Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Esqueletos egípcios de 3 mil anos revelam sofrimento dos cidadãos

Sinais de doenças associadas a esforço foram encontrados em mais de 75% dos adultos

The Amarna Project
Arqueólogos escavaram antigo cemitério da cidade egípcia de Amarna e encontraram cidadãos comuns da cidade
Mais de três quartos dos adultos mostraram sinais de doença degenerativa das articulações, provavelmente por levantar cargas pesadas, e cerca de dois terços desses adultos tinham pelo menos um osso quebrado

Por Tia Ghose e LiveScience

Novas evidências sugerem que enquanto um faraó egípcio construía templos majestosos recheados de tesouros cintilantes, as classes mais baixas realizavam trabalhos penosos e tinham dietas lamentáveis.

Uma análise de mais de 150 esqueletos de um cemitério de 3300 anos de idade na antiga cidade egípcia de Amarna revela fraturas, desgaste e lesões provocadas por levantamentos pesados e desnutrição violenta entre os plebeus da cidade.

A descoberta, detalhada no volume de março do periódico Antiquity, poderia esclarecer como viviam as não-elites da antiga sociedade egípcia. 

Cidade da noite para o dia

Durante um breve período de 17 anos, o centro do Egito foi Amarna, uma pequena cidade nos bancos do Nilo, cerca de 350km ao sul do Cairo.

O faraó Akhenaton mudou sua capital para Amarna para construir um culto de adoração puro, imaculado, ao deus do sol Aten.  

Em poucos anos nasceram templos, prédios de corte e complexos habitacionais. A certa altura, entre 20 e 30 mil oficiais da corte, soldados, construtores e servos viviam na cidade.

Mas após a morte de Akhenaton, o faraó seguinte, Tutancâmon, imediatamente abandonou o experimento. A cidade, que não tinha boas terras agrícolas, foi rapidamente abandonada. 

Como os egípcios ocuparam Amarna por um período tão curto, a cidade fornece pistas sem precedentes sobre como eram as vidas das pessoas em um momento específico da história, declara a coautora do estudo, Anna Stevens, arqueóloga da University of Cambridge.

Vida dura

Há cerca de 10 anos, um pesquisador que investigava a região no deserto perto de Amarna descobriu um antigo cemitério. O local continha centenas de esqueletos e fragmentos de ossos de egípcios de classes baixas.

Para descobrir como eram as vidas desses egípcios comuns, Stevens e seus colegas analisaram 159 esqueletos que foram encontrados quase intactos.

As conclusões dos pesquisadores: a vida era difícil em Amarna. As crianças tinham o crescimento limitado, e muitos dos ossos eram porosos devido à deficiência nutricional, provavelmente porque os cidadãos comuns se alimentavam principalmente de pão e cerveja, contou Stevens à LiveScience.

Mais de três quartos dos adultos tinha doença degenerativa das articulações, provavelmente por levantarem cargas pesadas, e cerca de dois terços desses adultos tinham pelo menos um osso quebrado.

As descobertas sugerem que a rápida construção de Amarna pode ter sido especialmente difícil para os cidadãos comuns. Com base no tamanho dos tijolos encontrados em estruturas próximas, cada trabalhador provavelmente carregava um tijolo de calcário que pesava 70kg, ao estilo das linhas de montagem. Erigir as estruturas da cidade tão rapidamente teria exigido que trabalhadores executassem essa tarefa repetidamente. Isso poderia ter provocado a doença de articulações que os esqueletos revelaram.

A norma no Egito?

“Esse é um estudo fabuloso porque essa é uma grande população de um local conhecido, e nós temos todos esses corpos de pessoas que eram de classes relativamente baixas”, declara Salima Ikram, egiptóloga da American University, no Cairo, que não se envolveu no estudo.

Mas como, no total, arqueólogos escavaram tão poucos cemitérios egípcios antigos em que a não-elite era enterrada, é possível que essas condições extenuantes fossem prevalentes em todo o Egito naquela época, aponta Stevens.

Outra pesquisa descobriu que até mesmo egípcios abastados sofriam com desnutrição e doença, frequentemente vivendo até os 30 anos.