Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Mudança climática já está causando extinções locais de fauna e flora em larga escala

Shutterstock

Extinções de centenas de espécies de animais e plantas ao redor do mundo ligadas à mudança climática já estão sendo registradas. Uma nova pesquisa, publicada em 8 de dezembro na revista científica PLOS Biology, mostra que extinções locais já afetaram 47% de 976 espécies de plantas e animais estudadas.

Prevê-se que a mudança climática ameaçará de extinção muitas espécies, mas determinar como elas responderão no futuro é difícil. Dúzias de estudos já demonstraram que o alcance geográfico de espécies está mudando com o tempo, à medida que o clima esquenta, para habitats mais frescos em altitudes e latitudes mais altas.

O novo estudo, do professor John J. Wiens, da Universidade do Arizona, usou os estudos sobre mudanças de alcance de mais de 450 espécies de plantas e animais. O resultado é especialmente impressionante porque o aquecimento global aumentou as temperaturas em menos de um grau Celsius até agora. Essas extinções quase certamente se ampliarão com o tempo, já que, acredita-se, as temperaturas subirão entre 1 e 5 graus Celsius nas próximas décadas. Essas extinções locais também poderiam se estender para espécies das quais os humanos dependem para se alimentar.

O estudo também testou a frequência das extinções em diferentes regiões, habitats e grupos de organismos. Descobriu-se que extinções locais ocorrem em cerca de metade das espécies observadas em diferentes habitats e grupos taxonômicos. No entanto, os resultados mostraram que as extinções locais variam de acordo com a região e são duas vezes mais comuns entre espécies tropicais. Isso é importante porque a maioria das espécies de plantas e animais vivem nos trópicos. Os resultados deste estudo contribuem para o nosso entendimento de como plantas e animais responderão à mudança climática no mundo e realça a necessidade de prevenir e retardar um aquecimento maior.



PLOS

Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq