Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Boas notícias para duas espécies raras de leopardo

Grupos conservacionistas dão notícias melhores do que se esperava sobre duas raras espécies de leopardo

John Platt
Cortesia de Wildlife Conservation Society
Leopardo-das-neves (Panthera uncia) capturado por uma câmera-armadilha.
Uma delas é o leopardo-de-amur (Panthera pardus orientalis), em estado de ameaça crítica, na Rússia, e a outra, a espécie ameaçada conhecida como leopardo-das-neves (P. uncia), no Afeganistão.

Quanto ao leopardo-de-amur, há menos de 50 animais da espécie em ambiente natural. No entanto, esse número talvez venha a aumentar ligeiramente: novos vídeos de uma equipe de pesquisa da Wildlife Fund, ou WWF, revelaram 12 leopardo-de-amur numa área onde apenas 7 tinham sido observados nas últimas quatro pesquisas anuais. As imagens foram obtidas por armadilhas de câmeras na Reserva Natural de Kedrovaya Pad e no Refúgio Federal Leopardoviy para a Vida Selvagem, ambos no extremo oriente da Rússia. A equipe da WWF usou este ano videocâmeras que dispararam com a presença de animais.

“Os resultados apontam para um aumento da população em até 50% dentro do grupo-alvo em Kedrovaya Pad e Leopardoviy disse em comunicado oficial Sergei Aramilev, coordenador do programa da espécie na Divisão Amur da WWF na Rússia. “Acho que podemos atribuir isso ao aperfeiçoamento na administração das nossas reservas e aos esforços a longo prazo para a conservação do leopardo.”

Os leopardos-de-amur perderam a maior parte de seu hábitat por causa da exploração de madeira, da agricultura e de incêndios florestais, além de terem sofrido intensa caça clandestina por sua pele.

Esperança para os leopardos-das-neves

As notícias são ainda melhores para os esquivos leopardos-das-neves, que vivem no Afeganistão e também são alvo constante de caça clandestina. Pesquisas da Wildlife Conservation Society,ou WCS, descobriram uma população surpreendentemente saudável de raros leopardos-das-neves vivendo nos limites montanhosos do Corredor Wakhan, no nordeste do Afeganistão”.

Como aconteceu na Rússia, imagens que atestam a existência dessa população recém-descoberta foram obtidas também por câmeras-armadilhas, desta vez com dispositivos montados por guardas-florestais comunitários afegãos, treinados pela WCS. Foi a primeira vez que se empregou esse método para gravar imagens de leopardos da neve naquele país.

“Trata-se de uma descoberta maravilhosa – demonstra que há esperança real para os leopardos-das-neves no Afeganistão”, conta Peter Zahler, vice-diretor do Programa da WCS. “Nosso objetivo agora é assegurar que esses magníficos animais tenham seu futuro garantido como parte primordial da herança da natureza no Afeganistão.”

É difícil quantificar a população de leopardos da neve, porque o animal vive em regiões muito remotas, mas as estimativas variam de 4.500 a 7.500 animais espalhados de um lado a outro do Afeganistão e em 11 países vizinhos. O leopardo-das-neves estava entre os primeiros animais protegidos em conformidade com a lista de espécies ameaçadas do Afeganistão quando ela foi criada, em 2009.