Publicidade

 
Festival de Ópera do Theatro da Paz, 2002
   

  Festival de Ópera reinaugurou em Belém o Theatro da Paz




  Leia mais:
Templo do tempo das artes
Almir José de Oliveira Gabriel - Governador do Estado
O Pará já não era o Pará
Paulo Chaves Fernandes - Secretário de Cultura
Mais um passo para o futuro
Cleber Papa e Rosana Caramaschi - Diretor Geral e Diretora de Produção
O Theatro da Paz e a retomada de uma tradição
Gilberto Chaves - Diretor Artístico
Theatro da Paz - O som do passado
Vicente Salles



Programação
20 de abril a 12 de maio 2002
- 20, 21 e 22 de abril
Macbeth
- 24 de abril
Recital Gail Gilmore
- 25 e 26 de abril
A Noiva do Condutor
- 27 de abril
História da TV no Pará
- 28 de abril
Concerto Sinfônico
- 29 de abril
Recital Arthur Moreira Lima
- 30 de abril
Stabat Mater
- 02 de maio
Ópera: a Obra de Arte Total
- 03 de maio
Inéditos da Música Paraense do Século XIX
- 04 de maio
Marcelo Bratke
- 07 de maio
Populares & Eruditos
- 09 de maio
Gabriella Affonso
- 10, 11 e 12 de maio
A Viúva Alegre
 
Veja Fotos
- Macbeth
- Recital Gail Gilmore
- A Noiva do Condutor
- Concerto da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz
- Recital Arthur Moreira Lima
- Stabat Mater
- Ópera: a Obra de Arte Total
- Inéditos da Música Paraenses do Século 19
- Marcelo Bratke
- Populares & Eruditos
- Gabriella Affonso
- A Viúva Alegre

Desde abril de 2002, Belém do Pará voltou a oferecer uma das suas maiores e mais ricas atrações: o Theatro da Paz, monumental casa de espetáculos inaugurada em 1878, no auge do Ciclo da Borracha, com 1.100 lugares, acústica perfeita, lustres de cristal, piso em mosaico de madeiras nobres, afrescos nas paredes e teto, dezenas de obras de arte, gradis e outros elementos decorativos revestidos com folhas de ouro.
Primeiro teatro construído na Região Amazônica, sempre foi a porta de entrada e primeira parada das várias companhias estrangeiras de ópera que se apresentaram no norte do país nos tempos áureos da borracha. Ainda hoje, 126 anos após sua conclusão, é uma das salas de espetáculos de melhor acústica no país.
A reinauguração foi marcada pelo Festival de Ópera do Theatro da Paz, evento que se estendeu até 12 de maio, reunindo a apresentação de óperas e operetas, palestras, concertos sinfônicos, recitais de canto e de piano. Produzido pela São PauloImagem Data, o Festival de Ópera do Theatro da Paz foi realizado pelo Governo do Pará com o patrocínio do Banpará, Vale do Rio Doce, Amazônia Celular, e tem o apoio, entre outros, da Celpa, Eletronorte, Estacon, Ministério da Cultura - através da Secretaria da Música e Artes Cênicas - e da Funarte.
As principais atrações do Festival foram a ópera "Macbeth", de Verdi, montagem anglo-brasileira regida pelo maestro inglês Patrick Shelley; o musical "A Noiva do Condutor", composto por Noel Rosa em 1935 e poucas vezes apresentada no Brasil; e "A Viúva Alegre, de Franz Lehár, considerada a opereta mais famosa do mundo e mostrada totalmente em português, numa versão do maestro Júlio Medaglia. A programação musical contou ainda com recitais dos pianista Arthur Moreira Lima, Marcelo Bratke e Gabriella Allonso, da consagrada soprano norte-americana Gail Gilmore, além de concertos de coral e orquestra.
A programação artística foi idealizada com o objetivo de fornecer ao público atual uma espécie de painel das principais atividades desenvolvidas na casa de espetáculos ao longo de sua história. Durante o Ciclo da Borracha, principalmente, as principais companhias européias de ópera apresentavam-se regularmente no Theatro da Paz, bem como artistas brasileiros consagrados, a exemplo de Bidu Sayão e do próprio Carlos Gomes, que viveu e regeu em Belém. Da mesma forma, o teatro sempre deu espaço para a apresentação de orquestras, cantores e músicos locais, já que a cidade é tradicionalmente um celeiro de artistas também da área erudita. A programação do Festival contemplou todas essas facetas, na medida em que reuniu atrações internacionais, artistas brasileiros consagrados e também cantores e músicos paraenses.


Leia sobre a recuperação do Theatro da Paz


Festival de Ópera do Theatro da Paz.
20 de abril a 12 de maio de 2002

Direção geral: Cleber Papa
Direção Artística: Gilberto Chaves
Direção de Produção: Rosana Caramaschi
Realização: Governo do Pará, Secult - Secretaria de Cultura do Pará
Patrocínio: Correios, Banpará, Cia. Vale do Rio Doce, Amazonas Celular, Celpa
Apoio:
Eletronorte, Estacon, Hotel Regente, Encenarte, UFPA
Produção: São Paulo ImagemData
Home

Web Design