Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Toranja Diminui Necessidade de Medicamentos contra Câncer

Pacientes que ingeriram o suco da fruta precisaram de apenas um terço da dose recomendada anteriormente

Christopher Wanjek e LiveScience Bad Medicine Columnist
Flickr/foreveraining
O suco de toranja – também chamada de grapefruit – é conhecido por ter perigosas interações com vários remédios controlados, mas uma nova pesquisa mostra que, na verdade, ele parece potencializar o efeito benéfico de um promissor medicamento usando no tratamento de câncer. 

Pesquisadores da University of Chicago Medicine descobriram que um copo de suco de toranja melhorou tanto a absorção corporal de rapamicina, um potente fármaco, que foi possível reduzir sua dosagem em um terço e atingir o mesmo efeito de uma dose completa.

Além disso, a dose mais baixa produziu muito menos efeitos colaterais nos pacientes. Se esse mesmo mecanismo puder funcionar em remédios semelhantes – algo que os pesquisadores acreditam ser possível –, médicos poderiam receitar outros fármacos em doses mais baixas, reduzindo efeitos colaterais e economizando dinheiro.

Coquetéis de frutas e drogas

Durante a pesquisa, os pesquisadores, liderados por Ezra Cohen, especialista em oncologia da University of Chicago Medicine, aproveitaram as mesmas propriedades farmacológicas que tornam o suco de toranja tão ameaçador quando tomado com medicamentos controlados.

O suco de toranja inibe certas enzimas nas paredes intestinais que, de outra forma, retardariam a entrada de muitos medicamentos na corrente sanguínea. Com as enzimas bloqueadas, esses medicamentos se movem livremente e com mais rapidez pela corrente sanguínea, podendo afetar o sangue com níveis perigosos e até tóxicos de medicamentos.

Entre esses medicamentos estão estatinas para reduzir o colesterol, muitas drogas psiquiátricas como Valium e Zoloft, analgésicos como a metadona e outros, incluindo a rapamicina.

A rapamicina, também chamada de sirolimus, era originalmente usada como medicamento antifúngico. Após a descoberta de que esse fármaco é também um poderoso imunossupressor, ele começou a ser usado para prevenir rejeições em transplantes de órgãos, especialmente de rins. Recentemente mostrou-se que a rapamicina retarda a disseminação de certos tumores, particularmente os cerebrais e sanguíneos incuráveis.
Caçador de toranja

Assim como muitos medicamentos poderosos, a rapamicina tem seus efeitos colaterais. Em doses acima de 45mg por semana, de acordo com os pesquisadores de Chicago, o fármaco pode provocar sérios problemas gastrointestinais, como náusea e diarreia tão fortes que os pacientes precisam revezar com doses mais baixas.

Para determinar uma dose ideal, o grupo de Ezra conduziu um estudo com 138 pessoas com tumores incuráveis. Um terço deles recebeu apenas rapamicina; outro rapamicina com aproximadamente 250ml de suco de toranja; e a última parte recebeu rapamicina com outro medicamento, chamado de cetoconazol, que também aumenta a absorção do fármaco.

Os pesquisadores descobriram que a dose ideal para quem recebia apenas rapamicina era de aproximadamente 90mg por semana, duas vezes o limiar de efeitos colaterais. Os pacientes que ingeriam suco de toranja, porém, só precisavam de 25 a 35mg semanais de rapamicina. Os tratados com cetoconazol só precisavam de 16mg semanais de rapamicina. Mas, observa Ezra, o suco de toranja é superior por ser natural, não-tóxico e mais barato.

“Temos à nossa disposição um agente que pode aumentar consideravelmente a biodisponibilidade (nesse estudo, em aproximadamente 350%) e reduzir a utilização de medicamentos em muitos agentes metabolizados por enzimas P450” – aquelas enzimas intestinais que o suco de toranja bloqueia, escreveram os autores em seu relatório.

Ezra explicou que uma desvantagem é prever o efeito do suco de toranja. Observe a dose exata determinada com o uso do cetoconazol (16mg) e compare-a com a variação do suco. Isso pode ser devido à formulação do suco, menos precisa que a de um fármaco. No entanto, os pesquisadores adicionaram que testes com níveis de enzimas poderiam determinar, com precisão razoável, como um paciente responderia a medicamentos acompanhados por suco de toranja.


O estudo foi relatado em 7 de agosto no periódico Clinical Cancer Research.

Nas bancas!                     Edições anteriores                                            Edições especiais                              
Conheça outras publicações da Duetto Editorial
© 2012 Site Scientific American Brasil • Duetto Editorial • Todos os direitos o reservados.
Site desenvolvido por Departamento Multimídia • Duetto Editorial.