Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Elon Musk, da SpaceX, revela a nave dos sonhos para a colonização de Marte

O empreendedor anunciou em detalhes os planos para uma espaçonave reutilizável que poderia carregar 100 pessoas

SpaceX
Mike Wall para SPACE.com 

Agora sabemos como Elon Musk planeja levar um milhão de pessoas para Marte.

Em uma conferência realizada no México no dia 27 de setembro, o fundador e CEO da empresa SpaceX revelou o Sistema de Transporte Interplanetário (ITS, na sigla em inglês) da companhia, que combinará o foguete mais poderoso já construído com uma espaçonave desenhada para carregar pelo menos 100 pessoas por voo para o Planeta Vermelho.

Se tudo sair de acordo com o planejado, o ITS, que é reutilizável, ajudará a humanidade a estabelecer uma colônia permanente e autônoma em Marte dentro dos próximo 50 a 100 anos, disse Musk no Congresso Astronáutico Internacional, em Guadalajara.

"O que eu realmente quero é fazer Marte parecer possível — fazer ele parecer como algo que conseguiremos fazer durante nossas vidas, e que você poderá ir,” ele afirmou.

Sistema de Transporte de Marte

O foguete do ITS será mais ou menos como uma versão aprimorada do foguete Falcon 9, também da SpaceX, disse Musk. Mas o foguete de 77,5 metros do ITS contará com 42 motores Raptor, enquanto o Falcon 9 possuía 9 motores Merlin.  Quando combinado com a sua nave tripulada, o ITS terá 122 metros de altura, escreveu Musk no Twitter. Isso o tornaria o maior sistema de voo espacial já construído, maior até do que o lendário foguete lunar da Nasa, o Saturno V.  

A nave, que fica no topo do foguete, terá 49,5 metros de altura e 17m de comprimento, além de nove Raptors próprios. O foguete lançará a nave para a órbita terrestre e retornará, fazendo um pouso suave no seu lugar de lançamento, previsto para ser a Plataforma de Lançamento 39A, no Kennedy Space Center, da Nasa, na Flórida.

A espaçonave decolará com pouco ou nenhum combustível a bordo, para maximizar a carga —pessoas, carregamentos, ou uma combinação de ambos — que a nave poderá levar para órbita. Um foguete do ITS será lançado novamente, com um tanque acoplado, e irá de encontro com com a nave em órbita para abastecê-la.

Então, quando for a hora certa — uma vez que Terra e Marte se alinham de maneira favorável para missões interplanetárias apenas uma vez a cada 26 meses — a porção de nave do ITS ligará seus motores e sairá da órbita terrestre em direção à Marte.

A nave espacial será capaz de transportar pelo menos 100 e até 200 pessoas, segundo Musk. Ela provavelmente também contará com salas de cinema, halls de leitura e um restaurante, proporcionando aos pioneiros do Planeta Vermelho uma experiência bem diferente da que tiveram os astronautas da missão Apollo, espremidos em uma pequena cápsula em sua viagem para a Lua.

"Será muito, muito divertido ir,” afirmou Musk. “Você aproveitará muito.”

Os poderosos Raptors vão permitir que a nave faça a viagem em 80 dias, inicialmente, dependendo de onde a Terra e Marte estarão exatamente naquele momento, informou Musk. Seria uma viagem bem rápida; usando a tecnologia disponível atualmente, leva de seis a nove meses para uma nave chegar até o Planeta Vermelho.

E Musk disse que eventualmente a nave do ITS conseguirá encurtar a viagem para apenas 30 dias.

Mas não haverá apenas uma nave fazendo essa viagem. Quando o ITS realmente estiver em total operação, mais de mil naves partirão para Marte a cada 26 meses.

“A frota colonial de Marte partiria em massa,” disse Musk. Essa frota pousaria em Marte usando "retropropulsão supersônica”, reduzindo a velocidade o suficiente para tocar o solo de maneira suave através da ativação de propulsores de bordo ao invés de confiar em paraquedas. A SpaceX afirmou que pretende testar essa técnica de pouso durante a próxima missão da companhia, intitulada “Dragão Vermelho”, que busca lançar a cápsula não-tripulada Dragão da empresa em direção à Marte em maio de 2018.

Uma viagem de ida e volta

A SpaceX também planeja construir uma fábrica movida a energia solar em Marte que usará dióxido de carbono e água do gelo presentes no ar e solo do planeta, respectivamente, para gerar metano e oxigênio — o propulsor usado pelo motor Raptor. (Musk não discutiu outros aspectos da colônia de Marte; a SpaceX está se concentrando na arquitetura do transporte, seguindo o raciocínio de que os próprios colonos construirão eles mesmos a maior parte das cidades em que viverem.)

As naves do ITS serão reabastecidas em Marte e lançadas de volta para a Terra, o que significa que possíveis colonos não precisam ficar no Planeta Vermelho para sempre se não quiserem. (Sair de Marte não exige um grande foguete, porque o planeta é muito menor do que a Terra e, por isso, tem um “puxão” gravitacional bem mais fraco.)

"Nós precisamos da nave de volta, então ela voltará,” disse Musk. “Você pode entrar a bordo ou não.”

Cada espaçonave do ITS provavelmente poderá voar aproximadamente doze vezes, e cada foguete deverá presenciar ainda mais ação, afirmou Musk. Essa reutilização é o componente chave do plano da SpaceX, e deve ser o principal fator envolvido em abaixar os preços de uma viagem à Marte — que, segundo Musk, devem chegar a US$ 10 bilhões por pessoa usando a tecnologia de hoje — para níveis razoáveis.

"A arquitetura permitirá um preço por ticket de menos de US$ 200.000” disse Musk. “Nós achamos que poderíamos derrubar o preço de mudar-se definitivamente para Marte para menos de US$ 100.000”

Em breve?

Menos de 5% do pessoal da SpaceX está trabalhando no ITS no momento, segundo Musk. E a companhia está gastando anualmente apenas algumas dezenas de milhões de dólares no projeto, o qual, segundo as estimativas de Musk, exigiria um investimento de cerca de US$10 bilhões.

Mas isso deve mudar, à medida que a SpaceX termine os trabalhos na versão final do Falcon 9 e da cápsula tripulada Dragão, que carregará astronautas da Nasa da e para a Estação Espacial Internacional (e, talvez, para outros destinos perto da Terra), afirmou Musk.

Musk ambiciona que, dentro de dois anos, a maior parte dos engenheiros da empresa esteja se dedicando ao ITS, com a companhia gastando anualmente US$ 300 milhões no projeto. Ele prevê que outras organizações eventualmente também ajudarão a SpaceX na colonização de Marte, dizendo que o esforço será “uma enorme parceria público-privada.”

Ele diz que espera completar o primeiro desenvolvimento da nave dentro de quatro anos, e então começar a testes suborbitais logo depois. Se tudo correr muito bem, diz Musk, o ITS poderia lançar sua primeira missão para Marte “dentro de 10 anos”.

Enquanto isso, a SpaceX planeja continuar lançando Dragões em direção ao Planeta Vermelho a cada 26 meses usando o foguete Falcon Heavy da companhia, com objetivo de testar a tecnologia e estabelecer uma “cadência constante” de missões robóticas das quais cientistas possam aproveitar para mandar experimentos para Marte, afirmou Musk.

O ITS também poderia ser usado para outros objetivos, possivelmente permitindo à raça humana explorar a lua Europa, de Júpiter,  que possui um oceano, ou ainda permitindo que um carregamento seja transportado de Tóquio a Nova York em 25 minutos, disse Musk. Mas, por enquanto, o principal objetivo é colonizar Marte, que, como o empresário já disse várias vezes, é a razão pela qual iniciou a SpaceX, em 2002.  

"O objetivo é nos tornarmos uma civilização viajante do espaço e uma espécie multiplanetária,” concluiu o empreendedor bilionário, acrescentando que isso tornará a espécie humana menos suscetível à extinção. “A maior razão pela qual eu estou pessoalmente acumulando bens é para financiar isso.”

 

Copyright 2016 SPACE.com, uma companhia Purch. Todos os direitos reservados. Esse conteúdo não pode ser publicado, divulgado, redistribuído ou re-escrito. 

Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq