Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Eclipse total da Lua pode ser observado nesta madrugada

Fenômeno se inicia às 2h58 e se estende até às 6h33, com o nascer do Sol

Nasa
Por Paulo Sergio Bretones/ DME/UFSCar

Na madrugada de amanhã, ou seja, de hoje para amanhã, observadores de várias partes do mundo terão a oportunidade de observar um eclipse total da Lua. O eclipse será visível na América do Sul e do Norte.

Observadores no Pacífico ocidental vão perder a primeira metade do eclipse porque o fenômeno ocorre antes de a Lua nascer. Da mesma forma,  na maior parte da Europa e da África a Lua estará se pondo, assim que o eclipse se inicia.

O eclipse não será visível no norte e leste da Europa, África Oriental, no Oriente Médio e na Ásia Central.

Denomina-se eclipse o obscurecimento parcial ou total de um corpo celeste em virtude da interposição de outro. A palavra eclipse vem do grego ekleipsis, que significa abandono, desmaio, desaparecimento.

Embora os eclipses solares ocorram em maior número, vemos com mais freqüência os lunares, pelo fato de serem observados em áreas consideravelmente superiores à metade da Terra.

Os eclipses lunares ocorrem quando a Lua penetra no cone de sombra da Terra projetado no espaço, o que só pode acontecer com a Lua cheia, quando Sol Terra e Lua ficam alinhados nos planos tanto vertical como horizontal.

A sombra da Terra projetada no espaço se estende em forma cônica por cerca de 1,38 milhão de quilômetros. À distância de aproximadamente 360 mil quilômetros, onde está a Lua, o diâmetro da sombra tem cerca de 9 mil quilômetros.

Além de uma parte escura, chamada umbra ou apenas sombra, a projeção da Terra tem uma parte cinzenta denominada penumbra. Mas é a sombra que dá o efeito de beleza ao fenômeno, pois a penumbra, na maioria das vezes, é imperceptível.

O fenômeno ocorre nesta madrugada, com início às 02h58min. Neste horário, a Lua cheia começa a “mergulhar” na sombra da Terra, assim, uma linha divisória surge como um entalhe no bordo lunar e penetrando cada vez mais até que às 04h06min, a Lua estará toda coberta pela sombra da Terra.

Esse processo continua até as 05h24min quando a Lua começa a sair da sombra. Ás 06h33min a Lua sai por completo da sombra e fica novamente iluminada pelo Sol. Assim, o meio do eclipse se dará às 04h46min.

Ocorre que às 06h21 o Sol estará nascendo e às 06h26 a Lua se põe. Dessa forma será possível observar o fenômeno das 02h58 às 06h26.

Os eclipses lunares já foram importantes para a pesquisa astronômica. Eles forneceram a primeira prova de que a Terra é redonda, foram utilizados no estudo da alta atmosfera do planeta, na investigação da rotação da Terra, no tamanho e distância do satélite além de variações em seu movimento. Além disso, os eclipses podem contribuir com a história na determinação de datas do passado.

Quando a Lua estiver imersa na sombra poderá tomar uma cor de cobre, isto é, avermelhada. Isso ocorre porque a luz do Sol atinge a Terra e passa pela atmosfera. Os componentes da luz branca, que produzem as cores vermelha e laranja, espalham-se pelo ar cobrindo o céu com as cores do Sol no alvorecer e no crepúsculo.

A refração transforma essas cores em sombra, por isso a Lua pode ficar avermelhada. O aspecto da Lua durante um eclipse total pode ser relacionado com a sua trajetória pela umbra, além do efeito produzido pela água, nuvens e partículas sólidas da atmosfera terrestre.

Pouco antes de se por, no horizonte oeste, a luz da Lua atravessa uma camada mais espessa de atmosfera e a cor azul sofre mais dispersão dando ao satélite a coloração avermelhada.

Devido ao horário desse evento, a Lua eclipsada não terá tanto contraste com o fundo do céu por conta da claridade do alvorecer. Mesmo assim será um espetáculo observar a Lua se pondo eclipsada e o Sol nascendo do outro lado do horizonte.

Neste ano ocorrerão quatro eclipses: dois totais da Lua e dois do Sol.

As observações do eclipse total da Lua podem ser realizadas com binóculos, lunetas e telescópios de fraco aumento.

Para fotografar o eclipse com câmera digital, pode-se fixá-la num tripé, em modo de foco infinito, paisagem ou cenário (landscape). Como se pode verificar o resultado da imagem obtida, é fácil experimentar o tempo de exposição durante o eclipse. Na fase de totalidade, pode-se usar sensibilidade de ISO 100 ou 200 e exposições entre 1s a 5s. Também se pode aumentar o ISO e diminuir o tempo de exposição. Para exposições depois da totalidade, geralmente a câmera consegue se adaptar as condições de luz automaticamente, bastando apertar o botão de disparo para efetuar a foto nesta fase. Para as câmeras com opções manuais, pode-se usar exposições rápidas de 1/350 a 1/125 com ISO 100 para aberturas pequenas como 1:5,6 ou 1:8.

 sciambr14abril2014