Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Antigos monumentos megálitos eram mesmo observatórios, comprova pesquisa

Douglas Scott
Círculo de pedra na Ilha de Orkney

Uma pesquisa da Universidade de Adelaide provou estatisticamente pela primeira vez que o monumento megálito mais antigo da Grã Bretanha, o Grande Círculo, foi construído especificamente para se alinhar aos movimentos do Sol e da Lua, há 5000 anos.

O estudo, publicado na revista científica Journal of Archaeological Science: Reports, detalhou o uso de tecnologia 2D e 3D inovadoras para construir testes quantitativos dos padrões de alinhamento das pedras.

"Ninguém antes conseguiu determinar estatisticamente que um circulo de rochas foi construído pensando-se em um fenômeno astrofísico — era tudo suposição,” diz o líder do projeto e Visitante de Pesquisa da Universidade de Adelaide, o Doutor Gail Higginbottom, que também é Visitante de Pesquisa da Universidade Nacional da Austrália.

Examinando os círculos de pedra mais antigos construídos na Escócia (Callanish, na Ilha de Lewis, e Stenness, na Ilha de Orkney, —  ambas antecedendo as pedras de Stonehenge em cerca de 500 anos), os pesquisadores descobriram uma grande concentração de alinhamentos com o Sol e a Lua em diferentes momentos de seus ciclos. E 2000 anos depois, na Escócia, ainda estavam sendo construídos monumentos muito mais simples onde foram encontrados pelo menos um desses alinhamentos astronômicos.

As pedras, no entanto, não estão apenas conectadas com o Sol e a Lua. Os pesquisadores descobriram uma relação complexa entre o alinhamento das pedras, o horizonte e paisagem dos arredores, e os movimentos do Sol e Lua através desses locais.

"Essa pesquisa finalmente prova que os antigos britânicos  conectaram a Terra e céu com suas pedras, e que essa prática continuou do mesmo jeito por 2000 anos,” diz o Doutor Higginbottom.

Examinando os locais em detalhe, foi observado que cerca de metade deles estavam cercados por uma paisagem padrão e, a outra metade, por algo totalmente oposto.

"A escolha desses locais teria influenciado o modo como o Sol e a Lua eram observados, particularmente quando nasciam ou se punham em horários especiais, como quando a Lua aparece na sua posição mais ao Norte no horizonte, o que acontece somente a cada 18.6 anos,” afirma Higginbottom.

"Por exemplo, em 50% dos locais, o horizonte norte é relativamente mais alto e mais próximo do que o sul, e o Sol do solstício de verão nasce do pico mais alto no norte. Nos outros 50%, o horizonte sul é mais alto e próximo que o norte, com o Sol do solstício de inverno nascendo nesses horizontes mais altos”

"Essas pessoas escolheram erguer essas pedras na paisagem com muita precisão, e relacionando-as à astronomia que conheciam. Elas investiram uma quantidade enorme de esforço e trabalho para conseguir. Isso mostra a forte conexão que tinham com o seu ambiente, e como isso deve ter sido importante para eles, para sua cultura e para a sobrevivência dessa cultura.”

 

Universidade de Adelaide
Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq