Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Aprender com liberdade é melhor

Método Montessori favorece habilidades cognitivas e sociais, diz estudo.

outubro de 2006
Estudo comparou desempenho de crianças educadas pelos métodos montessoriano e tradicional. Mais liberdade na sala de aula favorece o desenvolvimento do senso de justiça e de solidariedade
Individualidade, atividade e liberdade são as bases da teoria elaborada pela médica italiana Maria Montessori (1870-1952). Para ela, a educação se estendia para além dos limites do acúmulo de informações. Difundido no mundo inteiro, seu método foge aos padrões clássicos de ensino por usar materiais educacionais diferenciados e estimular a aprendizagem colaborativa (ver Mente&Cérebro, coleção Memórias da Pedagogia, no3). Estudo recente publicado na revista Science mostra que crianças educadas em uma escola montessoriana se saíram melhor em testes acadêmicos, cognitivos e sociais.

A escola estudada por Angeline Lillard, da Universidade da Virgínia, é pública e atende uma comunidade de baixa renda em Milwaukee, Estados Unidos. As vagas são sorteadas. As crianças avaliadas estavam no final de dois importantes módulos do sistema montessoriano: primário (3 a 5 anos) e elementar (6 a 12 anos). O grupo de controle foi formado por crianças não sorteadas no processo de seleção e, portanto, freqüentavam outras escolas da região, com método tradicional de ensino.

No grupo das crianças de 5 anos, os testes revelaram que os alunos estavam significativamente mais bem preparados nas habilidades matemáticas e de leitura quando comparados às crianças de outras escolas. Também tiveram melhor desempenho em testes comportamentais e demonstraram senso de justiça e de solidariedade mais desenvolvido. A avaliação de estudantes de 12 anos incluiu também redação. Os resultados mostraram que os alunos do método montessoriano usaram sentenças mais elaboradas e se revelaram mais criativos. Além disso, avaliações sociais mostraram que essas crianças tinham mais habilidade para lidar positivamente com situações sociais adversas. Lillard pretende replicar o estudo para analisar os efeitos de longo prazo do método, bem como se suas práticas estão relacionadas a resultados específicos.