Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Antigo mistério sobre a doença de Alzheimer

A descoberta de que o envelhecimento de uma célula específica é uma causa da doença e não uma resposta a danos neurais, como os especialistas pensavam, abre perspectivas para novos tratamentos da demência

maio de 2012
© SEBASTIAN KAULITZKI/SHUTTERSTOCK
Células gliais figuram como atores principais numa série de doenças neurológicas e psicológicas. Pesquisas recentes mostraram que muitos transtornos neurológicos são na verdade transtornos da glia, particularmente um tipo de célula chamado de microglia, que funciona como um escudeiro defendendo o cérebro de doenças. Esses defensores procuram e matam corpos invasores, e promovem a recuperação de áreas danificadas. Eliminando tecidos doentes e liberando compostos potentes que estimulam a reparação dos tecidos, sua função é primordial em diversos tipos de doença neurológica.

Novas pesquisas sugerem que a demência típica da doença de Alzheimer poderia ser consequência direta da perda da capacidade da glia de limpar os detritos. Alois Alzheimer foi o primeiro a observar que a microglia envolve as placas de amiloides, que são a marca registrada da doença. Normalmente a microglia digere as proteínas tóxicas que formam essas placas. No entanto, estudos recentes realizados pelo neurocientista Wolfgang J. Streit, da Faculdade de Medicina da Universidade da Flórida, sugerem que com o passar do tempo a microglia enfraquece e começa a se degenerar. A atrofia é visível ao microscópio. Microglias senescentes em cérebros envelhecidos se fragmentam, perdendo várias de suas ramificações celulares.

A forma como a doença de Alzheimer incursiona pelo cérebro é mais um sinal do envolvimento microglial. Os danos do tecido se espalham de forma predeterminada, começando próximo do hipocampo e finalmente atingindo o córtex frontal. As observações de Streit mostram que a degeneração microglial segue o mesmo padrão – e ocorre antes da degeneração neural, sugerindo que o envelhecimento da microglia é uma causa da demência do Alzheimer, e não uma resposta a danos neurais, como o próprio Alzheimer e muitos especialistas pensavam. Essa descoberta pode levar a novos tratamentos para a demência, assim que os pesquisadores descobrirem por que a microglia se torna senescente com a idade em algumas pessoas, e em outras não.