Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Arte e trabalho para reintegração social

Instituição de campinas insere usuários do serviço de saúde mental em atividades comunitárias

outubro de 2007
DIVULGAÇÃO
PEÇAS SÃO PRODUZIDAS em 12 oficinas de artesanato: renda é revertida para os artesãos
Em outubro o Armazém das Oficinas, em Campinas, comemora 5 anos de sucesso. A loja é especializada em peças artesanais de decoração, artigos de papelaria, além de brindes e presentes corporativos. As mais de 750 peças em exposição são produzidas por cerca de 250 participantes de 12 oficinas de trabalho. A renda obtida com a venda dos objetos confeccionados com materiais como vidro, madeira, bambu e papel reciclado é revertida mensalmente para a bolsa-oficina destinada aos participantes.

O projeto é resultado da parceria entre o Núcleo de Oficinas e Trabalho (NOT) do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira e a Associação Cornélia Maria Elizabeth van Hylckama Vlieg. No Armazém também é possível encontrar artigos produzidos por artesãos com necessidades especiais, moradores de comunidades, cooperativas, integrantes de projetos e entidades sociais de várias regiões. Participantes com síndrome de Down, por exemplo, fabricam objetos utilizando técnicas de cartonagem e marcenaria; pessoas atendidas pela entidade Toca de Assis especializaram-se em cestaria. Os preços são variados: é possível encontrar desde blocos e caixas para presentes por R$ 0,70, porta-lápis em mosaico que custam R$ 10,00 até lustres ou luminárias a R$ 340,00 e aparadores por R$ 400,00. As oficinas também aceitam encomendas personalizadas.

Nesse modelo de comercialização, a proposta não é apenas mercadológica, mas também terapêutica: a atividade contribui para a estabilização do quadro clínico dos pacientes psiquiátricos e favorece o resgate da auto-estima – já que o artesão tem a oportunidade de se reconhecer como sujeito produtivo, sendo pago de forma justa por seu trabalho. Do ponto de vista social, o projeto gera renda aos integrantes das oficinas e oferece a oportunidade de profissionalização.

Parte dos artesãos também freqüenta o Centro Social Convivência e Arte, do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira, que completa 10 anos de existência. A instituição oferece atividades como produção de vídeo e poesia, teatro, trabalhos manuais, música e rodas de conversa aos usuários do Cândido Ferreira. O objetivo é promover a socialização e inclusão de pacientes, com base nas diretrizes da reforma psiquiátrica.