Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Arte nas cavernas paleolíticas de Cantabria

Em El Pendo é possível apreciar pinturas originais produzidas há 30 mil anos 

Por Kalliopi Monoyios

Pense na última vez em que você esteve na presença de algo realmente antigo. Será que era alguma herança de família? Era um livro usado ou relíquia que chamou sua atenção em uma loja empoeirada e esquecida? Pense em seu impulso de tocá-lo e deixar sua mente imaginar as pessoas que o tocaram antes de você. Quem eram essas pessoas? Como elas viviam? Que dramas diários elas suportaram e como esses dramas eram diferentes dos seus?

Eu me peguei refletindo sobre essas mesmas perguntas neste verão boreal, na entrada da caverna El Pendo em Cantabria, na Espanha. É uma das várias cavernas do Paleolítico no norte da Espanha conhecida por preservar, graças às constantes condições de conservação de cavernas, algumas das mais antigas pinturas em existência – após um pequeno passeio por um caminho de madeira, surge um mural de pedra.

Um portão de ferro impede que você veja tudo, mas você vai esticar o pescoço para ver até onde conseguir. Se os portões estão fechados, é porque o guia está com um grupo.

Aproveite a paisagem e aguarde. Você será recompensado com a oportunidade de viajar de volta no tempo e ficar a apenas alguns metros de pinturas originais produzidas por artistas que viveram nessa mesma caverna há 30 mil anos. A vontade de conhecer as pessoas que viveram aqui e criaram esses misteriosos trabalhos artísticos é impressionante. Minha imaginação me venceu:

Artista Rupeste de El Pendo, fotografoa com pintaura por © Kalliopi Monoyios

Ao contrário de sua contraparte mais famosa em Cantabria, a caverna de Altamira, El Pendo ainda oferece a oportunidade de observar pinturas reais em vez de réplicas. Mas se você estiver procurando por uma experiência íntima, não-turística, vá logo. Estão construindo uma vinícola e um salão de degustação que sem dúvida tornarão El Pendo um destino mais popular.

 Vinícola de El Pendo; Imagem por © Kalliopi Monoyios