Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

O risco de cigarros mentolados entre jovens afro-americanos

Chicago restringiu a venda e o consumo de cigarros eletrônicos e mentolados

 

Micimakin/Shutterstock
Por Rod McCullom

Em fevereiro de2014, aU.S. Food and Drug Administration (FDA, o órgão do governo americano que controla alimentos e remédios), lançou sua primeira campanha nacional antitabaco visando especificamente jovens. De acordo com a FDA, a campanha “Real Cost” (“Custo Real”) tem como alvo cerca de 10 milhões de jovens entre 12 e 17 anos “dispostos a experimentar cigarros ou que já os experimentam”. Muitos defensores da saúde pública, porém, afirmam que isso é “muito pouco, muito tarde” para lidar com a popularidade dos cigarros mentolados, que criam uma alta dependência, entre a juventude afro-americana. Alguns municípios estão tomando a questão em suas próprias mãos e Chicago emergiu como um líder nacional.

Em dezembro de2013, acidade tornou-se a primeira do país a aprovar uma proibição da venda de cigarros mentolados. A partir de junho de 2014, sua comercialização será proibida em um raio de150 metrosde escolas.

A medida foi tomada depois que uma pesquisa nacional e uma força-tarefa local encontraram evidências de que cigarros mentolados, especialmente da marca Newport, da Lorillard, são promovidos e vendidos a “preços predatórios” desproporcionalmente mais baixos perto de escolas em comunidades negras de baixa renda.

O mentol é o aromatizante mais comum utilizado em cigarros. Asubstância, que ocorre naturalmente na planta Mentha spicata, ou hortelã, proporciona uma sensação “refrescante” que é atraente para fumantes jovens, de acordo com o cirurgião-geral dos Estados Unidos. A FDA ganhou o controle regulatório sobre cigarros em 2009 e proibiu a maioria dos tabacos aromatizados, exceto os mentolados.

“Algumas hipóteses sugerem que há dois vícios: a dependência da nicotina e a do aroma mentolado”, explica Alicia Phoenix Matthews, uma psicóloga clínica e professora associada de ciências dos sistemas de saúde da University of Illinois na Chicago College of Nursing. “Uma pastilha mentolada para tosse poderia ser um gatilho para aumentar o hábito do fumo”, diz ela. “Estudos têm mostrado reiteradamente que as taxas de abandono do cigarro são muito mais baixas entre fumantes de mentol”, e os consumidores negros de mentol têm “muito mais dificuldade para parar de fumar”.

Mais de 80% dos negros adolescentes fumantes preferem mentol, de acordo com o relatório divulgado no National Survey on Drug Use and Health Report: Use of Menthol Cigarettes, publicado pela U.S. Substance Abuse and Mental Health Services Administration (a agência nacional americana de serviços para abusos de substâncias e saúde mental) em novembro de 2009. Em comparação, apenas um terço de adolescentes fumantes brancos preferia cigarros mentolados a outros tipos. O relatório concluiu que “cigarros continuam sendo um problema de saúde pública. O que parece ser particularmente verdadeiro para cigarros mentolados e adolescentes”.

O tabagismo é a principal causa evitável de morte nos Estados Unidos. Uma proibição de mentol poderia “evitar até 600 mil óbitos relacionados ao fumo até 2050, um terço deles de afro-americanos”, de acordo com o relatório anual de 2012 da American Legacy Foundation. “O fumo também impacta negativamente os resultados de outros tipos de condições crônicas de saúde, como HIV/Aids, diabetes e asma”. Segundo Matthews, todas essas doenças afetam desproporcionalmente afro-americanos. “Portanto há um tremendo impacto de saúde pública decorrente do uso de tabaco na cidade”.

Em julho de 2013, o prefeito de Chicago, Rahm Emanuel ordenou que o Conselho de Saúde Chicago buscasse opções políticas locais que visassem à redução do uso de mentol entre os jovens. Sua ordem veio menos de 48 horas depois que a FDA emitiu seu próprio relatório constatando que “cigarros mentolados representam um risco maior ainda para a saúde pública que cigarros normais”.

Quatro reuniões municipais foram realizadasem Chicago. Emseguida, o Conselho de Saúde da cidade, juntamente com seu Departamento de Saúde Pública, divulgaram um abrangente relatório sobre mentol com inúmeras recomendações.

A considerável pesquisa de Matthews sobre mentol contribuiu para as descobertas. A Prefeitura de Chicago e o Departamento de Saúde promulgaram imediatamente quatro recomendações: delimitar as áreas onde vigora a proibição da venda de mentolados; aumentar em 50 cents o imposto sobre cigarros; criar publicidade através de um serviço público direcionado ao público-alvo específico da juventude negra e regulamentar cigarros eletrônicos. “Provavelmente, o FDA emitirá regulamentos para os ingredientes e a comercialização de cigarros, mas governos locais sempre têm um papel na regulamentação de produtos do tabaco”, salienta Bechara Choucair, comissário do Departamento de Saúde Pública. “Essa era uma questão que Chicago poderia liderar”.

Chicago também foi primeira grande cidade do país a proibir o fumo de cigarros eletrônicos (e-cigarettes) em recinto fechados. A portaria foi aprovada em meados de janeiro. “A cidade de Nova York também adotou a medida com uma portaria semelhante, vários dias depois”, observa Choucair, e Los Angeles seguiu logo depois disso. Além disso, “governos locais, como o de Alameda County, na Califórnia, também estão seguindo nossa liderança relativa ao mentol”, acrescenta Choucair. “É muito empolgante ver que essas medidas estão sendo replicadas em todo o país”.

22mar2014