Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

A orca assassina contra a baleia azul

Tudo converge para a produção de uma subjetividade na qual a palavra, um fator protetor universal do suicídio, se torna um bem cada vez mais escasso

junho de 2017
Christian Ingo Lenz Dunker
SHUTTERSTOCK/ARTE FERNANDA DO VAL

Os filmes Tubarão, de 1975, e Orca: a baleia assassina, de 1977, povoaram a adolescência com a ideia de que por trás, ou mais abaixo, da nossa calmaria marinha, pode haver monstros insuspeitos. Tipicamente são histórias sobre uma família pacata em férias, ou um pequeno vilarejo sossegado, que ignora a existência de perigos próximos, que no mais das vezes eles mesmos incitam desavisadamente. Esta também foi a moral subliminar de filmes como Jurassic Park e sua extensa fauna de dinossauros congêneres entre 1993 e 2001. A geração que cresceu acalentando o terror subterrâneo, que emerge repentinamente, de modo assassino e devorador, tem agora filhos adolescentes. E é essa mesma geração que está às voltas com um incremento de suicídios juvenis, não só no Brasil como no mundo, especialmente nos países asiáticos. Nos anos 1980 o Brasil tinha uma taxa de 0.2 para o suicídio infantil, hoje estamos em 1%, o que fez o número de mortes ultrapassar aqueles causados pelo HIV-aids.

Muitas causas serão levantadas aqui, desde os números maiúsculos para a presença de transtornos mentais nessa situação até transformações nos modos de criação e na expectativa de sucesso ou felicidade. Não creio que uma estatística semelhante, feita nos anos 1980, com os mesmos critérios diagnósticos de hoje, nos levaria a números distintos. Também desconfio dos progressos de nossas exigências narcísicas, quando penso o que significava uma gravidez adolescente antes e hoje. A relação entre adolescência e suicídio é contemporânea da invenção da adolescência como uma fase da vida ligada a certa experimentação do real, mais além e mais aquém das próprias capacidades corporais, cognitivas e desejantes.     

O fato que me parece crucial e distintivo nesta tendência, e que se confirma tanto nos usuários típicos de jogos como Baleia Azul e narrativas existenciais como 13 reasons why é a reincidência de um traço já anunciado em Tubarão: a angústia vivida em silêncio. O mar calmo com suas profundezas silenciosas, contudo assassinas. Particularmente o Brasil assistiu à formação de uma nova geração extremamente acossada pelo moralismo. O discurso sobre a própria fragilidade ou vulnerabilidade é repudiado pelo novo código de honra que opõe o silenciamento forçado à denúncia e a consequente imagem vitimista. Pais compreensivos, escolas inclusivas, discursos de renovação cultural, tudo converge para a produção de uma subjetividade na qual a palavra, este fator protetor universal do suicídio, se torna um bem cada vez mais escasso. Desta forma, o perigo silencioso continua a prosperar nas profundezas de vidas regidas por procedimentos cada vez mais estritos de aceitação e reconhecimento. 

Tipicamente nos filmes dos anos 1970 um erro acidental, como um arpão que atinge uma orca grávida, desencadeava uma sequência de ataques vingativos, incompreensíveis para os marinheiros e banhistas. Há coisas que fazemos sem saber que estamos fazendo, e estas se voltam contra nós. Por exemplo, Hannah, em uma das suas 13 razões, se deixa fotografar em um beijo lésbico, por um fotógrafo mirim que talvez estivesse interessado nela. Depois de entregar os originais, ele a convida para um encontro e ela o despacha rindo. Humilhado, ele retransmite o material para a escola, o que atrapalha sua relação com a amiga e estraga seu baile de formatura. O raciocínio jurídico-moral verá aqui mais uma razão para culpar o Outro pelo progresso da miséria psíquica da menina. Na mesma linha ele argumentará que não se deve inverter os motivos e culpar a vítima. Contudo, ao excluir o efeito “orca assassina”, seja ele representado pelo riso de desprezo, seja pela vingança fotográfica, deixamos de dar lugar àquilo pelo qual somos responsáveis, mesmo não sendo culpados. Caminho certo para reverter a angústia e a inconformidade com o mundo para a agressividade contra si. Encurtamos o pensamento, reduzindo causas a motivos e motivos a razões. Ao reduzir o pensamento e privar a circulação da palavra é a Baleia Azul quem vence.

O especial Adolescentes em riscos foi publicada originalmente na edição de junho de Mente e Cérebro, disponível em: 

Impressa: http://bit.ly/2q3yTJH 
Digital: http://bit.ly/mcappandroid - Android 
           http://bit.ly/mecapple - IOS
           http://bit.ly/mcappweb - versão web


Leia Mais: 


Algoritmo prediz risco de suicídio de pacientes psiquiátricos Método foi desenvolvido por cientistas da Universidade Harvard com base em dados de ex-soldados do exército americano

Saúde pública e suicídioDesemprego, separação conjugal e falta de expectativas são fatores de risco