Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Sofisticação de neandertais tem novo indício

Gravura de cerca de 40 mil anos é descrita no Proceedings of the National Academy of Sciences USA

Cortesia de Stewart Finlayson
Gravura encontrada na Caverna de Gorham, em Gibraltar, com mais de 39 mil anos, pode ter sido feita por um Neandertal.
Por Kate Wong

Um dos mais antigos e fervorosos debates na história da pesquisa evolutiva humana diz respeito às capacidades cognitivas de Neandertais.

Será que eles eram as lentas criaturas do imaginário popular, ou será que um intelecto semelhante ao de humanos modernos se escondia por trás daquela compleição carregada? Eu acho que é seguro dizer que, atualmente, a maioria dos antropólogos abandonou a ideia de que Neandertais eram completos palermas, e o debate mudou: será que eles eram só um pouco inteligentes, ou será que compartilhavam nosso tipo específico de gênio? Uma nova descoberta apoia a segunda ideia.

Pesquisadores trabalhando em Gibraltar descobriram o que declaram ser o primeiro exemplo conhecido de um padrão abstrato gravado por um Neandertal. O desenho foi gravado na rocha de um abrigo litorâneo conhecido como Caverna de Gorham. Análises da gravura, que cobre uma área de aproximadamente 300 centímetros quadrados, indica que o artista produziu cada uma das 13 linhas da imagem raspando repetidamente a ponta de uma ferramenta de pedra na mesma direção sobre a superfície da rocha.

Estima-se que entre 188 e 317 movimentos tenham sido necessários para completar o desenho – números altos demais para que o desenho tenha sido feito acidentalmente. As marcas também não se pareciam com as que foram produzidas experimentalmente quando os pesquisadores cortaram pele de porco com uma lâmina de pedra sobre a mesma superfície de rocha. 

Arqueólogos consideram a arte e outros tipos de expressão simbólica como elementos fundamentais do comportamento humano, e bons indicadores de que quem produziu os símbolos tinha linguagem. Com o passar dos anos, indícios do simbolismo Neandertal na forma de joias e outros itens decorativos surgiram em vários locais da Europa. Mas alguns céticos os creditaram a humanos modernos argumentando que, ou aqueles elementos haviam se misturado com restos de Neandertais, ou que Neandertais copiaram ou adquiriram itens de humanos modernos.

A idade da gravura de Gibraltar, portanto, é fundamental. Como a rocha da Caverna de Gorham fica sob uma camada de ferramentas de pedra produzidas por Neandertais há 39 mil anos, acredita-se que a gravura seja mais velha que os artefatos. Humanos modernos ainda não haviam chegado a Gibraltar há 39 mil anos, então Neandertais parecem ter produzido o desenho sem influência moderna.  

A gravura, que se parece com uma hashtag ou com uma tábua de jogo-da-velha, pode não ter o apelo das espetaculares pinturas e gravuras rupestres criadas por humanos modernos em locais como Chauvet e Lascaux, na França, mas mesmo assim atesta uma capacidade cognitiva que muitos acadêmicos só relacionavam a humanos modernos. E, de fato, algumas das evidências mais antigas do pensamento abstrato em humanos modernos – incluindo placas de ocre engravadas há 77 mil anos, e fragmentos trabalhados de conchas de ostras com 60 mil anos de idade da África do Sul – também têm desenhos geométricos simples.

O que torna esses desenhos tão importantes, por mais modestos que possam parecer, é que acredita-se que eles contenham informações. No caso da hashtag Neandertal, os pesquisadores que a descreveram observam que ela marca um local dentro de uma área de habitação em uma caverna. “Essa marca representa um desenho concebido deliberadamente para ser visto por seu artista Neandertal e, considerando seu tamanho e localização, por outros também”, concluem eles. 

Eu tenho bastante certeza que essa descoberta não encerrará o debate sobre a inteligência Neandertal. Alguns argumentarão que, mesmo sendo um trabalho artístico Neandertal, ele é um evento isolado – o trabalho de um único indivíduo incrivelmente brilhante –, não representando a maior parte da população Neandertal. Arqueólogos precisarão encontrar muitos outros exemplos para persuadir os céticos.

Se ficar provado que os Neandertais de fato eram intelectualmente semelhantes a nós, porém, essa revelação só vai aprofundar o mistério de porquê eles foram extintos: muitos cientistas supõem que humanos modernos conseguiram extinguir os Neandertais e outras espécies humanas como resultado de suas capacidades cognitivas superiores.

Clive Finlayson do Museu de Gibraltar e seus colegas descrevem a gravura da Caverna de Gorham em um artigo publicado online em 1º de setembro, em Proceedings of the National Academy of Sciences USA.