Sciam


Clique e assine Sciam
Notícias

Voyager 1 fora do Sistema Solar

Cientistas concluem que a sonda está mergulhada no denso ambiente interestelar

NASA/JPL-Caltech


Ilustração mostra Voyager 1 e 2 no limite da heliosfera, bolha mantida pelos ventos solares. 




 

Por Clara Moskowitz

Voyager 1 passou a ser associada a alarmes falsos depois que cientistas noticiaram muitas vezes que ela estava prestes a deixar o sistema solar  para, em seguida,  reconhecer que ela ainda estava aqui. Agora, pesquisadores afirmam que novas evidências mostram que a Voyager realmente partiu esfera de influência do Sol e se tornou o primeiro artefato humano a alcançar o espaço interestelar.

Lançada em 1977, a Voyager 1 está se movendo para longe de nós, viajando cerca de 3,5 vezes a distância Terra-Sol a cada ano. A sonda está agora a cerca de 18,2 bilhões de quilômetros da Terra , mais longe do que qualquer equipamento enviado pelo homem ao espaço. ( Sua nave irmã, a Voyager 2 , tomou um caminho mais tortuoso da Terra e é agora cerca de 14,8 bilhões km de distância. )

Os cientistas há muito tempo esperando Voyager 1 para sair da heliosfera  e entrar em uma região com maior abundância de partículas originadas em antigas explosões de outras estrelas. Como a Voyager 1 perdeu  a capacidade de registrar este plasma de partículas, não havia forma direta de confirmar a ocorrência da transição.

A bênção veio de uma erupção no sol no março de 2012, que enviou material solar para o espaço. Quando a ejeção atingiu Voyager 1 treze meses depois, em abril de 2013, provocou vibração do plasma local.

O detector de ondas de plasma da Voyager 1 (separado do extinto detector de partículas de plasma) foi capaz de medir essas vibrações , que por sua vez reflete a densidade do plasma ao redor da nave.

Os resultados mostram que a Voyager 1 está rodeada por plasma 40 vezes mais denso do que detectou antes, quando estava na heliosfera . " Não há outra conclusão possível, penso que é forçoso concluir que estamos realmente no meio interestelar ", argumentou o físico Gary Zank da University of Alabama em Huntsville, durante uma coletiva de imprensa em 12 de setembro.

Com base nas alterações bruscas na densidade do plasma aparente ao redor da sonda , os pesquisadores foram capazes de identificar  25 de agosto de 2012 como a data mais provável  de saída da Voyager 1 do sistema solar, atravessando a heliopausa , fronteira entre a heliosfera eo meio interestelar .

A "pequena nave espacial promissora ", nas palavras do gerente de projeto Suzanne Dodd do NASA Jet Propulsion Laboratory, em Pasadena , na Califórnia, estará acabada em poucos anos e é tecnologicamente obsoleta : um smartphone médio tem milhares de vezes mais memória do que a nave espacial .

A  maioria dos instrumentos da Voyager 1, no entanto, ainda funcionam e continuam a enviar sinais de volta à Terra.

A equipe estima que a sonda ainda tem energia suficiente de sua usina de plutônio para operar todos os seus instrumentos até 2020, quando começará a fechá-los um por um , até se apague em 2025. Isso ainda dá Voyager 1 mais de uma década a estudar o reino do universo que penetrou . "Isso marca o início de uma nova era de exploração Voyager : a exploração do espaço entre as estrelas ", disse Ed Stone, cientista de longa data do projeto de Voyager .

As novas descobertas representam uma reviravolta para a equipe Voyager que em junho passado previu que a sonda poderia levar anos para atingir o espaço interestelar. Os dados mais recentes eliminam grande parte das dúvidas, admite Stone.

A nova publicação online na Science em 12 de setembro referenda o artigo que conclui que a Voyager 1 deixou o sistema solar com base em dados de campo magnético, publicada em 14 de agosto, em The Astrophysical Journal Letters . O principal autor desse trabalho , físico Marc Swisdak da University of Maryland, College Park , considera os dois projetos como complementares. "Os autores construíram um excelente panorama para suas medidas e sua interpretação ", diz Swisdak .

Ao longo de 36 anos , considerando as duas , as sondas Voyager visitou todos os planetas do sistema solar e descobriu 23 luas em torno desses mundos. Cada uma delas também carrega uma cápsulas do tempo na forma de discos de vinil carregadas de gravações de música , sons naturais, cumprimentos falados  em 56 idiomas e fotografias e diagramas de vida na Terra.

A Voyager 1 está em um curso que deve, eventualmente, levá-la a uma estrela chamada AC +79 3888, que se encontra na constelação de Camelopardalis. Poderia chegar lá em cerca de 40 mil anos, muito depois de ter perdido sua capacidade de contar o resultado desse encontro para quem está na Terra.