Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Mudanças climáticas poderiam aumentar erupções vulcânicas

Alterações na pressão da superfície causadas por derretimento de geleiras contribuiriam para intensificar atividade de vulcões na Islândia

Boaworm/Wikimedia Commons
Fumaça de erupção ocorrida em abril de 2010 no vulcão Eyjafjallajokull, na Islândia.
O encolhimento da cobertura das geleiras poderia levar a maior atividade vulcânica na Islândia, advertem cientistas.

Um novo estudo, liderado pela Universidade de Leeds, descobriu que havia menos atividade vulcânica na Islândia quando a cobertura das geleiras era mais extensa; à medida em que as geleiras derreteram, as erupções vulcânicas aumentaram, devido às mudanças subsequentes na pressão da superfície.

Graeme Swindles, da Escola de Geografia de Leeds, disse: “Mudanças climáticas causadas por humanos estão levando ao rápido derretimento de gelo em regiões de atividade vulcânica. Na Islândia, isso nos colocou na rota para erupções vulcânicas mais frequentes.”

O estudo examinou cinzas vulcânicas preservadas em depósitos de turfa e sedimentos de lago por toda a Islândia, e identificou um período de atividade vulcânica significativamente reduzida entre 5.500 e 4.500 anos atrás. Esse período veio depois de uma grande queda da temperatura global, que levou ao crescimento de geleiras na Islândia.

Os resultados, publicados dia 23 de novembro na revista científica Geology, mostram que houve um intervalo de tempo de aproximadamente 600 anos entre aquele evento climático e uma diminuição notável no número de erupções vulcânicas. O estudo sugere que, talvez, possa decorrer um período de tempo semelhante após as recentes mudanças em direção a temperaturas mais quentes.

O sistema vulcânico da Islândia está em processo de recuperação da "Pequena Idade do Gelo" - um período registrado de clima mais frio entre os anos 1500 e 1850. Desde o final dessa época, uma combinação de aquecimento climático de origem natural e humana está fazendo as geleiras do país derreterem novamente.

Swindles disse: "O efeito humano sobre o aquecimento global dificulta a previsão de quanto vai durar este intervalo, mas as tendências do passado nos mostram que podem ser esperadas mais erupções na Islândia no futuro.

"Essas consequências a longo prazo do efeito humano sobre o clima são os motivos pelos quais as conferências como a COP são tão importantes. É vital entender como as ações de hoje podem afetar as gerações futuras de maneiras que não foram ainda completamente compreendidas, como mais nuvens de cinzas sobre a Europa, mais partículas na atmosfera e problemas para a aviação."

O vulcanismo da Islândia é controlado por complexas interações entre fendas situadas em limites de placas continentais e acumulações de gases subterrâneos, além do acúmulo de magma e a pressão de geleiras e de gelo sobre a superfície do vulcão. Mudanças na pressão da superfície podem alterar o estresse nas câmaras rasas onde o magma se acumula.

O co-autor do estudo, Ivan Savov, da Escola de Terra e Meio Ambiente de Leeds, explica: "Quando as geleiras recuam, há uma menor pressão sobre a superfície da Terra. Isso pode aumentar a quantidade de manto derretido, além de afetar o fluxo de magma e o quanto deste a crosta pode aguentar.”

“Até mesmo pequenas mudanças na pressão da superfície podem alterar a probabilidade de erupções em vulcões cobertos por gelo.”

Universidade de Leeds
Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq