Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Animais pequenos vivem o mundo em câmera lenta

A vida dos bichos “leves”, com metabolismo pouco acelerado, parece muito breve para os nossos padrões; no entanto, eles percebem tudo mais devagar

agosto de 2014
Shutterstock
O tempo voa para uma mosca: o inseto processa aproximadamente quatro vezes mais informações visuais do que os seres humanos e enxerga 250 frames por segundo, enquanto nós captamos apenas 60.
Um “ano canino” supostamente corresponde a sete anos humanos. Mas será que o cachorro sente que se passaram sete anos em um? Evidências sugerem que diferentes espécies, de fato, experimentam o tempo em variadas escalas. Um estudo recente publicado no periódico científico Animal Behavior revela que a massa corporal e a taxa metabólica determinam a percepção temporal. 

Segundo os pesquisadores, a apreensão do tempo depende da agilidade do sistema nervoso para processar a informação sensorial. Para testar a hipótese, os cientistas selecionaram alguns animais e dispararam em direção a eles um flash de luz que piscava rapidamente. Em determinada velocidade, tanto humanos quanto bichos percebem o estímulo como um brilho constante. Medidos por meio de eletrodos, o comportamento do animal e sua atividade cerebral revelam a frequência mais elevada em que cada espécie capta o momento no qual a luz começa a piscar. Bichos que detectam essa mudança em frequências mais altas captam o tempo com resolução mais apurada. Em outras palavras: para eles, movimentos e eventos parecem acontecer mais lentamente, como nas cenas que vemos em câmera lenta nos filmes de ação em que é possível acompanhar o caminho percorrido por uma bala que sai do revólver.

Os cientistas reuniram dados de experimentos anteriores sobre a velocidade com que a informação visual é processada em 34 vertebrados, como lagartos, aves, peixes e mamíferos. Os pesquisadores acreditam que a capacidade de detectar estímulos muito mais rapidamente é necessária para animais que precisam agir em velocidade equivalente à que precisaríamos para nos esquivar de um tiro, capturar presas ou escapar de predadores, por exemplo. Esses bichos tendem a ser mais leves e ter metabolismo acelerado. E os resultados confirmam: as espécies com percepção mais aguçada do tempo analisadas no estudo realmente tinham essas características.

Os dados mostram ainda que diferenças na forma como um rato e um elefante apreendem o tempo não são arbitrárias, mas afinadas pelas interações com o ambiente.  A ligação entre percepção, estrutura corporal e fisiologia sugere o desenvolvimento de diferentes sistemas nervosos para equilibrar pressões externas com a conservação de energia. A rápida assimilação pode ser essencial para um falcão, mas significar perda preciosa de recurso para uma baleia, por exemplo. Um ano para seu cachorrinho realmente parece mais longo do que para você, mas provavelmente não equivale a sete anos. Na verdade, os cães processam informações visuais pelo menos 25% mais rápido do que os seres humanos.
Shutterstock
Leia mais

Primatas sabem classificar animais de acordo com características biológicas
Estudo sugere que os macacos podem ter desenvolvido conceitos que vai além da percepção de características físicas

Expressão "fofa" ajudou cães a se aproximar de humanos
Cachorros modernos herdaram característica de lobos que, através dessa feição, eram mais aceitos entre os homens