Fotografia

São Paulo 2000

Veja as fotos/See the photos

Fotos/photos:
Gal Oppido

Cidade/city:
São Paulo - Brasil

São Paulo na virada do milênio. À luz da simbologia, nada mais óbvio que registrar uma rápida, mas profunda visão de seus entornos e do seu solo impermeabilizado por quilômetros e quilômetros de asfalto e concreto.

Imagens e Construção - São Paulo 2000 vai além disto na nossa visão. Primeiro, por ser o terceiro livro consecutivo que editamos sob a ótica da ocupação urbana desta cidade apaixonante. E aqui reside o segundo aspecto que amplia limites: é uma visão apaixonada.

Vive-se em São Paulo por necessidade, por ausência de alternativa ou por paixão. Em algumas medidas, só isto pode justificar viver aqui. Trânsito caótico, balbúrdia, falta de diretrizes, de segurança.
Excessos impressos nos milhares de luminosos, placas, painéis, pinturas, pichações. Desigualdades. Rio-lodo que nos humilha expondo os restos de uma população muitas vezes insensata. Pasmem – pernilongos nas marginais. Enchentes com data marcada. Carros-prisão – quem tem coragem de abrir as janelas? Apesar de tudo isto, desta convivência sem regras, deste acúmulo de tensões, tem gente – quase 20 milhões – que ainda insiste em viver aqui.

Este é o paradoxo. Esta mesma cidade nos permite enxergá-la, editá-la em livro e aí perceber sua beleza e maturidade incoerente.

É só debruçar no detalhe e São Paulo vira revelação contínua. Cidade de sol forte, de chuva fina, de amores nascidos e renascidos, de vida renovada. Árvores existem aos milhares, pessoas felizes, incontáveis de tantas que são. São Paulo está ocupada em todos os sentidos. Abra-se a janela à noite e no seu raio de visão se vê outras tantas janelas acesas. Nas praças dos bairros, centenas de pessoas de todas as idades jogam conversa fora. Outro tanto, nos centros de lazer e entretenimento. Muito mais que o dobro trabalhando, trabalhando, trabalhando. Já se pensou quantas lâmpadas se queimam nas ruas e são trocadas sem ninguém ver? Observe quanta gente está agindo para recuperar e manter o que resta do patrimônio histórico, para melhorar as condições de acesso, ampliando a oferta de atividades culturais, ou alimentando esta comunidade ávida de bem estar. Falar em multietnias então, virou jargão.

São Paulo é cidade do mundo, de todas as raças. É um caldeirão de muitas comidas, de muitos dicionários. Aqui se aprende de tudo, inclusive coisas boas.

Estas, queremos crer, em maior quantidade, porque se há algum lugar neste país para se aprender de tudo, é aqui. Por isto tanta gente sai. Para ver, aprender, olhar lá fora e voltar. Para ensinar. São Paulo é ávida por crescer. Ninguém está aqui para ficar parado, contemplativo. Quer porque quer chegar a algum lugar. Vias tortas às vezes, mas querem chegar.

São Paulo é assim. Aliás, a proposta do livro é dizer que São Paulo está assim. Porque o que mais queremos, apaixonadamente, é que a cidade mude para melhor.

Cleber Papa
WebDesignSobe ↑