Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Escassez de água desafia os negócios

Disponibilidade de água doce ganha destaque entre riscos globais 

NAS
Nos países de cor verde, o uso de água para a produção de bens de exportação ultrapassa o da água “embutida” nos produtos importados (exportação virtual líquida de água). Nos países que vão do amarelo ao vermelho, o contrário é verdadeiro (importação virtual líquida de água). A espessura das setas representa a quantidade comparativa de água comercializada.

 

 
A crescente escassez de água doce resultante do aumento da demanda e das mudanças climáticas está sendo considerada cada vez mais um grande risco para a economia global. A conscientização dos consumidores, iniciativas do setor privado, regulamentações governamentais e investimentos direcionados são urgentemente necessários para avançar rumo ao uso sustentável da água.

Por Arjen Y. Hoekstra e Nature Climate Change

Recentemente, o Fórum Econômico Mundial listou a escassez de água como um dos três riscos sistêmicos globais mais preocupantes. A avaliação está baseada em uma ampla pesquisa global sobre a percepção de risco entre representantes de empresas, do mundo acadêmico, da sociedade civil, de governos e organizações internacionais1.

A escassez de água doce não se manifesta apenas através de lençóis freáticos minguantes, fluxos fluviais reduzidos, lagos que encolhem e águas altamente poluídas, mas também se reflete no aumento dos custos de abastecimento e tratamento, fornecimentos intermitentes e conflitos por causa de água. No futuro, essa escassez aumentará em virtude de vários fatores: crescimento populacional e econômico; demandas crescentes de produtos de origem animal e biocombustíveis; e mudanças climáticas2.

Melhorias na eficiência do uso da água podem desacelerar o aumento de sua demanda, mas particularmente na agricultura irrigada elas provavelmente serão contrabalançadas por um aumento da produção. Da mesma forma, embora o armazenamento de água e a infraestrutura de transferência melhorem a disponibilidade, eles também permitem o contínuo crescimento da demanda. A mudança climática provavelmente intensificará a magnitude e frequência de secas e enchentes.

O esperado aumento na variabilidade climática agravará o problema da escassez em períodos de estiagem, reduzindo a disponibilidade de água e aumentando a demanda devido a temperaturas mais altas e a necessidade de compensar a ausência de chuvas3. Mas o setor privado está se conscientizando do problema da escassez de água doce.

O risco da água

A escassez e poluição da água constituem um risco físico para empresas ao afetarem suas operações e canais de abastecimento4. Elas também enfrentam a ameaça de regulamentos mais rigorosos. Mas que formas essas normas poderão ter — por exemplo, preços mais altos da água, cotas reduzidas, licenças de emissão mais severas ou a adoção mandatória de tecnologias para economizar água — ainda não está claro.

Além disso, marcas enfrentam um risco de reputação, porque o público e a mídia estão se conscientizando cada vez mais de que muitas empresas contribuem para o uso insustentável da água5. Mesmo empresas que operam em regiões onde há fartura de água podem ser vulneráveis à escassez, porque as cadeias de abastecimento/distribuição da maioria delas se estendem ao redor do mundo. Estima-se que 22% do consumo global de água e sua poluição estejam ligados à produção de bens de exportação6.

Países como os Estados Unidos, Brasil, Argentina, Austrália, Índia e China são grandes exportadores virtuais de água, porque eles usam intensivamente recursos hídricos nacionais para produzir commodities de exportação (ver o mapa). Comparativamente, nos países da Europa, do Norte da África, Oriente Médio, México e Japão, predomina uma importação virtual de água; ou seja, eles dependem de bens de importação produzidos com recursos hídricos de outros lugares. O uso de água “embutido” nesses produtos muitas vezes não é sustentável, porque muitas regiões exportadoras superexploram seus recursos.

Muitas empresas, especialmente multinacionais, já começaram a avaliar seus riscos de água e no futuro próximo podemos esperar que um número crescente delas desenvolva estratégias de respostas. Na melhor das hipóteses, porém, isso só aliviará parcialmente o problema da escassez.

Uma perspectiva crítica é que o engajamento corporativo na questão da água é uma tentativa cínica das empresas para estender seu controle sobre esse recurso ou apenas um esforço para manter uma imagem favorável de marca7. Um panorama mais otimista é que cada vez mais empresas estão genuinamente preocupadas com a crescente escassez de água e estão procurando estratégias mitigantes; ainda assim, é improvável que economias mudem estruturalmente sem regulamentações governamentais.

A razão para isso é que a água é um bem público, vulnerável ao comportamento oportunista, e tanto sua escassez como sua poluição permanecem sem etiquetas de preço. Em muitos países o uso da água é subsidiado, seja através de investimentos governamentais diretos em infraestruturas de abastecimento ou indiretamente através de subsídios agrícolas, promoção de culturas para gerar bioenergia ou subsídios de energia fóssil para bombear água.

Gerenciamento de água

Administrar o risco de água geralmente é confundido com uma boa gestão da água. O primeiro pode contribuir para o segundo, mas o gerenciamento implica em mais que apenas administrar o risco de água. Ele inclui avaliação da sustentabilidade de seu uso em toda a cadeia de valores, formulação do consumo e metas de redução da poluição para as operações da empresa e sua cadeia de abastecimento, implementação de um plano para atingir essas metas e fornecimento adequado de informações sobre tudo isso.

Em reservatórios de coleta prioritários, é preciso adotar o exercício da ação coletiva e o engajamento da comunidade8,9,10. Grandes bacias fluviais prioritárias são, por exemplo, as dos rios Colorado e San Antonio, na América do Norte; o lago Chade e as bacias dos rios Limpopo e Orange, na África; as bacias dos rios Jordão, Tigre, Eufrates, Indo, Ganges, Krishna, Cauvery, Tarim, Amarelo e Yongding na Ásia e no Oriente Médio; e a bacia Murray-Darling na Austrália11.

Para a maioria das empresas rumar para uma cadeia de abastecimento sustentável é um desafio muito maior que adotar estratégias ecologicamente corretas em suas próprias operações, porque a pegada hídrica da cadeia de produção muitas vezes é até 100 vezes maior que a pegada operacional, podendo ser influenciada apenas indiretamente.

Metas comuns de redução na indústria de bebidas, como passar de 2 para 1,5 litro de consumo de água na fábrica de envasamento por litro de bebida, têm pouco efeito em larga escala, porque a pegada hídrica da cadeia de produção da maioria das bebidas é da ordem de 100 litros de água por litro de bebida, ou até mais12.

Empresas deveriam se esforçar para alcançar uma pegada hídrica zero em operações industriais, o que é viável através da eliminação das perdas por evaporação, da reciclagem completa da água e da recuperação dos produtos químicos e do calor de fluxos de água utilizada.

O problema não é o uso da água, mas o fato de que ela não ser totalmente devolvida ao meio ambiente ou não ser devolvida limpa. A pegada hídrica mede exatamente isso: o uso consumista e o volume de água poluída.

Como as últimas etapas rumo a uma pegada hídrica zero podem exigir mais energia, o desafio será encontrar um equilíbrio entre a redução das pegadas hídrica e de carbono. Além disso, empresas deveriam fixar metas de redução das pegadas hídricas de suas cadeias de abastecimento, especialmente em áreas de grande escassez e em casos de baixa produtividade de água.

Na agricultura e na mineração, alcançar uma pegada hídrica zero geralmente será impossível, mas em muitos casos o consumo e a poluição de água por unidade de produção poderiam ser fácil e substancialmente reduzidos13.

Informação e transparência

O crescente interesse em como empresas se associam ao uso insustentável da água exige maior transparência quanto ao seu consumo e poluição. Essa abertura é necessária em níveis diferentes: o da empresa, do produto e da instalação.

Impulsionadas por organizações ambientais e pela comunidade de investimentos, as empresas estão sendo cada vez mais pressionadas a revelar dados relevantes sobre como elas se relacionam com os riscos hídricos14.

Ao mesmo tempo, há uma crescente demanda por transparência sobre os produtos através de rótulos e certificados. Apesar da existência de uma infinidade de selos ligados à sustentabilidade ambiental, nenhum deles inclui critérios sobre a utilização sustentável de água.

Por fim, existe um movimento para desenvolver sistemas de princípios e certificados para um local sustentável ou o gerenciamento de uma instalação, como as iniciativas da Parceria Hídrica Europeia e da Aliança para Administração de Água (AWS, na sigla em inglês). Mas, apesar do progresso na conscientização, até agora praticamente nenhuma empresa do mundo fornece informações sobre o consumo e a poluição de água em sua cadeia de abastecimento, nem revela dados sobre a sustentabilidade da pegada hídrica de seus produtos. 

Existe muita confusão sobre o que precisa ser medido e informado.

Tradicionalmente, as empresas têm se concentrado no monitoramento das retiradas brutas de água e no cumprimento dos padrões legais. No entanto, a retirada líquida (a parte da retirada bruta que não retorna ao local de onde foi tirada, muitas vezes denominada “uso consumista de água” ou “pegada de água azul”) é mais relevante que a retirada bruta.

Além disso, atender aos padrões de qualidade de águas residuais não basta para descartar a contribuição da empresa para a poluição da água. Quanto aos padrões de terminologia e cálculos, a Water Footprint Network, uma rede global de universidades, organizações não-governamentais, empresas, investidores e organizações internacionais, desenvolveu o padrão da pegada hídrica global15.

A Organização Internacional de Padronização (ISO, na sigla em inglês) está desenvolvendo um padrão de relatórios com base na avaliação do ciclo de vida16. Os dois critérios enfatizam a necessidade de incorporar a variabilidade temporal e espacial em pegadas hídricas e a necessidade de considerá-las no contexto da escassez e produtividade local da água.

Na prática, as empresas enfrentam um desafio enorme em rastrear sua cadeia de abastecimento. Empresas do setor de vestuário, por exemplo, geralmente têm pouca noção de onde seu algodão é cultivado ou processado, mas as duas atividades são notórias consumidoras e poluidoras de água. É difícil ver um progresso rápido no campo das informações sobre a cadeia de abastecimento se os governos não forçarem as empresas a fazer isso.

Alocação de água

Apesar dos esforços positivos empreendidos por várias empresas, é improvável que o setor empresarial como um todo se autorregule o suficiente por conta própria. Há uma necessidade urgente de regulamentação governamental e cooperação internacional.

Governos deveriam desenvolver limites mensais de pegadas hídricas para todas as bacias fluviais do mundo a fim de garantir o uso sustentável da água dentro de cada uma dessas áreas12. Um limite de pegada hídrica determina um volume máximo de água que pode ser destinado para diferentes fins competitivos, respondendo pela necessidade de água ambiental e variabilidade climática. Esse limite também estabelece a poluição máxima de água, dada a capacidade de assimilação da bacia. Em algumas delas esses limites provavelmente serão reduzidos com o tempo se a mudança climática acarretar uma diminuição da disponibilidade de água.

O volume total destinado a usuários específicos por meio de licenças hídricas deveriam permanecer abaixo do nível máximo sustentável. Além disso, ao concederem certas licenças, os governos deveriam levar em conta o que significa uso razoável de água.

Precisamos estabelecer padrões de medição de pegadas hídricas para produtos intensivos em água, como alimentos e bebidas, algodão, flores e biocombustíveis.

O padrão de referência para um produto dependerá do consumo máximo razoável de água em cada etapa de sua linha de produção, com base na melhor tecnologia e prática disponíveis. Desse modo, produtores que utilizam água, governos que alocam cotas de água e fabricantes, varejistas e consumidores finais na extremidade inferior da cadeia de abastecimento compartilham informações sobre o que são “pegadas hídricas razoáveis” para várias etapas do processo de produção e os produtos finais. Por último, os usuários deveriam pagar por sua poluição e desperdício de água, com um preço diferenciado no tempo e no espaço baseado na vulnerabilidade e escassez da água.

Futuros desenvolvimentos

A tecnologia necessária para utilizar os recursos hídricos de forma mais eficiente está disponível e os custos envolvidos não são proibitivos na macroescala. Um estudo17 estimou que até 2030 o investimento de capital incremental global necessário para fechar a lacuna da disponibilidade de recursos hídricos seria inferior a 0,1% do atual produto bruto mundial.

O desafio é criar incentivos para os investimentos necessários, particularmente para aumentar o rendimento de culturas alimentadas por chuvas e a produtividade da água na agricultura irrigada.

A combinação de desafios e o aprimoramento da eco-eficiência deverão definir limites para o contínuo aumento da demanda de água para produzir carne e biocombustíveis, e se adaptar aos padrões mutantes de escassez de água.

Outro estudo18 constatou que mudanças induzidas pelo clima na evaporação, precipitação e no escoamento superficial resultarão em um aumento de 40% no número de pessoas que vivem em condições de absoluta escassez de água (com uma disponibilidade inferior a 500 mano-1).

Regiões pobres em água, como o oeste dos Estados Unidos, o noroeste da Índia, norte da China e sudeste da Austrália, ainda aplicam grandes volumes de água para produzir commodities de exportação, enquanto o norte da Europa, rico em água, importa muitos bens de consumo intensivos em água6.

Padrões variáveis de disponibilidade de água influenciarão os futuros modelos espaciais de produção e comércio de alimentos, rações animais e biocombustíveis, e criarão novas dependências geográficas de recursos hídricos.

Biografia do autor

Arjen Y. Hoekstra é professor de gerenciamento de água no Centro Hídrico de Twente, Universidade de Twente, Caixa Postal 217, 7500 AE Enschede, Holanda. *e-mail: a.y.hoekstra at utwente.nl

Este artigo foi reproduzido com permissão da Nature Climate Change. Ele foi publicado originalmente em 25 de abril de 2014.

REFERÊNCIAS

 1. WEF Global Risks 2014 (World Economic Forum, 2014).

2. Ercin, A. E. & Hoekstra, A. Y. Environ. Int. 64, 71–82 (2014).

3. Haddeland, I. et al. Proc. Natl Acad. Sci. USA 111, 3251–3256 (2014).

4. Orr, S. et al. Assessing Water Risk: A Practical Approach for Financial Institutions (WWF & DEG KFW Bankengruppe, 2011).

5. Kelly, P. Nature Clim. Change 4, xxx–yyy (2014).

6. Hoekstra, A. Y. & Mekonnen, M. M. Proc. Natl Acad. Sci. USA 109, 3232−3237 (2012).

7. Hepworth, N. Water Alternatives 5, 543–562 (2012).

8. Sarni, W. Corporate Water Strategies (Earthscan, 2011).

9. Simpson, P. Nature Clim. Change 4, xxx–yyy (2014).

10. Wales, A. Nature Clim. Change 4, xxx–yyy (2014).

11. Hoekstra, A. Y., Mekonnen, M. M., Chapagain, A. K., Mathews, R. E. & Richter, B. D. PLoS ONE 7, e32688 (2012).

12. Hoekstra, A. Y. The Water Footprint of Modern Consumer Society (Routledge, 2013).

13. Brauman, K. A., Siebert, S. & Foley, J. A. Environ. Res. Lett. 8, 024030 (2013).

14. CDP Global Water Report 2013: A Need for a Step Change in Water Risk Management (CDP, 2013).

15. Hoekstra, A. Y., Chapagain, A. K., Aldaya, M. M. & Mekonnen, M. M. The Water Footprint Assessment Manual: Setting the Global Standard (Earthscan, 2011).

16. Draft International Standard ISO/DIS 14046.2: Environmental Management – Water Footprint – Principles, Requirements and Guidelines (International Organization for Standardization, 2013).

17. Addams, L., Boccaletti, G., Kerlin, M. & Stuchtey, M. Charting our Water Future: Economic Frameworks to Inform Decision-Making (2030 Water Resources Group, 2009).

18. Schewe, J. Proc. Natl Acad. Sci. USA 111, 3245–3250 (2014).

Sciam 25 de abril de 2014

sciambr8maio2014