Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Vírus Epstein-Barr é revestido com armadura

Microscopia eletrônica revela camada protetora nos vírus que causam herpes e mononucleose

Naranson via Wikimedia Commons
Embora ninguém tenha desenvolvido uma vacina contra bacteriófagos, agora que patógenos humanos como Epstein-Barr e herpes simplex foram adicionados à cadeia de comunicação viral, isso provavelmente mudará.

 

 

 
Por Diana Crow

O vírus Epstein-Barr e seus parentes na família Herpesviridae, ou herpesvírus, são conhecidos por sua longevidade. Eles persistem durante anos em tecidos hospedeiros, causando doenças como mononucleose, sarcoma de Kaposi e herpes — e são notoriamente difíceis de matar.

O biofísico Z. Hong Zhou, da University of California, Los Angeles, acredita que o segredo dessa resiliência pode ser uma camada microscópica de “armadura de malha”.

Zhou e seus colegas examinaram as camadas externas, ou cápsides, de um herpesvírus de primata sob um microscópio eletrônico e observaram um padrão de anéis de proteínas entrelaçados. Esses anéis formam uma espécie de malha que pode resistir a pressões intensas e explicar por que herpesvírus são capazes de provocar infecções recorrentes durante décadas.

O estudo, divulgado na edição de 7 de outubro da publicação Structure, marca a primeira vez que alguém foi capaz de focalizar, literalmente, a estrutura de herpesvírus.

Desvendar a configuração de um capsídeo viral [invólucro de origem protéica que protege e facilita a proliferação de vírus] requer tanto a capacidade de discernir moléculas individuais, como a habilidade de ver de que modo elas se encaixam nele.

Herpesvírus são tão grandes que eles não cabem nos campos de visão da maioria dos microscópios eletrônicos. Tentar entender sua estrutura olhando imagens de resolução atômica é como procurar compreender a anatomia de um elefante com base em close-ups exagerados; ou seja, é mais fácil falar que fazer.

Mas assim que a equipe de Zhou conseguiu focalizar a imagem, os pesquisadores notaram um padrão familiar de armadura de malha [que lembram cota de malha usada por templários].

Essa configuração entrelaçada é muito similar à estrutura que outros virologistas encontraram em bacteriófagos, uma família de vírus que infecta bactérias, o que sugere que herpesvírus e bacteriófagos podem compartilhar uma origem evolutiva comum.

“Nunca teríamos visto essa conexão só com base em sequências genéticas”, confessa Jack Johnson, um virologista do Instituto de Pesquisa The Scripps, na Califórnia, não envolvido no estudo que originalmente descobriu o padrão de cota de malha em bacteriófagos. “Esse estudo mostra o quanto é importante realmente olhar para a estrutura”.

Os resultados também podem abrir novas possibilidades para o desenvolvimento de vacinas.

De acordo com Zhou, compreender a geometria de ligações químicas dentro da cota de malha pode ajudar pesquisadores a desenvolver partículas antivirais capazes de quebrá-las. “A maioria dos vírus não têm esses anéis. Em vez disso, seus capsídeos são feitos de ‘tijolos’ que se desmontam assim que penetraram em uma célula hospedeira”, explicou.

Esses tijolos são como blocos de LEGO — mesmo que encaixem com perfeição, eles foram feitos para serem desmontados.

Mas herpesvírus são construídos para durar. E precisam ser resistentes.

Seu DNA é dobrado tão firmemente no capsídeo que a pressão que ele exerce sobre sua parede é cerca de 50 vezes maior que a pressão exercida pela atmosfera terrestre ao nível do mar.

Para grande decepção de muitos desenvolvedores de vacinas, técnicas que neutralizam vírus com capsídeos do tipo LEGO muitas vezes não funcionam em vírus de Epstein-Barr, herpes ou vírus do sarcoma de Kaposi.

Desvendar a estrutura é apenas um primeiro passo rumo a uma vacina, mas ele é crucial.

Embora ninguém tenha desenvolvido uma vacina contra bacteriófagos (“Realmente não existe um mercado para imunizar bactérias”, observa Johnson), agora que patógenos humanos como Epstein-Barr e herpes simplex foram adicionados ao “clube” da cadeia de comunicação viral, isso provavelmente mudará.

Sciam 13 de outubro de 2014