Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Medalha de ouro olímpica pode depender da química cerebral associada ao sentimento de recompensa

Um novo estudo revela que dopamina pode impulsionar atletas a alcançarem performance de elite

Shutterstock

Há décadas, cientistas procuram uma explicação genética para a habilidade atlética. Até agora, seus esforços focaram em genes relacionados a atributos físicos, como a ação dos músculos e a eficiência aeróbica. Mas geneticistas começaram a investigar a base neurológica por trás dos fatores que fazem alguém ser excelente em esportes — e as novas descobertas envolvem dopamina, um neurotransmissor responsável pela sensações de recompensa e prazer. A dopamina também está incluída em uma série de outras funções mentais, como a habilidade de lidar com o estresse e suportar a dor. Consequentemente, a nova pesquisa apoia a ideia de que a mente — e não apenas o físico — separam atletas de elite dos outros.

Em um esforço para entender as causas da grandeza desses atletas, pesquisadores da Universidade de Parma, na Itália, coletaram DNA de 50 atletas de elite (aquele que atingiram as maiores pontuações em Jogos Olímpicos ou outra competição internacional) e de 100 atletas não profissionais (aqueles que praticam esportes regularmente, mas abaixo do nível competitivo). Eles então compararam quatro genes entre os dois grupos que, acredita-se, estão ligados à habilidade atlética: um relacionado ao desenvolvimento muscular, um envolvendo transporte de dopamina no cérebro, outro que regula níveis de serotonina no cérebro e um envolvido na quebra de neurotransmissores.

Os pesquisadores encontraram uma diferença genética significativa entre os dois grupos em apenas um dos genes: o envolvido no transporte de dopamina. Dois variantes específicos desse gene (chamado de transportador ativo de dopamina, ou DAT, na sigla em inglês) foram significativamente mais comuns entre os atletas de elite do que no grupo de controle. Uma variante foi quase cinco vezes mais prevalente no grupo de elite (ocorrendo em 24% dos atletas profissionais e apenas 5% no restante); a outra variante foi aproximadamente 1.7 vezes mais prevalente (51% versus 30%). Os resultados foram publicados na revista científicaJournal of Biosciences.

A ideia de que a dopamina poderia ter um papel na mediação da habilidade atlética faz sentido, devido à pesquisas anteriores sobre esse neurotransmissor e sobre o DAT em particular, segundo John Salamone, professor de psicologia na Universidade de Connecticut, que não estava envolvido nessa pesquisa. “Estudos em animais mostram que o gene DAT está associado a maior atividade motora, maior gasto de energia e maior presença do comportamento que busca por recompensas,” ele explica. “Então é plausível que os variantes do gene DAT possam estar relacionados com os aspectos da performance atlética.”

De maneira semelhante, dois estudos conduzidos em 2012 encontraram evidências de que genes relacionados à dopamina estavam associados com níveis elevados de comportamento “arriscado” em grupos de centenas de esquiadores e praticantes de snowboard. Esse comportamento poderia ser a diferença dos atletas que alcançam o ouro, diz Cynthia Thomson, uma geneticista e psicóloga esportiva da Universidade de Fraser Valley, Colúmbia Britânica, que liderou os estudos. “Para alcançar o pódio, um atleta precisa correr riscos, seja tentando executar uma manobra mais difícil para obter mais pontos ou ficando no limite do controle e atingir maior velocidade,” ela diz.  “Nossos resultados sugerem que as variações no caminho da dopamina no cérebro podem afetar a propensão de uma pessoa a correr esses riscos, o que poderia, portanto, aumentar a probabilidade de atingir um nível de elite no esporte.  

De qualquer maneira, mais pesquisa será necessária para verificar a conexão entre dopamina e habilidade esportiva — e ainda mais para testar se é uma relação de causa e efeito. O transportador de dopamina também está por trás de muitas desordens como depressão, transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), transtorno bipolar e doença de Parkinson.

 

Robin Wylie


 

Veja também:

- Já atingimos os limites atléticos do corpo humano?

Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq