Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Mudanças climáticas ameaçam aposentadorias

Fundos de investimento expõem clientes a perdas futuras com má administração do risco climático

 

AshDesign/shutterstock
 

Por Alex Kirby e The Daily Climate

 

LONDRES – O Projeto de Divulgação de Detentores de Ativos (AODP) perguntou a mil dos maiores donos de ativos do mundo o que eles estavam fazendo para se proteger contra a possibilidade de seus investimentos em combustíveis fósseisse tornarem inúteis no futuro.

Juntos, esses detentores administram mais de US$70 trilhões. O Projeto descobriu que apenas 27 dos 458 fundos de investimento que responderam a essa pergunta estão abordando o risco climático no que se considera um nível responsável.

Apenas cinco dos 458 alcançaram a pontuação máxima do AODP, AAA. Outros 22 obtiveram nota A ou maior. Apenas esses grupos, de acordo com o Projeto, “terão alguma chance de sobreviver à crise do carbono”.

De todos os participantes, 80% receberam nota D (abismal) ou X (não estão fazendo nada). Fundos que não responderam, não receberam notas.

“A maior parte da indústria de investimentos do mundo está agindo claramente contra os interesses das pessoas que representam – essa é uma situação ultrajante”, declara Sharan Burrow, membro da diretoria do AODP e secretária geral da Confederação Internacional de Sindicatos do Comércio.

“Devemos lembrar que grande parte do capital que essas organizações detêm é produto das economias da vida inteira de trabalhadores”.

A pesquisa observou várias categorias de comportamento dos investidores, incluindo transparência, administração de riscos, e investimento em baixo carbono. Os detentores de ativos avaliados são de 63 países, de todas as regiões do mundo.

As empresas procuradas pelo AODP incluíram mais de 800 fundos de pensão, 80 companhias de seguro, 50 fundos soberanos e 30 fundações ou beneficiárias. As descobertas da pesquisa estão publicadas no segundo Índice de Investimento do Clima Global.

O risco que investidores sofrem com a mudança climática é que um acordo global eficaz e rigoroso para reduzir as emissões de gases estufa – que ainda não existe – significaria que quantidades massivas de carvão, óleo e reservas de gás, listados como ativos por empresas de energia e mineração, permaneceriam no solo.

Como consequência, o valor dos investimentos nessas empresas cairia muito e isso, entre outras coisas, levaria a números consideravelmente menores nas economias de acionistas individuais.

Enquanto o AODP declara que muitos fundos de investimento estão ameaçando investidores com perdas potencialmente massivas por meio da exposição a riscos climáticos, o Projeto acredita que o Índice mostra que o sistema de investimento do mundo pode conduzir a transição para uma economia de baixo carbono.

De acordo com Julian Poulter, diretor executivo do AODP: “Ainda que possamos ver vários líderes emergindo, muitos deles não admitem seu perigoso e estúpido vício em investimentos cheios de riscos climáticos, e também não querem entrar na reabilitação”.

Mas também adicionou: “O que está claro é que o mundo tem um sistema de investimentos capaz de conduzir a transição para o baixo carbono – se todos os fundos que analisamos tivessem nota AAA, nós estaríamos muito adiantados para enfrentar o desafio climático global que nos aguarda”.

 

Alex Kirby é editor da Climate News Network, um serviço de notícias jornalísticas que leva notícias e comentários gratuitos sobre a mudança climática para fontes de notícias do mundo todo.

 

Este artigo foi originalmente publicado em The Daily Climate, a fonte de notícias sobre a mudança climática publicada por Environmental Health Sciences, uma empresa de mídia sem fins lucrativos.