Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Resistência a Antibióticos no Ambiente

Efeito pode estar associado a águas tratadas, poluição humana e proximidade de animais 

Naomi Lubick
© welcomia
O sistema do Rio Platte Sul começa nas cristalinas correntes das Montanhas Rochosas e flui para leste pelo planalto do Colorado, pontilhado com ranchos de gado, pastos de ovelhas, fazendas de laticínios – e estações de tratamento de esgoto. Em sua primeira pesquisa quantitativa num território contínuo, pesquisadores estudaram a interferência humana nas concentrações de genes resistentes a antibióticos na bacia.

Amy Pruden da Virginia Tech, em Blacksburg, e seus colegas rastrearam dois íntegrons – material genéticos que podem ser trocados entre microrganismos ou isolados no ambiente – chamados de sul1 e tet(W), que conferem resistência aos antibióticos sulfonamida e tetraciclina, respectivamente. Essas duas classes de fármacos são usadas em animais e humanos.

No curso de um ano os pesquisadores coletaram amostras de dez locais na bacia, incluindo áreas relativamente puras, localizadas rio acima, e áreas intensamente afetadas pela ocupação humana. A equipe mapeou 89 estações de tratamento de água e 100 locais de alimentação de animais que desaguam no rio. O Platte Sul recebe o esgoto tratado de locais como Denver e, em fevereiro, a época mais seca do ano, suas águas podem ser dominadas pelo efluente.

Pruden explica que a concentração de genes sul1 de resistência a antibióticos era de mil a 10 mil vezes maior em locais afetados por humanos do que em seu ‘habitat natural’, das áreas mais limpas da bacia. Há também uma correlação linear entre as concentrações de sul1, o número de animais, o número de estações e a localização tanto de animais e quanto estações de tratamento de esgoto rio acima. 

Mas não há correlação clara entre o tet(W) e a atividade humana, e as concentrações de tet(W) também não se adequaram às medições anteriores de tetraciclina nos sedimentos do rio, que poderiam ter levado ao desenvolvimento de bolsões de resistência em comunidades de microorganismos.

A equipe especula que os genes sul1 são mais “promíscuos”, ou mais facilmente adquiridos por bactérias do ambiente e disseminados, enquanto o tet(W) é mais limitado. 

 Resistência de fundo

Genes resistentes ocorrem naturalmente no ambiente; amostras de gelo pré-histórico mostram o TetM ao lado do DNA de mamutes no permafrost de 30 mil anos de idade do Alasca. Esse passado torna importante caracterizar “tanto a ocorrência natural dos genes resistentes a antibióticos quanto a contribuição antropogênica. Também precisamos saber a origem desses genes e a distribuição em termos quantitativos, como a equipe de Pruden fez no Platte Sul”, declara Joakim Larsson da Universidade de Gotenburgo, na Suécia, que rastreou antibióticos e genes resistentes na Índia e na Suécia.

Dana Kolpin, do Serviço Geológico dos Estados Unidos na cidade de Iowa, observa que as descobertas destacam o complexo problema dos genes resistentes a antibióticos, que continua ser preocupante na medida em que o efluente tratado se torna mais usado em regiões com poucos recursos hídricos. Mas ele alerta que apesar do modelo de Pruden ser útil para compreendermos o sistema do Platte Sul, “não podemos extrapolá-lo para todas as bacias, já que cada uma será única”.

Pruden e outros pesquisadores podem ter uma chance de rastrear esses riscos em breve: ela e seus colegas completaram um estudo ainda não publicado sobre o efluente de esgoto de Flagstaff, no estado do Arizona, mostrando que microrganismos que conseguem carregar a resistência a antibióticos sobrevivem aos métodos relativamente poderosos das estações de tratamento, e prosperam nos canos que levam o efluente tratado para ser usado em outros locais.

Os cientistas também detectaram genes de resistência para sulfonamidas e outros antibióticos na água tratada – que será transformada em neve em um resort de esqui próximo dali, em uma parte relativamente cristalina da bacia do rio, no final do ano.

Este artigo foi reproduzido com permissão da revista Nature. O artigo foi publicado pela primeira vez em 17 de outubro de 2012.

 
Nas bancas!                     Edições anteriores                                            Edições especiais                              
Conheça outras publicações da Duetto Editorial
© 2012 Site Scientific American Brasil • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.