Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

A importância de manter o orgulho próprio

Autoconfiança e satisfação consigo altera comportamentos não-verbais de forma sutil, levando as pessoas a sorrir mais e se mostrar mais simpáticas

outubro de 2009
© Kochergin/Shutterstock
Relembre a última vez que seu time ganhou, que você foi elogiado pelo bom desempenho nos estudos ou no trabalho ou bateu seu recorde em uma corrida de cinco quilômetros. Você tentou disfarçar sua satisfação para que os outros não o achassem convencido? Se fez isso, talvez o esforço tenha sido pouco produtivo. Uma nova pesquisa sugere que ter orgulho de si mesmo não apenas estimula o esforço de continuar tentando superar os próprios limites, como também faz com que os outros gostem mais de você – desde que venha de um sucesso real e não desabe para uma postura narcisista e arrogante.

“Ao contrário da crença, cultivada por muito tempo pela cultura judaico-cristã, de que a vaidade em relação aos próprios feitos e conquistas deve ser reprimida, a experiência de valorizar conquistas ser muito adaptativa socialmente”, diz a pesquisadora Lisa Willams, da Northeastern University, nos Estados Unidos, e principal autora de um novo estudo. Ela e o psicólogo David DeSteno acompanharam voluntários que, após participar de uma tarefa de na qual precisavam contar com habilidades espaciais, ouviram comentários de que eram excelentes nesse tipo de atividade. Na sequência, fizeram parte de um jogo similar, em equipe. Independente do humor, das características de personalidade e de quanta competência os voluntários relataram sentir, tanto os companheiros de equipe quanto os observadores classificaram essas pessoas como mais participativas e agradáveis que os demais voluntários, do grupo de controle, que não haviam sido levados a sentir orgulho.

O estudo não levou em conta os sinais que as pessoas orgulhosas enviam, de forma inconsciente ou não, para fazer com que os outros gostem delas, mas outra pesquisa mostrou que se sentir satisfeito consigo mesmo altera sutilmente comportamentos não-verbais – por exemplo, levando a pessoa a sorrir mais e a ter atitude confiante.