Klever Kolberg e Equipe Valtra no Facebook Klever Kolberg e Equipe Valtra no Twitter
Klever Kolberg e Equipe Valtra no You Tube Klever Kolberg e Equipe Valtra no Flickr
Notícias
Rally Dakar 2019 - 10ª e última etapa: Líderes das cinco categorias confirmaram os títulos por Assessoria de Imprensa - (imprensa@parisdakar.com.br)
17/01/2019


Toby Price (KTM 450 Rally)
Foto: Divulgação - Frederic Le Floch DPPI



Nasser AL Attiyah / Matthieu Baumel (Toyota Hilux V8)
Foto: Divulgação - Marcelo Maragni



Nicolás Cavigliasso (Yamaha YFM 700 R)
Foto: Divulgação - Frederic Le Floch DPPI



Francisco Lopez Contardo e Alvaro / J.L. Quintanilla (Can-Am Maveric X3)
Foto: Divulgação - Frederic Le Floch DPPI



Eduard Nikolaev / Evgeny Yakolev / Vladimir Rybakov (Kamaz)
Foto: Divulgação - Flavien Duhamel


A 10ª e última etapa do Rally Dakar 2019 foi realizada nesta quinta-feira (17/01). O percurso entre Pisco e Lima teve com 359 quilômetros, sendo 112 quilômetros de trechos cronometrados com as últimas dunas a serem superadas.

Na categoria motos o australiano Toby Price (KTM 450 Rally) confirmou o bicampeonato sendo o mais rápido na etapa. Campeão da edição de 2016 do Dakar, Price largou neste último dia da competição com um minuto de vantagem sobre o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna FR 450 Rally) e pouco mais de seis minutos sobre o austríaco Matthias Walkner (KTM 450 Rally), defensor do título de 2018.

Todos partiram para o ataque. Price suportou a pressão e as fortes dores no pulso direito, resultado de uma lesão antes do início da prova. Quintanilla sofreu uma queda forte e terminou a prova na quinta colocação, sendo superado por Walkner e o britânico Sam Sunderland (KTM 450 Rally), vencedor da prova em 2017, que teve eliminada a penalização de 60 minutos recebida após a oitava etapa devido a problemas no Iritrack. O americano Andrew Short (Husqvarna FR 450 Rally) foi o quinto colocado.

Nos quadriciclos o argentino Nicolás Cavigliasso (Yamaha YFM 700 R) conquistou seu primeiro título sendo o mais rápido na etapa. O piloto argentino foi quase invencível durante todo o percurso. Só não ganhou a segunda etapa, e após 10 dias de competição, tinha quase duas horas de vantagem sobre seu compatriota Jeremías González Ferioli (Yamaha Raptor 700). Outro piloto argentino, Gustavo Gallego (Yamaha Raptor 700), completou o pódio.

Nos carros a Toyota conquistou seu primeiro título na geral da categoria. A dupla Nasser Al-Attiyah e Matthieu Baumel largou com 51 minutos de vantagem sobre os espanhóis Nani Roma e Alex Haro Bravo (Mini ALL4 Racing). Sem assumir riscos desnecessários, Nasser e Matthieu confirmaram a vitória, a primeira de um carro com motor a gasolina nos 11 anos de prova na América do Sul, também reestabelecendo quebrando a hegemonia dos carros com tração 4x4 após os três anos de domínio dos buggies com tração 4x2 da Peugeot.

Este foi o terceiro título de Nasser, sempre com marcas diferentes. Ele foi campeão com a Volkswagen em 2011 e novamente em 2015 com a Mini.

Nani Roma (campeão do Dakar em 2004 nas motos com KTM e em 2014 com Mini nos carros) e Alex Haro Bravo ficaram com a segunda colocação.

A dupla nove vezes campeão no WRC, do francês Sébastien Loeb e o monegasco Daniel Elena (Peugeot 3008DKR) completou o pódio da categoria.

A etapa foi vencida pela dupla dos espanhóis Carlos Sainz e Lucas Cruz, defensores do título de 2018.

Entre os UTVs a dupla dos brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin (Can-Am Maveric X3) defendia o título de 2018. Eles venceram a etapa mas não conseguiram superar os chilenos Francisco Lopez Contardo e Alvaro J.L. Quintanilla (Can-Am Maveric X3), campeões desta 41ª edição da prova, e os espanhóis Gerard Farres Guell e Daniel Oliveras (Can-Am Maveric X3), vice-campeões com menos de três minutos de vantagem sobre os brasileiros.

"Fomos bem. Perdemos para nós mesmos. Quebrei o carro, furei pneu, mas nosso UTV em si não teve problema nenhum, foi até o fim. Hoje eu andei realmente forte e foi tudo maravilhoso. Terceiro lugar depois de tudo está justo. Vamos agora pensar em 2020 e refletir onde erramos para melhorar e vencer no ano que vem", destacou Varela.

A dupla Marcos Baumgart e Kleber Cincea (Can-Am Maveric X3) fez o 12º melhor tempo na etapa, concluindo a prova na sexta colocação da classificação acumulada após 10 etapas. "Dakar é Dakar, não tem preço completar. Só aqui para saber. Largar já é uma vitória, chegar é um sonho que conseguimos realizar, meu irmão e eu, na nossa estreia nos UTVs. Aprendemos muito e perto do que esperávamos fomos muito bem", relatou Marcos.

A dupla Cristian Baumgart e Beco Andreotti (Can-Am Maveric X3) completou a prova repetindo seu melhor resultado, uma segunda colocação na etapa. Na acumulada conquistaram a nona colocação em sua prova de estreia no Dakar. "Foi um rali inesquecível, é emocionante estar aqui. A vontade de voltar já é grande e quem sabe eu volte melhor preparado. Quero fazer mais etapas do Mundial para aprender mais. Depois desse rali eu tenho prazer em andar na areia", resumiu Cristian.

A dupla do navegador brasileiro Lourival Roldan, vencedor da categoria em 2017, correndo este ano com o piloto português Miguel Jordão (Can-Am Maveric X3) conquistou a sétima colocação na prova. Neste último dia de competição ficaram com a nona colocação. "Completo meu oitavo de dez. Hora de agradecer. Meu piloto e as pessoas que me permitiram estar aqui, pois ninguém vem sozinho, tem uma legião de pessoas apoiando e motivando. Foi um Dakar divertido e o Peru é um paraíso para fazer o rali", comentou Lourival.

Outros três brasileiros que participaram da prova, mas não conseguiram cruzar a linha de chegada. A dupla Bruno Varela e Maykel Justo (Can-Am Maveric X3) foi forçada a abandonar no final da penúltima etapa com a quebra do motor. Mas poderiam receber o prêmio de dupla mais solidária do rali. Apelidados internamente de "Madre Tereza de Calcutá", a dupla ajudou praticamente todos os compatriotas quando estes tiveram problemas.

Nas motos Marcos Colvero (KTM 450 Rally Replica) e Lincoln Berrocal (KTM 450 Rally Replica) - o mais velho entre os competidores das duas rodas, com 60 anos -, não conseguiram concluir a prova.

Entre os caminhões o russo Eduard Nikolaev (Kamaz) conquistou seu quarto título no Dakar. A segunda colocação ficou com seu companheiro de equipe e compatriota Dmitry Sotnikov. O holandês Gerard De Rooy (Iveco) completou o pódio da categoria.



Itens relacionados:
»17/01/2019 Rally Dakar 2019 - 9ª etapa: Muitas surpresas na penúltima etapa
»16/01/2019 Rally Dakar 2019 - 8ª etapa: Revés para os líderes das motos, UTVs e caminhões
»15/01/2019 Rally Dakar 2019 - 7ª etapa: Dupla Varela e Gugelmin retoma liderança nos UTVs
»14/01/2019 Rally Dakar 2019 - 6ª etapa: Solidariedade para enfrentar as grandes dificuldades
»12/01/2019 Rally Dakar 2019 - 5ª etapa: Final da maratona e dia de descanso
»11/01/2019 Rally Dakar 2019 - 4ª etapa: Dificuldades de uma longa maratona
»10/01/2019 Rally Dakar 2019 - 3ª etapa: Dia dramático com mudança de líder em três categorias
»08/01/2019 Rally Dakar 2019 - 2ª etapa: brasileiros mantém a liderança da categoria UTV
voltar para a página anterior | topo desta página | home do site

Klever Kolberg e Equipe Valtra no Facebook Klever Kolberg e Equipe Valtra no Twitter Klever Kolberg e Equipe Valtra no You Tube Klever Kolberg e Equipe Valtra no Flickr
www.parisdakar.com.br