Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Planta rara japonesa tem genoma recorde

A Paris japonica contém 150 bilhões de pares de base

John Platt
Cortesia do Royal Botanic Gardens
O genoma, esticado, é mais alto que o Big Ben
Uma planta rara chamada Paris japonica tem um genoma 50 vezes maior do que o dos seres humanos, tornando-o o maior já registrado. O Royal Botanic Gardens anunciou a descoberta na edição de setembro do jornal Linnean Society.

O genoma da planta Paris japonica pesa 152,23 picogramas (bilionésimos de um grama), 15% maior do que o maior genoma previamente conhecido, o de uma erva híbrida de uma Hagae com uma Trillium. "O genoma é tão grande que, quando esticado, seria mais alto que o Big Ben", disse Ilia Leitch, cientista da pesquisa pelo Laboratório Jodrell Kew. O DNA humano só se estica a cerca de 2 metros. A planta tem 150 bilhões de pares de base e o dos seres humanos, apenas com 3 bilhões.

Mais do que uma descoberta importante, o tamanho do genoma mostra a vulnerabilidade dessa planta, infelizmente já rara. "A pesquisa demonstrou que plantas com genomas muito grandes correm maior risco de extinção, são menos adaptadas à vida em solos contaminados e menos capazes de tolerar condições ambientais extremas – todas as fragilidades de grande importância no mundo em mudança”, disse Leitch.

Parte do problema é que os genomas grandes demoram mais para se reproduzir, e as plantas com mais DNA requerem mais tempo para crescer. De acordo com um guia de plantas a espécie Paris japonica pode demorar de dois a quatro anos para germinar acima do solo após o plantio.

Essa planta é nativa do Japão, onde vive em regiões subalpinas. Segundo o Global Biodiversity Information Facility, a espécie só foi observada em sete locais em estado ainda selvagem.