Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Descoberto "Super-Júpiter"

Foto rara captura um planeta 13 vezes mais massivo que Júpiter e desafia teorias de formação planetária.

Space.com
NAOJ/Subaru Telescope`s copyright.
A imagem na região do infravermelho (1.2 - 2.4 microns) do sistema estelar Kappa Andromedae - colorida artificialmente.O processamente da imagem substituiu, através de um software, a luz da estrela mãe pelo disco escuro no centro da imagem. O brilho colorido representa as luzes das estrelas remanescentes depois da remoção da luz da estrela mãe. Separada por cerca de 55 unidades astronômicas da estrela mãe, o super-Júpter Kappa And b (acima à esquerda) encontra-se a uma distancia de aproximadamente 1.8 maior do que a órbita de que separa Netuno do Sol (Credito: NAOJ)
Em uma rara foto direta de um mundo além da Terra, astrônomos encontraram um planeta 13 vezes mais massivo que Júpiter, o maior planeta de nosso sistema solar.

O planeta orbita uma estrela chamada de Kappa Andromedae, que tem 2,5 vezes a massa do Sol e está localizada a 170 anos-luz da Terra. Por se tratar de um gigante gasoso maior que Júpiter, o planeta é classificado como “super-Júpiter’

Cientistas apontam que o objeto é um interessante teste de caso para teorias de formação planetária. Com base nas observações desse sistema, o super Júpiter parece ter se formado da mesma maneira que exoplanetas comuns, com menos massa, coalescendo a partir de um “disco protoplanetário” de material orbitando uma estrela nascente. 

Isso acontece porque sua órbita, algo mais vasta que a rota de Netuno ao redor do Sol, fica a uma distância comparável de órbitas planetárias no sistema solar. Além disso, sua estrela, Kappa Andromedae, é relativamente jovem, com cerca de 30 milhões de anos (em comparação, o Sol tem aproximadamente 5 bilhões de anos). Essas pistas apontam para uma história de formação típica de planetas menores. 

Anteriormente, alguns cientistas duvidavam que estrelas tão grandes poderiam gerar planetas em discos protoplanetários. A nova descoberta indica que essa estrela provavelmente fez exatamente isso.

A nova foto foi tirada pelo telescópio japonês Subaru, de8 metros, no topo do Mauna Kea, no Havaí. Exoplanetas são extremamente difíceis de fotografar diretamente, porque suas estrelas são muito mais brilhantes, e ofuscam qualquer planeta.

Para obter essa imagem, astrônomos fizeram observações com luz infravermelha e usaram uma técnica para esconder o brilho intenso da estrela e revelar o ponto de luz relativamente tênue do planeta. Mais de 800 planetas foram descobertos além do nosso sistema solar, mas até agora muito poucos foram fotografados diretamente.

A descoberta será publicada no próximo volume de Astrophysical Journal Letters.
Nas bancas!                     Edições anteriores                                            Edições especiais                              
Conheça outras publicações da Duetto Editorial
© 2012 Site Scientific American Brasil • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.