia é avessa à malhação. Na academia, faz sessões de musculação e exercícios aeróbicos. “Odeio malhar, mas sei o quanto isso é importante para a minha saúde e o meu trabalho”, frisa.

  .::HOME::.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDITORIAS

Cotidiano

Economia

Esporte

Polícia

Política

Regional

Universo

OPINIÃO

Cid Augusto

Editorial

Emerson Linhares

Emery Costa

Giro pelo Estado

Laíre Rosado

Notas da Redação

Paulo Pinto

Rubens Coelho

Sérgio Chaves

Sérgio Oliveira

COLUNAS TEMÁTICAS

Assuntos do Comércio

Cinema em Foco

Direito em Pauta

Comentário Econômico

Mundo Digital

Nossa História

Cultura Americana

CIDADES

Alexandria

Areia Branca

Assu

Caraúbas

Macau

Médio Oeste

Patu

Pau dos Ferros

São Miguel

Umarizal

Vale do Apodi

SUPLEMENTOS

Empresa

Escola

Mais TV

EDIÇÕES ANTERIORES

ESPECIAIS

Chacina Prefeito

Barragem Santa Cruz

Vingt Neto

O JORNAL

Assinatura

Expediente

Histórico

Painel do Leitor

SERVIÇOS

102 ON-LINE

BANCO DO BRASIL

CAERN

CAIXA ECONÔMICA

COL. MOSSOROENSE

CORREIOS - CEP

COSERN

DETRAN

DICIONÁRIO ON-LINE

ESAM

FOLHA DIRIGIDA

GOVERNO DO ESTADO

HORÓSCOPO

IDEC

INDICADORES

RECEITA FEDERAL

TÁBUA DE MARÉS

TELEMAR

TRADUTOR ON-LINE

UERN

UFRN

 

 

 

 

 

 

ENQUETE

Você concorda com o programa Fome Zero?
Sim
Não
Votar
resultado parcial...

 

 

 

 

 

 

Mossoró-RN, domingo, 27 de abril de 2003