Ensaio Aberto

Lauro Machado Coelho


"A Ópera Italiana Após 1870"
Editora Perspectiva (2002) Leia outros ensaios

Carlos Gomes, vida e obra (40 textos) Texto Seguinte Índice Texto Completo

01 - Introdução

NA BIBLIOGRAFIA padrão de História da Ópera, não é comum encontrar a obra do brasileiro Antônio Carlos Gomes (1836/1896) estudada dentro do contexto a que efetivamente pertence: o da transição pós-verdiana na Itália. O musicólogo inglês Julian Budden é um dos raros estudiosos a tentar compreender dessa maneira o compositor brasileiro. Em “A Problem of Identity”, no vol. 3 de seu excepcional The Operas of Verdi, é ao lado de Boito, Ponchielli, Franchetti e Catalani que o coloca, no capítulo em que faz o balanço da situação da ópera italiana nos anos de crise e profundas transformações que precedem a revolução realista. Mas essa demonstração de clarividência de Budden é um caso isolado.
Em A Short History of Opera, o americano Donald Jay Grout, de hábito um historiador judicioso, não menciona Carlos Gomes em conexão com as mudanças que estão ocorrendo nesse período. Prefere relegá-lo ao capítulo sobre as escolas nacionais, no subtítulo “Espanha, Portugal e América Latina”. E ainda cita seu nome errado: Carlos Antônio Gomes. Nesse ponto, em todo caso, a culpa não é exclusivamente sua. Esta é a forma como o nome de nosso patrício está registrado no Dizionario Ricordi dei Musicisti – o que é aberrante, em se tratando de obra publicada pela editora que detém os direitos sobre suas partituras.
Há casos piores: em Mascagni, obra coletiva da Electa Editrice dedicada ao estudo do autor da Cavalleria, há um detalhado ensaio de Guido Salvetti sobre o ambiente musical em que esse compositor se formou e desenvolveu. Ali, encontramos referência à “luxuosa ambientação mexicana do Guarany”! Mas Salvetti, infelizmente, não é o único. Jean-François Labie, autor do capítulo “L’Opéra Italien: l’après Verdi”, na Histoire de la Musique Occidentale, organizada por Jean e Brigitte Massin, atribui a Gomez (sic) a autoria da Marion de Lorme – que é de Ponchielli. Confirma-se assim haver musicólogos europeus que até hoje ouvem o galo cantar sem saber onde! O próprio David Kimbell, cujo Italian Opera é um texto fundamental, só registra Carlos Gomes de raspão, fazendo dele um mero epígono de Filippo Marchetti – cujo Ruy Blas (1869) introduziu na Itália a fórmula do grand opéra meyerbeeriano (ver A Ópera Romântica Italiana, desta coleção).
Querer estudar Carlos Gomes dentro do movimento das escolas nacionais sul-americanas é tão absurdo quanto se esquecer que os italianos Cherubini e Spontini ou os alemães Meyerbeer e Offenbach pertencem à História da Ópera na França, e não à de seus respectivos países. A intenção de nosso compatriota nunca foi a de criar uma escola brasileira de ópera e, sim, a de triunfar como compositor na Europa, praticando um melodrama fiel às receitas peninsulares. Cumpre, portanto, corrigir essa distorção, situando-o no ambiente histórico e estético que assistiu ao nascimento de sua produção, e para o qual deu contribuição não-negligenciável. Contribuição essa que, devido ao fato de seu nome estar esquecido na Itália, acaba sendo ignorada – a ponto de um dos raros musicólogos mediterrâneos que o conhecem bem, Marcello Conati, dizer que “as obras de Gomes vivem hoje em estado vegetativo, entre as páginas das partituras conservadas nas bibliotecas”(1) . Hoje, vemos a musicologia italiana atribuir a Ponchielli o papel do compositor que efetua a transição entre o Romantismo e o Verismo, esquecendo – ou simplesmente varrendo para debaixo do tapete – características precursoras de cunho revolucionário que, em data anterior, já estavam presentes na obra do brasileiro.
Para a elaboração deste capítulo, peça fundamental foi Carlos Gomes: a Força Indômita, estudo de Marcus Góes publicado pela Secretaria de Cultura do Pará em 1966, ano do centenário de morte do compositor. Este é o trabalho mais completo e inovador a respeito de Carlos Gomes, na medida em que suas pesquisas fornecem os melhores argumentos para devolver a esse músico o lugar que lhe cabe dentro da História da Ópera italiana.

(1) Em Formazione e Affermazione di Gomes nel Pamorama dell’Opera Italiana: Appunti e Considerazioni em Nello Vetro: Carteggi Italiani.

WebDesignSobe ↑