Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Ruivos Precisam de Mais Cuidados

A maior sucetibilidade ao câncer de pele não depende apenas da exposição à radiação ultra violeta.

Kerri Smith e revista Nature
©Shutterstock
As pessoas de pele branca e cabelos vermelhos sabem – às vezes devido a dolorosas experiências – que são mais suscetíveis aos efeitos danosos dos raios ultravioletas do Sol, incluindo queimaduras, envelhecimento da pele e um risco maior de cânceres de pele. Mas um estudo publicado em 2 de novembro na Nature sugere que, em ratos, o pigmento responsável por essa coloração tem um papel no desenvolvimento do melanoma.

“Existe algo no contexto genético dos ruivos que se comporta de maneira carcinogênica, independentemente dos raios UV”, aponta David Fisher, biólogo especializado em câncer do Hospital Geral de Massachusetts em Boston, que conduziu o estudo. “Isso significa que proteger-se contra os raios UV não seria o bastante”.

Se comparados a pessoas com peles mais escuras, quem tem a pele clara e sardenta, e cabelos vermelhos, produz uma forma diferente do pigmento melanina. Essa forma vermelho amarelada, chamada de feomelanina, é menos eficaz em proteger a pele de danos provocados por raios UV que a forma mais escura, a eumelanina. A diferença é produzida por uma mutação no gene MC1R.

Há várias indicações que o maior risco de melanoma em ruivos não se deve apenas à exposição aos raios UV. Fisher e sua equipe quiseram investigar o contexto molecular desse risco maior.

Os pesquisadores observaram o desenvolvimento de melanomas usando modelos de ratos de pele cor de oliva, ruivos e albinos. O último grupo tinha o mesmo background genético dos ratos de pele mais escura, mas não tinha a enzima necessária para sintetizar a melanina. Os pesquisadores também modificaram os genes de cada grupo para que eles fossem mais suscetíveis a desenvolver verrugas benignas que, de acordo com Fisher, é um provável sinal do desenvolvimento de melanomas.

Sem necessidade de luz solar

Os pesquisadores planejaram expor os ratos à luz UV e monitorar diferenças no desenvolvimento de melanomas. Antes de da exposição, no entanto, aproximadamente metade dos ratos ruivos já havia desenvolvido melanomas. Fisher declara que ele e sua equipe ficaram chocados. “A primeira coisa que fizemos foi levar um medidor de raios UV para o laboratório para nos certificarmos de que não havia nenhum raio UV sendo irradiado pelas lâmpadas, ou coisa assim”, explica ele. “E não havia”.

Os pesquisadores sugerem que o maior risco de melanoma poderia ter algo a ver com o processo de produção do pigmento, ou um subproduto dele, em células que contêm melanina, chamadas de melanócitos.

Eugene Healy, dermatologista clínico da University of Southampton, no Reino Unido, observa que apesar de o mecanismo ser interessante, é provavelmente uma causa menos comum de melanoma que a radiação UV. De fato, no Reino Unido, 8 de cada 10 casos de melanoma se devem à exposição a raios UV. Em humanos, a maioria dos melanomas se desenvolve na pele que recebe luz solar. “Quase nunca vemos melanomas, por exemplo, nas nádegas”, aponta Healy.

Para complicar tudo, um dos estudos do próprio Healy, publicado em 2010, sugere que a feomelanina poderia proteger contra os efeitos da radiação UV em outro tipo de células da pele, o queratinócito.

A mensagem de tomar cuidado com o sol não muda por causa dos últimos resultados. “O UV está ligado de maneira muito convincente à formação da maioria dos tipos de câncer de pele”, lembra Fisher. “Uma das mensagens mais importantes dessa pesquisa é evitar a suposição de que os raios UV não são perigosos”. Ele ainda adiciona que é possível que a exposição a raios UV piore o mecanismo carcinogênico do pigmento vermelho.

Healy está se esforçando para evitar provocar alarme entre as pessoas de compleição clara. “Seja qual for o risco, ele sempre esteve lá. Mas nós não vemos muitos melanomas espontâneos em ruivos, então não deveríamos enviar-lhes uma mensagem preocupante”.

Este artigo foi reproduzido com permissão da revista Nature. O artigo foi publicado pela primeira vez em 2 de Novembro de 2012. 

sitesciam07nov2012
Nas bancas!                     Edições anteriores                                            Edições especiais                              
Conheça outras publicações da Duetto Editorial
© 2012 Site Scientific American Brasil • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.