Notícias
16 de dezembro de 2011
Neutrinos vão além da velocidade da luz?
Depois de muita controvérsia, físicos ressaltam que essas partículas não são tão rápidas
por Davide Castelvecchi
SUDBURY NEUTRINO OBSERVATORY
Uma equipe de físicos relatou em setembro que as minúsculas partículas subatômicas, conhecidas como neutrinos, poderiam violar o limite da velocidade cósmica estabelecida pela teoria especial da relatividade, de Einstein. Os pesquisadores que trabalharam em um experimento chamado OPERA, do CERN, laboratório de física de partículas próximo à Genebra, irradiaram neutrinos, através da crosta terrestre, para o Gran Sasso National Laboratory, em L'Aquila, laboratório de física do subsolo, na Itália. Conforme estimativas dos cientistas, os neutrinos chegaram ao seu destino cerca de 60 nanossegundos mais rápidos que a velocidade da luz.


Especialistas advertiram cautela, especialmente porque uma medição anterior da velocidade de neutrinos tinha indicado, com alta precisão e exatidão, que os neutrinos respeitam o limite de velocidade cósmica. Em um artigo resumo publicado on-line em 29 de setembro, Cohen e Andrew Sheldon Glashow da Boston University, calcularam que qualquer neutrino viajando mais rápido que a luz perderia energia depois de emitir e deixando para trás um rastro de partículas mais lentas, que seriam absorvidas pela crosta terrestre. Esse rastro seria análogo a um estrondo sônico deixado para trás por um caça supersônico.


Porém, os neutrinos detectados em Gran Sasso eram tão energéticos como quando deixaram a Suíça, apontaram Cohen e Glashow, lançando dúvidas sobre a veracidade das medições de velocidade.“Quando todas as partículas têm a mesma velocidade máxima alcançável, não é possível para uma partícula perder energia emitindo outra”, explica Cohen. “Mas se a velocidade máxima das partículas envolvidas não são todas iguais”, então isso pode acontecer.
1 2 »
Veja aqui todas as notícias publicadas neste site!