Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Óculos para pessoas com daltonismo de verde-vermelho

Baseados em nova teoria da visão, já estão sendo usados para examinar hematomas sob a pele

Wikimedia Commons
Placa de percepção de cores de Ishihara.  
Por Sam McNerney e Txchnologist

Por que humanos veem cores?

Durante anos a principal hipótese era que a visão em cores evoluiu para nos ajudar a encontrar frutas e vegetais nutritivos na floresta.

Em 2006, o neurobiólogo evolutivo Mark Changizi e seus colegas propuseram que a visão em cores evoluiu para perceber variações na oxigenação e na hemoglobina da pele para detectar sinais sociais, emoções e o estado de nossos amigos ou inimigos. Pense no avermelhamento e branqueamento da pele que chamamos de rubor e palidez. Eles exibem reações fisiológicas distintas que seriam impossíveis sem a visão em cores.

Há alguns anos, Changizi deixou o Instituto Politécnico Rensselaer, onde era professor, para cofundar o 2AI Labs com o Dr. Tim Barber. O instituto de pesquisa americano com sede em Boise, Idaho e financiado por desgarrados tecnológicos que abandonaram seus trabalhos, visava resolver problemas fundamentais da ciência cognitiva e da inteligência artificial. A iniciativa permitiu que Changizi continuasse a conduzir trabalhos acadêmicos com maior liberdade intelectual e menor dependência de bolsas.

Frutos de seu trabalho

No último verão boreal, a equipe do 2AI desenvolveu três pares de óculos chamados de O2Amps, com base na teoria da visão em cores de Changizi. Ao aumentar visualmente a oxigenação e acúmulo de sangue, as lentes amplificam as pistas sociais que permitem a usuários perceber emoções mais claramente.

Os óculos têm tido várias aplicações inovadoras. A primeira é médica. As lentes destacam a vascularização abaixo da pele, ajudando enfermeiras a identificar veias; eles também amplificam traumas e hematomas que podem ser invisíveis o olho nu.

Muitos hospitais estão fazendo testes com o O2Amps, e encontrando resultados positivos. O apetrecho também é potencialmente útil para policiais e oficiais de segurança – imagine se um agente da Transportation Security Administration conseguisse perceber o nervosismo mais facilmente – e também para jogadores de pôquer.

 Uma resposta para o daltonismo de verde-vermelho?

Surge agora uma nova aplicação para o O2Amps. Em novembro último, a 2AI Labs distribuiu lentes a pessoas daltônicas para verificar se eram úteis. Os pesquisadores estavam particularmente interessados em sua nova variedade de lentes Oxy-Iso, prevendo que diminuiria a deficiência verde-vermelho – uma anomalia genética presente em aproximadamente 10% dos homens. 

Várias críticas positivas de usuários estão confirmando a eficácia dos óculos. Sem ele, o voluntário Daniel Bor, professor de neurociência da University of Sussex, não passou no teste de cores de Ishihara, uma maneira de testar o daltonismo. Esses testes reconhecíveis envolvem placas coloridas com um círculo de pontos que contém um número visível a pessoas com visão colorida normal, mas invisíveis a pessoas daltônicas (ou com dificuldades para perceber algumas cores). Com as lentes, Bor teve um resultado perfeito. “Sem a Oxy-Iso, eu não marquei quase nenhum ponto, mas com os óculos eu acertei todas as respostas”, comemora Bor.

Um lado negativo é que as lentes Oxy-Iso prejudicam a percepção de amarelos e azuis enquanto aumentam vermelhos e verdes. Isso é especialmente problemático para motoristas, porque os óculos deixam luzes amarelas quase invisíveis. Além disso, elas não corrigem o daltonismo total.

A 2AI Labs também está a meio caminho de desenvolver iluminação interior com a tecnologia O2Amp. Usando o dinheiro de uma doação recente, Changizi e seus colegas estão estudando aplicações para janelas e iluminação arquitetônica. Até agora eles criaram um protótipo de lâmpada menos ofuscante para áreas de estar  e cria uma iluminação “acolhedora” e amigável, que estão chamando de “O2Lamp”. De acordo com o site, o protótipo também “filtrará a luz a própria luz, de modo que todos na sala desfrutem dos efeitos, sem óculos”.

“Enquanto o Oxy-Iso dá aos daltônicos uma nova percepção aumentada de vermelho-verde, útil entre outras coisas para ver emoções e saúde na pele alheia, nossa tecnologia Oxy-Amp aumenta a percepção de emoções e saúde de todas as pessoas com visão em cores normal”, explicou Changizi.