Mostra de Dramaturgia Contemporânea 2002

APCA reconhece a Mostra

Em 2002, a São Paulo ImagemData integrou-se ao projeto criado pelo Núcleo Teatro Promíscuo para realizar a Mostra de Dramaturgia Contemporânea, uma das mais relevantes iniciativas do Teatro no ano.
Além de atingir mais de 14.000 pessoas com ingressos gratuítos no Teatro Popular do SESI, em São Paulo, a Mostra permitiu direcionar o foco à produção dramatúrgica atual, oferecendo ao público um amplo panorama e uma visão comparativa do pensamento dos vários criadores.
A APCA- Associação Paulista dos Críticos de Arte reconheceu a importância do projeto ao conceder o Prêmio Especial de 2002 à Mostra de Dramaturgia Contemporânea.

O projeto continua em 2003, desta vez sem a participação da São Paulo ImagemData, desenvolvido pelo Teatro Promíscuo e com o apoio do SESI que mais uma vez demonstra sua associação a propostas de qualidade.


Peças foram mostradas em São Paulo e no Interior

Terminou no dia 18 de Agosto de 2002 a temporada de cinco semanas da Mostra de Dramaturgia Contemporânea realizada no Centro Cultural São Paulo, quando foram encenadas as peças "Três Cigarros e a Última Lasanha", de Fernando Bonassi e Victor Navas, "Remoto Controle", de Leonardo Alckmin e "O Regulamento", de Samir Yazbek.

A primeira temporada da Mostra de Dramaturgia Contemporânea aconteceu durante o mês de julho, no Teatro Popular do Sesi, em São Paulo. Foram mostrados 15 espetáculos inéditos dos mais importantes dramaturgos brasileiros da atualidade, durante cinco semanas. Os espetáculos tiveram 13 diretores diferentes, mas todos foram encenados pelo mesmo grupo de atores: Renato Borghi, Élcio Nogueira, Luah Guimarães e Débora Duboc. "A idéia era formar um amplo painel do pensamento dramatúrgico brasileiro atual, e esse objetivo foi atingido com grande sucesso", diz Rosana Caramaschi, diretora da São Paulo ImagemData, empresa que produz os espetáculos em parceria com o Núcleo Teatro Promíscuo.

A idéia da Mostra surgiu em janeiro de 2001. Os atores Renato Borghi e Élcio Nogueira, sócios do Núcleo Teatro Promíscuo, decidiram apostar em autores que conquistaram evidência nos anos 90. "Evitamos convidar velhos nomes consagrados, embora muitos dos autores participantes já tenham conquistado seu reconhecimento", destaca Borghi.

Dois meses após os convites, os textos começaram a aparecer. Surgiu então a necessidade de se formar um núcleo de atores. Além de Renato e Élcio, foram convidadas as atrizes Débora Duboc e Luah Guimarães. A São Paulo ImagemData passou a coordenar a produção dos espetáculos e o Centro Cultural Fiesp resolveu abraçar o projeto, lançando-o no Teatro Popular do Sesi "Então, começamos a ensaiar", conta Borghi.

Durante dois meses foram realizados ensaios abertos na periferia de São Paulo, em bibliotecas de bairro. Depois, os ensaios continuaram em quatro unidades do Sesi no interior de São Paulo: Marília, Araraquara, Rio Claro e Sorocaba. "O saldo dessa experiência foi altamente positivo. As conversas com o público foram extremamente modificadoras, não só para as peças apresentadas, bem como para toda a Mostra", explica Borghi.

Realização: Sesi - Serviço Social da Indústria

Produção: São Paulo ImagemData e Cooperativa Paulista de Teatro - Núcleo Teatro Promíscuo

Apoio: Folha de São Paulo; UOL; Ministério da Cultura - Secretaria da Música e Artes Cênicas; Lei de Incentivo à Cultura; Funarte; Governo do Estado de São Paulo - Secretaria de Cultura - Oficinas Culturais.

WebDesignSobe ↑