Sciam
Clique e assine Sciam
Multimídia

O vírus Zika e por que ele é preocupante
clique aqui para assistir
 
Ciclo do dióxido de carbono na atmosfera global
clique aqui para assistir
 
Pequenas Maravilhas
Leia a matéria na íntegra "Pequenas Maravilhas" na edição nº 129 - fevereiro/2013 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
Miniaturas fascinantes
Leia a matéria na íntegra "Miniaturas fascinantes" na edição nº 116 - janeiro/2012 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
A vitrine de ninhos das coleções de museus
Leia a matéria na íntegra "Tesouro nas árvores" na edição nº 112 - setembro/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
A evolução do olho
Leia a matéria na íntegra ("A fascinante evolução do olho") na edição nº 111 - agosto/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
A briga dos demônios
A briga dos demônios.

Leia a matéria na íntegra ("O Câncer do Diabo") na edição nº 110 - julho/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
3-D de galáxia embrionária
Nos espasmos da formação, uma galáxia como a Via Láctea absorve gás frio e denso (linhas vermelhas) e ejeta, ao mesmo tempo, gás quente de volta para o espaço intergalático (linhas azuis). A galáxia acaba apenas com uma pequena fração do material bruto. O autor (James E. Geach) e seus colegas geram esta imagem usando o mais moderno e avançado código de simulação cosmológica.

Leia a matéria na íntegra ("Galáxias Perdidas") na edição nº 109 - junho/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!
clique aqui para assistir
 
Predadora por Natureza
A serpente tentaculada utiliza, de forma surpreendente, táticas ardilosas para capturar peixes

Leia a matéria na íntegra ("Predadora por Natureza") na edição nº 108 - maio/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas, ou clique aqui!

Fonte: http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=catania-tentacled-snake-captures-prey
clique aqui para assistir
 
Arqueologia
Investigações no subsolo reescrevem história de Stonehenge
Novas evidências indicam que o grande círculo de pedra teria sido parte de uma paisagem cerimonial muito maior

Veja a matéria na íntegra na edição nº 107 - abril/2011 da revista Scientific American Brasil. Já nas bancas ou CLIQUE AQUI
clique aqui para assistir
 
Aves do terror dilaceravam presas com seu poderoso bico
Voltar para a notícia, CLIQUE AQUI

Video: cortesia da Ridgely & Witmer/Witmer Lab da Ohio University
clique aqui para assistir
 
Parente de crocodilo pode ter mordido como um mamífero
Voltar para a notícia, CLIQUE AQUI

Video: cortesia da Universidade de Ohio
clique aqui para assistir
 
Criado objeto que se dobra sozinho
A folha protótipo se dobra em duas formas diferentes: experimento pode levar a objetos que assumam qualquer formato
clique aqui para assistir
 
O Nascimento do aglomerado do Sol
Veja a reconstrução dos eventos que levaram à formação da nossa estrela
clique aqui para assistir
 
Cinco expedições robóticas e o que deverão revelar
Algumas estão em andamento, outras ainda desenvolvidas. Esta é uma amostra do que podemos ver da exploração não tripulada no espaço nos próximos anos.
clique aqui para assistir
 
Dez naves espaciais de décadas passadas ainda ativas
Espreitando o espaço ou verificando a atividade humana, espaçonaves e satélites, alguns com mais de 30 anos, continuam prestando inestimáveis serviços

Por John Matson
clique aqui para assistir
 
Dez telescópios que mudaram nossa visão sobre o Universo
Por Saswato R. Das

Em fins de junho de 1609, o astrônomo e físico italiano Galileu Galilei construiu sua primeira luneta – um objeto simples, com lentes nas extremidades de um tubo. No ano anterior, Hans Lipperhey, holandês já tinha registrado a patente do instrumento, mas Galileu lhe deu fama.

No verão de 1609, em Pádua, Itália, Galileu resolveu construir um aparelho que funcionasse. O telescópio provocou uma revolução na compreensão humana do Cosmos. O instrumento foi usado pela primeira vez em observações da Lua, principalmente nas sombras de montanhas e bordas de crateras; ele prosseguiu, catalogando manchas solares; e descobriu as quatro maiores luas de Júpiter ─ Io, Europa, Ganimedes e Calisto ─ hoje conhecidas como luas galileanas, em sua homenagem.

Essas observações permitiriam que Galileu sustentasse a visão de Copérnico sobre o Universo e não a visão geocêntrica defendida pela Igreja e homens esclarecidos da época. As descobertas de Galileu ajudariam a suplantar a astronomia ptolomaica, a complicada e equivocada teoria dos mecanismos celestiais que permaneceram por 1.400 anos.

Desde a construção do primeiro telescópio por Galileu, houve enormes avanços na ciência, nos sistemas ópticos e na tecnologia do instrumento. Atualmente telescópios localizados no solo são estruturas gigantescas, com espelhos flexíveis de 10 metros, dispositivos que seriam inimagináveis na época de Galileu e seus sucessores. Algumas das imagens mais nítidas do espaço foram produzidas pelo Telescópio Espacial Hubble, um espetáculo tecnológico que continua a fornecer imagens cada vez mais aprimoradas do Universo, há quase 20 anos. No ano em que se comemora o 400º aniversário da luneta de Galileu, conheça alguns telescópios que contribuíram para a história da astronomia.
clique aqui para assistir
 
A ciência como agente de transformação social
Como é possível utilizar a ciência como agente de transformação social? Na conferência realizada dia 09/06, no Teatro Tuca, São Paulo, em comemoração aos sete anos da revista Scientific American Brasil, o neurocientista Miguel Nicolelis deu uma aula de como cientistas brasileiros, radicados no exterior, podem contribuir para o desenvolvimento econômico e sociocultural de seu país natal.

Clique nos links abaixo e assista a conferência na íntegra.
Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Para conhecer mais

- Conferência com Miguel Nicolelis emociona o público

- Construindo o arquipélago do conhecimento

- Slideshow: A ciência na construção do futuro

Site do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra
clique aqui para assistir
 
Astronomia para poetas
Contemplar a beleza e imensidão do cosmo e refletir sobre o nosso lugar nesse universo. Essa é a proposta da exposição fotográfica Astronomia para poetas, que a Casa da Ciência e o Observatório do Valongo da UFRJ apresentam de 23 de junho a 12 de julho de 2009, no Rio de Janeiro. A mostra faz parte do ciclo de palestras Ciência para Poetas, que promove encontros entre pessoas de qualquer área do conhecimento. O projeto que tem uma década escolheu, no Ano Internacional da Astronomia, o estudo dos objetos celestes como tema. Além das fotos, a exposição conta com outras atividades como a oficina “Animando Júpiter”, que ensina crianças a montar uma animação e o workshop para professores “DNA das estrelas”, que apresenta os estágios da vida das estrelas em comparação com os da vida humana.

No dia 30 de junho haverá uma observação do céu em dia de Lua crescente e a partir do dia 04 de julho será montado um planetário inflável no local, com três sessões diárias abertas para adultos e crianças. Na seção de vídeos "Ver Ciência", que acontece diariamente na mostra, está a série de quatro DVDs de Scientific American Brasil - Exploração do Espaço - Novo guia visual do Universo. Clique aqui e saiba mais sobre a coleção.

Astronomia para Poetas – Exposição fotográfica
Onde: Casa da Ciência da UFRJ - Rua Lauro Muller, 3 – Botafogo, Rio de Janeiro/RJ. Quando: De terça a sexta, das 9h às 20h; aos sábados e domingos, das 10h às 20h. De 23 de junho a 12 de julho de 2009. Quanto: todos os eventos são gratuitos. Contato: Tel./Fax: (21) 2542-7494/ www.casadaciencia.ufrj.br
clique aqui para assistir
 
Iluminando os meandros do cérebro
Leia o texto Iluminando os meandros do cérebro.
clique aqui para assistir
 
Reflexões sobre privacidade
clique aqui para assistir
 
Como manter segredos em segurança
clique aqui para assistir
 
Tarjetas de identificação por radiofreqüência
clique aqui para assistir
 
Poluição compromete saúde de crianças na China
clique aqui para assistir
 
Mecanismos que deflagram a enxaqueca
clique aqui para assistir
 
Plantio Direto, uma Revolução na Preservação
clique aqui para assistir
 
Universo quântico auto-organizado
Por Jerzy Jurkiewicz, Renate Loll e Jan Ambjorn

Uma nova abordagem da gravidade quântica, que perdura há décadas, retorna à física básica e mostra como são dispostos os tijolos que constroem o espaço e o tempo.

Leia a reportagem na edição 75 de Scientific American Brasil.
clique aqui para assistir
 
A neurobiologia da confiança
Leia a reportagem “A neurobiologia da confiança” da edição 74 de Scientific American Brasil.
clique aqui para assistir
 
Retoques, jogo de luz e realces espetaculares - os truques das imagens digitais
Clique aqui e leia a reportagem “Perícia de Imagens Digitais” da edição 74 de Scientific American Brasil.
clique aqui para assistir
 
Computador de 168 anos de volta à vida
Slideshow com imagens do primeiro "computador" do mundo, criado há 168 anos.
clique aqui para assistir
 
Evolução do desenvolvimento
Leia a reportagem “O Jogo da Evolução” da edição 73 de Scientific American Brasil.
clique aqui para assistir
 
Perspectivas para a regeneração de membros humanos
Leia a reportagem: Perspectivas para a regeneração de membros humanos: O progresso rumo à regeneração de partes importantes do organismo, como acontece com a salamandra, pode revolucionar o tratamento de amputações e de ferimentos graves.
clique aqui para assistir
 
A versatilidade do carbono
Faça-você-mesmo grafeno: como fazer camadas de carbono da espessura de um átomo com fita adesiva

Por JR Minkel

Grafeno, o mais novo e incrível material da ciência, é surpreendentemente fácil de produzir. JR Minkel explora como fazer a nova substância, o que é discutido em detalhes no artigo A versatilidade do carbono, por Andre K. Geim e Philip Kim, na edição nº 72 da Scientific American Brasil.

Grafeno, um dos mais promissores materiais a ser desenvolvido nas últimas décadas, não é grande coisa de se olhar. O que não é de espantar. Pesquisadores descobriram o grafeno, ou lâminas de carbono da espessura de um átomo, descascando mecanicamente camadas cada vez mais finas de grafite bruto, a mesma substância encontrada num lápis.

Apesar dos esforços para desenvolver aplicações práticas para o grafeno e explorar suas propriedades físicas exóticas em funcionamento em suas duas dimensões, obter uma amostra aproveitável ainda é mais arte do que ciência, como a Scientific American descobriu em uma tarde de inverno úmida de neve derretida no laboratório da Columbia University de Philip Kim, um de nossos co-autores e líder na área. O então pós-doutorando Pablo Jarillo-Herrero (atualmente professor assistente de física no Massachusetts Institute of Technology) separou um tempo para nos mostrar como os pesquisadores preparam o grafeno para estudo.
clique aqui para assistir
 
Oceano: Vida escondida
Saiba mais sobre a exposição no texto:A beleza dos oceanos na Estação Ciência
clique aqui para assistir
 
Fadados à escuridão: o céu noturno do futuro
Por Lawrence M. Krauss e Robert J. Scherrer

O céu noturno na Terra (isto é, se o planeta sobreviver) mudará dramaticamente à medida que a Via Láctea se fundir às suas vizinhas e galáxias distantes sumirem de nossa vista.

A expansão cada vez mais rápida irá separar as galáxias mais rapidamente que a velocidade da luz, fazendo com que se tornem invisíveis. Esse processo elimina pontos de referência para medir a expansão, e dilui os produtos do Big Bang no grande nada. Em poucas palavras, a expansão apaga todos os sinais de que o Big Bang um dia aconteceu.

Para nossos descendentes, o Universo vai parecer um pequeno amontoado de estrelas em um vazio imutável e sem fim.
clique aqui para assistir
 
Fundo azul
Para saber mais sobre a técnica, leia o texto Parece, mas não é
clique aqui para assistir
 
A ciência na construção do futuro
Por Christine Soares

O neurocientista brasileiro Miguel A. L. Nicolelis aproveita as conversas entre populações de neurônios para mover próteses robóticas. Agora ele quer aproveitar o potencial da população de seu país construindo para ela uma rede de cidades da ciência.

Leia o ensaio: Construindo o arquipelágo do conhecimento de Miguel Nicolelis.
clique aqui para assistir
 
Slideshow: Filtro completo num canudinho
O canudo que transforma água contaminada em potável removendo bactérias e vírus - e outras invenções para ajuda humanitária
clique aqui para assistir
 
Terra Febril: dez imagens de um mundo em aquecimento
Leia o artigo relacionado de David Biello.
clique aqui para assistir
 
Informação radiante
Apesar de serem incontáveis os prazeres e horrores que a visão humana nos oferece, existe um único modo de coletar informações sobre a vida: as células da retina registram fótons de luz e o cérebro interpreta as imagens. Quanto às estruturas minúsculas que escapam à compreensão do olho, impossíveis de serem detectadas por refletir uma quantidade insuficiente de fótons, a solução é o microscópio. As imagem apresentadas aqui, consagradas na edição de 2007 da competição Olympus BioScapes Digital Imaging, representam o que há de melhor em pesquisas biológicas com microscópios ópticos, tanto por mérito técnico como estético.

Chame de renascimento ou chame de revolução, mas o campo da microscopia óptica está em pleno desenvolvimento. As paletas de luz se diversificam à medida que se desenvolvem novos marcadores fluorescentes e novas técnicas genéticas para incorporá-las em amostras, abrindo caminho para o descobrimento. Por exemplo, os pesquisadores responsáveis pela imagem vencedora neste ano usaram uma nova técnica chamada brainbow – uma fusão das palavras (brain) cérebro e (rainbow) arco-íris em inglês –, para definir com cores distintas os neurônios de um camundongo sob o microscópio. Esse método permitiu traçar axônios individuais ao longo da vertiginosa malha neural e mapear as ramificações do cérebro de modo até então impossível com técnicas de imagem antigas. A precisão das ferramentas também tem evoluído. Já é possível identificar proteínas isoladas para observar o deslocamento de uma molécula e testemunhar ao vivo os detalhes infinitesimais da divisão e da diferenciação celular.

Microscopistas podem pintar com rapidez e com largas pinceladas de luz para capturar eventos efêmeros ou, lentamente, com pinceladas de luz delicadas para observar um sopro de vida em um detalhe esplendoroso. A capacidade de enxergar até a menor das estruturas biológicas com uma variedade de técnicas e de gerenciar quantidades massivas de resultados é capaz de produzir um portfólio da vida fascinante e intimista – acessível a todos e profundamente significativo para aqueles que admiram seus detalhes.
clique aqui para assistir
 
Vinte brinquedinhos científicos
clique aqui para assistir
 
Cinco tarefas para exploração do Sistema Solar
1. Monitorar o clima da Terra

2. Preparar defesas contra asteróides

3. Procurar vida fora da Terra

4. Explicar como os planetas se formam

5. Ir além do Sistema Solar

Leia o texto traduzido para o português da animação, que explica detalhadamente as cinco tarefas
clique aqui para assistir
 
De volta à Lua - Os Estados Unidos se preparam para as próximas missões lunares
Por Coco Ballantyne e Steven Ashley

Engenheiros e pesquisadores da Nasa e seus parceiros estão desenvolvendo os propulsores de módulos espaciais para as próximas missões, Constellation e Órion. O novo sistema de transporte da Nasa levará a próxima geração de astronautas para a Estação Espacial Internacional, para a Lua e talvez mais além.

2ª apresentação:Imagens dos módulos da Órion em fase de desenvolvimento
clique aqui para assistir
 
De volta à Lua - Os Estados Unidos se preparam para as próximas missões lunares
Por Coco Ballantyne e Steven Ashley

Engenheiros e pesquisadores da Nasa e seus parceiros estão desenvolvendo os propulsores de módulos espaciais para as próximas missões, Constellation e Órion. O novo sistema de transporte da Nasa levará a próxima geração de astronautas para a Estação Espacial Internacional, para a Lua e talvez mais além.

Primeira apresentação – Os propulsores que levarão Órion até a Lua

Clique aqui e veja também as imagens dos módulos da Órion em fase de desenvolvimento.
clique aqui para assistir
 
O mundo geneticamente modificado
clique aqui para assistir
 
Plantas perenes versus anuais
clique aqui para assistir
 
Mergulho profundo na Galáxia Andrômeda
A animação mostra um disco de estrelas azuis jovens orbitando um buraco negro em M31.

Imagens espectroscópicas do telescópio espacial Hubble revelaram que esse disco estelar orbita um buraco negro em M31, da mesma maneira que os planetas no nosso sistema solar giram em torno do Sol.

Astrônomos estão surpresos com o fato de um disco de estrelas se formar tão próximo de um buraco negro gigante.

As observações, segundo astrônomos, devem fornecer dicas para as atividades nos núcleos de galáxias mais distantes.
clique aqui para assistir
 
Chapéu mexicano
A galáxia de Sombrero (M104 ou NGC4594), na constelação de Virgem, brilha com magnitude 8 e está além da detecção a olho nu. Observações telescópicas mostram sua majestosa e inconfundível estrutura, com 50 mil anos-luz de diâmetro - metade do diâmetro da Via Láctea - demarcada por uma linha escura de poeira envolvendo o bulbo luminoso. A posição de Sombrero permite uma visão clara de seu núcleo e a identificação de braços que a classificam como galáxia espiral, apesar do núcleo gigantesco e brilhante. M104 foi incluída tardiamente no Catálogo de Messier, que a anotou manualmente em sua cópia, logo após a detecção, em 1781. Outros astrônomos a identificaram de forma independente, entre eles William Herschel, o primeiro a identificar sua delimitação.

Imagem: Spitzer Space Telescope and Hubble Space Telescope
clique aqui para assistir
 
A física por trás das mudanças climáticas
clique aqui para assistir
 
Janelas da Mente - Parte 3
O primeiro plano de um olho humano simulado por computador durante a fixação, com uma visão da inserção da retina central.

Embora o olho esteja voluntariamente fixado num objeto na borda da figura, faz movimentos minúsculos com características distintas.

A posição em movimento de um ponto da figura está indicada como uma linha sobre a retina na inserção.

Esta cena revela três tipos de movimentos de fixação ocular: microssacádicos rápidos, drifts sinuosos e os tremores (ziguezagues superpostos aos drifts). Todos movem estímulos em quantidades diferentes ao longo das células fotorreceptoras da retina.

Animação do movimento do olho cedida pelo Barrow Neurological Institute: Mark Schornak, Michael Hickman, Marie Clarkson, Susana Martinez-Conde, e Stephen L. Macknik
clique aqui para assistir
 
Janelas da Mente - Parte 2
O primeiro plano de um olho humano simulado por computador durante a fixação, com uma visão da inserção da cena visual.

Embora o olho esteja voluntariamente fixado num objeto na borda da figura, faz movimentos minúsculos com características distintas.

A posição em movimento bem no centro da retina está indicada como uma linha sobre a figura na inserção.

Essa cena revela três tipos de movimentos de fixação ocular: microssacádicos rápidos, os drifts sinuosos e os tremores (ziguezagues superpostos aos drifts).

Animação do movimento do olho cedida pelo Barrow Neurological Institute: Mark Schornak, Michael Hickman, Marie Clarkson, Susana Martinez-Conde, e Stephen L. Macknik
clique aqui para assistir
 
Janelas da Mente - Parte 1
O primeiro plano de um olho humano simulado por computador durante a fixação.

Embora o olho esteja voluntariamente fixado num objeto (na margem da figura, não mostrado), ainda faz movimentos minúsculos, com características distintas.

Animação do movimento do olho cedida pelo Barrow Neurological Institute: Mark Schornak, Michael Hickman, Marie Clarkson, Susana Martinez-Conde, e Stephen L. Macknik
clique aqui para assistir
 
Campos elétricos
clique aqui para assistir
 
A Evolução dos Gatos
clique aqui para assistir
 
O longo desaparecimento da Humanidade
clique aqui para assistir
 
A Terra sem humanos
Imagine que em uma manhã o dia começou como qualquer outro, mas com uma grande diferença: todos os humanos desapareceram. Como seria a Terra sem pessoas?

Obviamente, muito mais silenciosa. Mas o que realmente aconteceria? Poderia a natureza apagar todos os traços da nossa existência?

Algumas coisas mudariam rapidamente. Primeiro, os serviços de energia começariam a desligar. Em uma cidade como Nova York, as bombas nos metrôs seriam desligadas e a água invadiria tudo. As ruas acima entrariam em erosão rapidamente e desabariam. Em alguns dias, a natureza começaria a espalhar-se.

Sem a constante atenção dos humanos, o exterior dos edifícios e construções ficaria imundo, racharia, e a vegetação começaria a se enraizar. Passo a passo, um estranho e novo ecossistema urbano começaria a se desenvolver. E rápido.

Dez anos depois e o Central Park está se tornando um vasto pântano, como era no começo.

Cem anos passam e a infra-estrutura de aço de muitos prédios está sendo corroída. As fachadas estão se soltando. Alguns começam a cair. O que antes eram agitadas avenidas, agora são canyons.

Mil anos depois e quem sabe? Com o aquecimento global e a proliferação de descendentes de animais de zoológico, o Central Park começaria talvez a se parecer com algum lugar da África.

Dez mil anos se passam. Talvez algum traço da nossa civilização permaneça, e não apenas o lixo tóxico que geramos para termos combustível para nossa existência.

Uma Terra sem pessoas provavelmente seria muito diferente. Mas quem saberia disso?
clique aqui para assistir
 
Dez espécies podem ser extintas nos próximos 10 anos
Em breve o Dodô pode ter companhia

Por Coco Ballantyne

A extinção é um processo natural. À medida que a evolução avança, algumas espécies desaparecem, enquanto outras surgem, em uma dinâmica contínua chamada “extinção de fundo”. A história geológica também foi pontuada por cinco grandes “extinções em massa” – declínios acentuados no número de espécies, aceleradas por eventos excepcionais como o impacto de um asteróide ou a mudança no nível dos mares.

Atualmente testemunhamos o que alguns especialistas acreditam ser “a sexta onda de extinção”, uma redução das espécies que parece ser trabalho da humanidade. Eles estimam que a taxa atual de extinção é de 100 a 1.000 vezes maior do que a taxa de fundo (outros dizem que é ainda maior, até 10 mil vezes a taxa normal de extinção de fundo).

No momento, há 3.071 espécies “criticamente ameaçadas” no mundo, de acordo com a União Internacional de Conservação, também conhecida como União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN, em inglês), uma cooperação entre 83 países, 800 organizações não -governamentais e 10 mil cientistas e especialistas dedicados à preservação da biodiversidade na Terra. De acordo com a IUCN, as espécies classificadas como de risco crítico, “correm um risco extremamente elevado de extinção na natureza se a pressão sobre eles não for reduzida”.
clique aqui para assistir
 
Mudanças do Clima, Mudanças de Vidas
Como o aquecimento global já afeta o Brasil

Durante meses, equipes do Greenpeace viajaram por todo o Brasil para documentar o impacto das mudanças climáticas em diversas regiões. O resultado foi um filme com imagens impressionantes de seca, inundação e destruição, além de depoimentos emocionados de pessoas no Sul, na Amazônia e no Nordeste que sofreram, sofrem e podem sofrer ainda mais com essas alterações do clima. O documentário traz também a opinião de cientistas sobre as causas do aquecimento global e o que o governo e a população podem fazer para barrar já os impactos das mudanças climáticas.

Esta é a versão curta (6 min) do documentário.
Para assistir à versão completa, acesse:
http://www.greenpeace.org.br/clima/filme

Depoimentos de cientistas:

Carlos Nobre
Pesquisador do Inpe

Francisco Aquino
Geógrafo UFRGS

José Antônio Marengo Orsini
Pesquisador Inpe

Luiz Pinguelli Rosa
Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Carlos Rittl
Campanha de Clima Greenpeace


Imagens cedidas pelo Greenpeace
clique aqui para assistir
 
16 microfotografias incríveis de seres vivos
Por JR Minkel

Se você brincava com um microscópio quando era criança, ainda deve se lembrar da maravilha de criar um mundo em miniatura ao simplesmente colocar um pedacinho de alguma coisa sob a lente. A mesma sensação certamente levou os vencedores do concurso Olympus BioScapes 2006, um concurso anual que reúne as melhores microfotografias de seres vivos (ou que já estiveram vivos). A Olympus recrutou um grupo de microscopistas para julgar cada candidato acerca de sua contribuição científica, qualidade estética e excelência técnica. Tenha isso em mente ao ver as fotos dos 10 finalistas, e as ganhadoras de menção honrosa que mais chamaram nossa atenção.
clique aqui para assistir
 
Einstein visita universidade nos EUA
Gravação original de "Hearst Metrotone News" mostra chegada do cientista a Wilmington acompanhado de sua segunda esposa Elsa Einstein para visitar o Instituto Tecnológico da Califórnia na década de 30. Em fevereiro de 1932, enquanto visitava o Instituto, Einstein recebeu convite para trabalhar no recém-criado Instituto de Estudos Avançados de Princeton, onde tornou-se professor ao conseguir visto permanente em 1940.
clique aqui para assistir